Relactação: Entenda como funciona a técnica para voltar a amamentar

Gravidez e maternidade Saúde
19 de Dezembro, 2023
Relactação: Entenda como funciona a técnica para voltar a amamentar

A importância da amamentação na rotina dos bebês é inquestionável. O leite materno é capaz de oferecer proteção contra doenças, apoio no desenvolvimento do bebê e fortalecimento do sistema imunológico. Contudo, no caminho do aleitamento, as mães podem enfrentar dificuldades que ameaçam essa valiosa fonte de nutrientes para as crianças. É aí que entra o processo de relactação. Saiba mais!

Veja também: Amamentação em livre demanda: entenda o que é e quais são os benefícios

O que é e para que serve a relactação?

A relactação, também chamada de translactação, é uma técnica que permite o “estímulo da produção de leite materno” a partir de um procedimento de baixa complexidade, como explica a médica ginecologista e obstetra do hospital Albert Einstein Dra. Mariana Rosário.

Dessa forma, a técnica serve para possibilitar a alimentação do bebê quando a amamentação não pôde ser realizada inicialmente de forma natural. “É o caso dos bebês prematuros, que tiveram o leite materno logo ao nascimento”, explica a pediatra Sandi Sato, gerente médica da maternidade Brasília.

É indicado para: 

  • Adoção de bebês;
  • Barriga solidária;
  • Retomada da amamentação;
  • Baixa ou pausa de produção de leite;
  • Problemas de sucção;
  • Confusão de bicos por introdução da mamadeira;
  • Por fim, baixo peso do bebê; 

Além disso, outra indicação é quando, por questões de saúde, as mães tiveram que parar de amamentar. Assim, o processo tem um começo, um meio e um fim, e o sucesso do tratamento fica comprovado no momento em que a mãe começa a produzir qualquer quantidade de leite, podendo, assim, diminuir a alimentação do filho com o leite usado anteriormente, seja do banco de leite, seja por meio de fórmulas. 

Como funciona?

Uma sonda pequena e fina (gástrica) é acoplada no bico do peito da mãe por meio de uma fita adesiva. A outra ponta deve ser colocada em um recipiente com leite (humano ou fórmula). Em seguida, o bebê deve ser colocado nos braços da mãe para mamar, garantindo a “pega correta”. A partir disso, o bebê passa a sugar o peito da mãe e a sonda – ao mesmo tempo. Então, ele recebe o leite pela sonda e estimula a mama a produzir mais leite.

Vale ressaltar que o processo tem mais sucesso quando o bebê tem até 2 meses de vida, mas exige esforços para que finalmente a mãe comece a produzir leite sem indução: “É um processo que demora. Portanto, exige técnica da consultora de amamentação e paciência da mãe, mas costuma dar muito certo”, finaliza a médica. 

Porém, não há como prever quanto tempo levará a relactação. “Depende de vários fatores, como aceitação do bebê em sugar o seio materno, qualidade dessa sucção e a resposta do organismo da mãe”, esclarece a pediatra. Por fim, a técnica de relactação, por si só, não apresenta contraindicações. 

Qual a diferença entre translactação e relactação?

A diferença entre as técnicas é que na translactação o leite humano é utilizado no recipiente para estimular a produção de leite materno. Já na relactação, o leite utilizado é artificial, portanto, fórmula. 

Leia também: Silicone e amamentação: Saiba o que pode e o que é mito

Fonte:

  • Dra. Mariana Rosário, Ginecologista, obstetra e mastologista, membro do corpo clínico do hospital Albert Einstein.
  • Sandi Sato, pediatra e gerente médica da Maternidade Brasília.

Sobre o autor

Tayna Farias
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em gravidez e maternidade

Leia também:

montagem com as fotos de Wagner
Saúde

Ele já fez mais de 100 doações de sangue e plaquetas: “dar um pouco da minha saúde para quem precisa”

Conheça a história de Wagner Hirata, que tem as doações de sangue e plaquetas como um de seus propósitos de vida

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte

Reynaldo Gianecchini
Saúde

Reynaldo Gianecchini revela diagnóstico de doença autoimune

A síndrome de Guillain Barré causa fraqueza e dificuldades para mover os braços e as pernas