Ondas de calor aumentam o risco de câncer de pele. Veja como se proteger

Saúde
20 de Dezembro, 2023
Ondas de calor aumentam o risco de câncer de pele. Veja como se proteger

Com as recentes ondas de calor presenciadas em todo o país, é necessário ficar atento aos perigos que a exposição solar pode trazer à saúde. Em especial, o maior órgão do corpo a pele pode ficar mais exposto aos danos. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), um em cada três diagnósticos de câncer estão ligados à pele. E os números são alarmantes: as fortes ondas de calor podem aumentar o risco de câncer de pele, que já soma 185 mil novos casos por ano. Saiba mais!

Veja também: Alimentos desintoxicantes para consumir durante as festas

Câncer de pele: Radiação solar é a principal causa

O câncer de pele, caracterizado pelo crescimento desordenado e anormal de células, apresenta duas formas principais: o melanoma, considerado mais grave devido à alta probabilidade de metástase; e o não melanoma, mais comum e com altas taxas de cura quando detectado precocemente.

Há possibilidades de a patologia surgir devido a mudanças no DNA das células da pele, mas o dermatologista explica que a exposição contínua à radiação solar é a principal causa desse tipo de câncer. “Fatores como histórico familiar e tratamento com radioterapia e imunossupressores também aumentam a suscetibilidade ao desenvolvimento desse tipo de câncer, bem como pessoas de pele clara, sardas e cabelos claros”.

Dicas para minimizar os riscos de câncer de pele

O dermatologista do Hospital IGESP, Thiago Zaragoza, destaca a importância de redobrar os cuidados, principalmente com as crescentes ondas de calor.

“A exposição excessiva, especialmente durante a época de calor mais intenso, aumenta significativamente o risco de desenvolver câncer de pele. Por isso, é crucial redobrar os cuidados preventivos, como o uso regular de filtro solar, roupas de proteção, chapéus e óculos de sol, além de evitar os horários de maior radiação solar, entre às 10h e 16h”, orienta.

Sinais de alerta

  • Qualquer pinta ou sinal que tenha crescimento, apresente coceira, sangramento frequente ou mude de cor, tamanho, consistência e espessura;
  • Lesão rosada, avermelhada de crescimento lento, mas frequente;
  • Qualquer ferida que não cicatrize em quatro semanas;
  • Mancha de nascença que mude de cor, espessura ou tamanho.

Na dúvida, consulte um especialista

O especialista explica que o câncer de pele tem a menor taxa de mortalidade e apresenta altos percentuais de cura quando detectado precocemente.

“Por isso, identificar os sinais da incidência da doença é fundamental para que o tratamento adequado seja feito. Para obter um diagnóstico preciso, é crucial realizar exames clínicos regulares com um dermatologista. Em casos mais graves, a identificação é realizada por meio de biópsia ou remoção completa da lesão, visando evitar complicações cirúrgicas e controlar o tamanho da lesão na pele”, finaliza o dermatologista do Hospital IGESP.

Fonte: Dr. Thiago Zaragoza, médico dermatologista do Hospital IGESP

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

foto de uma caderneta de vacinação com uma seringa
Saúde

Caderneta de vacinação em dia ajuda a evitar surtos de doenças

Especialistas alertam que a vacinação é um pacto de saúde coletivo

Chá de folha de mamão e dengue
Saúde

Chá de folha de mamão e dengue: é falso que bebida combate a doença

Não existem evidências científicas de que a bebida possui propriedades medicinais no tratamento da doença

vitamina B e dengue
Saúde

Vitamina B previne a picada do mosquito da dengue?

Sem comprovação científica, a técnica popular pode levar a população a uma falsa sensação de segurança