Refluxo no carnaval: saiba como evitar o desconforto

Saúde
14 de Fevereiro, 2023
Refluxo no carnaval: saiba como evitar o desconforto

A poucos dias da folia — que já começou o esquenta em muitas cidades do Brasil — muita gente não vê a hora de se jogar nos bloquinhos e festas carnavalescas. Embora a diversão seja necessária e merecida, os excessos também são quase inevitáveis. Bebidas alcoólicas, alimentação rica em gorduras e petiscos são praticamente regra nesses dias. Por esse motivo, pode surgir o temido refluxo durante o carnaval, desconforto capaz de jogar um balde de água fria nos ânimos.

Veja também: Afinal, sambar de salto alto prejudica os pés?

Como evitar o refluxo no carnaval?

Antes de mais nada, é importante entender o que é refluxo, que não é um sintoma, mas uma doença que indica a inflamação da mucosa do estômago e/ou esôfago. Logo, a azia e outros incômodos são um possível indício do problema.

“Dor no peito, regurgitação, tosse, rouquidão, pigarro e por aí vai. Tudo isso aparece por conta da corrosão provocada pelos ácidos digestivos que normalmente, são consequência da ingestão dos alimentos gordurosos, industrializados e picantes. Ou seja, grandes vilões para quem tem refluxo que estão entre os mais consumidos durante a folia carnavalesca”, explica Rodrigo Barbosa, cirurgião do aparelho digestivo.

Logo no primeiro sinal do inconveniente, é comum recorrer a medicamentos, como chás, antiácidos e protetores do estômago. Contudo, os hábitos de alimentação e estilo de vida são o principal problema ou solução para o refluxo.

“As medidas essenciais para prevenção do problema são: mastigar bem, não ingerir líquidos durante as refeições, evitar o tabagismo, comer de maneira fracionada e não se deitar logo após se alimentar”, aconselha o médico.

Além disso, Barbosa recomenda não ingerir gorduras e outros alimentos que fogem do cardápio habitual, já que o refluxo pode ir além do carnaval e se tornar uma doença crônica.

Diagnóstico e tratamento

Antes de se preocupar, procure um gastroenterologista — só o profissional pode identificar o problema. Primeiro porque o refluxo gastroesofágico pode ser confundido com alguma doença cardíaca devido aos incômodos na região da caixa torácica, por onde o esôfago passa.

Então, evite se automedicar para curtir o carnaval, pois os medicamentos sem prescrição podem mascarar os sintomas e dificultar a descoberta do refluxo.

Na consulta, o profissional pedirá exames específicos — como endoscopia digestiva alta e laringoscopia. Eles ajudarão a reconhecer inflamações e informarão o nível de acidez do líquido estomacal. Estilo de vida, alimentação e histórico de doenças também são investigados para fechar o diagnóstico.

Caso você tenha refluxo gastroesofágico, serão necessárias algumas mudanças no seu estilo de vida, conforme falamos anteriormente. Por exemplo:

  • Alguns alimentos como café, frutas cítricas, bebidas gaseificadas, certos tipos de temperos e frituras poderão ser riscados do cardápio;
  • Perder peso (se você estiver com sobrepeso);
  • Levantar a cabeceira da cama de seis a oito polegadas (você pode fazer isso colocando blocos de madeira embaixo das pernas da cama ou uma cunha de espuma embaixo do colchão. Várias empresas têm produtos com esse fim);
  • Esperar de 2 a 3 horas para se deitar após a refeição;
  • Parar de fumar. A saliva ajuda a neutralizar o ácido e o hábito de fumar reduz a quantidade de saliva na boca e na garganta. O tabagismo também diminui a pressão no esfíncter inferior do esôfago e provoca tosse, causando episódios frequentes de refluxo ácido no esôfago.

 

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

vitamina B e dengue
Saúde

Vitamina B previne a picada do mosquito da dengue?

Sem comprovação científica, a técnica popular pode levar a população a uma falsa sensação de segurança

Efeitos da vacina de Covid
Saúde

Efeitos da vacina da Covid: primeiro grande estudo mostra resultados

Segundo estudo, os efeitos da vacina são menores do que a infecção pela doença

disuria
Saúde

Disúria: entenda as causas, sintomas e tratamentos da dor ao urinar

O sintoma, popularmente chamado de dor ao urinar, pode ter diversas causas, sendo a infecção urinária a principal