A importância da nutrição para a saúde do cérebro

Alimentação Bem-estar
04 de Julho, 2024
A importância da nutrição para a saúde do cérebro

Como adequar a dieta para todas as idades e trazer benefícios para a saúde do cérebro? Com o avanço científico, existem muitos estudos sobre a influência da alimentação na saúde cerebral para otimizar a função cognitiva.

De acordo com cientistas da Universidade de Yale e da Pennington Biomedical Research, cortar calorias em apenas 14% por dois anos equilibraram o metabolismo nas células de gordura, o que ajuda a regular a forma como as mitocôndrias geram energia, as respostas anti-inflamatórias do corpo e o sistema imunológico. Assim, aumenta a expectativa de vida.

Lívia Ciacci, neurocientista, esclarece que uma alimentação balanceada, rica em nutrientes específicos para a saúde cerebral, pode ajudar a melhorar a função cognitiva e proteger contra o declínio relacionado à idade. Veja dicas!

Leia mais: Dieta planetária reduz declínicio cognitivo com alimentos baratos

Saúde do cérebro: os benefícios da dieta mind

De acordo com a neurocientista, a Dieta Mind é uma das mais recomendadas para a saúde do cérebro devido ao seu foco específico em alimentos que oferecem suporte às funções cognitivas e protegem de outras doenças.

“Dieta Mind combina elementos das dietas mediterrânea e DASH e foi desenvolvida para melhorar a saúde do cérebro e reduzir o risco de doenças neurodegenerativas. Os alimentos mais recomendados por ela são vegetais de folhas verdes e outros; frutas vermelhas, que são uma excelente fonte de antioxidantes; nozes, que tem gorduras saudáveis; grãos integrais; peixes pelo menos uma vez na semana; aves duas vezes por semana; feijões e leguminosas; e vinho, um copo por dia e preferencialmente o tinto, que é opcional e deve ser tomado com moderação”.

Segundo ela, a Dieta Mind propõe limitar carnes vermelhas, manteiga, queijos, frituras e fast foods. “Os benefícios da Dieta Mind incluem diminuir o risco da Doença de Alzheimer, melhorar a função cognitiva e memória e a redução da inflamação. É essencial que antes de começar qualquer dieta, procure um profissional especializado, mas não há mal algum em adotar uma alimentação rica dos alimentos citados acima e evitar fast foods, gordura saturada, açúcar e alimentos ultraprocessados. Introduzir bons alimentos pode proporcionar diversos benefícios significativos à saúde cerebral e de todo o corpo a longo prazo”, conta.

O que evitar?

Lívia reforça que reduzir o consumo de açúcar, manter uma boa hidratação e não ficar longos períodos em jejum também são boas recomendações. “É necessário frisar que ainda não existe nenhum medicamento vitamínico ou alimento que seja específico para melhorar a função cerebral, ou aumentar o potencial, para isso é necessário um estilo de vida saudável que englobe atividade física, rotinas de aprendizagem e estudo e alimentação saudável”, explica.

Saúde do cérebro: mudança de hábitos é fundamental

Segundo a neurocientista, o hábito do consumo consciente e reeducação alimentar é muito difícil para algumas pessoas porque envolve uma gama de fatores psicológicos, sociais, culturais e econômicos.

“Hábitos alimentares enraizados levam tempo e esforço, e muitas pessoas encontram dificuldades em quebrar padrões estabelecidos. Psicologicamente falando, muitas pessoas usam a comida como uma forma de lidar com emoções negativas ou estresse, além da relação com a comida ser ligada à influência social, da família e dos amigos. O ambiente social pode influenciar não só os hábitos das escolhas alimentares, mas também a quantidade que a pessoa se acostuma a comer. Ter pessoas próximas que apoiem o desejo de mudança e melhoria ajuda, e muito, a adotar novos hábitos.”

3 maneiras simples de desenvolver consciência alimentar

  • Primeiramente, não coma em frente à TV, computador ou celular. Aproveite o alimento e coma devagar, já que além de proporcionar uma experiência alimentar melhor, ainda auxilia na digestão e na percepção de quantidade.
  • Planeje as refeições com antecedência, assim é possível resistir bem mais à tentação dos fast foods.
  • Toda a alimentação começa com boas escolhas no supermercado, verifique os rótulos, inclusive, é possível até baixar um app para ajudar com isso. Evite os que têm muita gordura saturada e açúcar adicionados.
  • Dica extra: por fim, lembre-se que fazer dieta não significa passar fome! Evite longos períodos em jejum e busque orientação de profissionais da nutrição para te ajudar em seu objetivo.

Fonte: Lívia Ciacci, neurocientista parceira do SUPERA – Ginástica para o Cérebro.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

dieta do ovo
Alimentação Bem-estar

Dieta do ovo 3 dias: cardápio do desafio do ovo

Já ouviu falar na dieta do ovo 3 dias? No desafio do ovo podemos consumir ovo em forma de omelete, mexido, cozido ou frito. Veja o

mãos preparando um chá de gengibre em uma bancada
Alimentação Bem-estar

Alivia enjoo, reduz cólicas e é antioxidante: benefícios do chá de gengibre

Raiz sempre foi usada por diferentes povos milenares, que acreditavam em suas propriedades medicinais