Refluxo na gravidez: Quais são as causas e os tratamentos

Gravidez e maternidade Saúde
19 de Agosto, 2021
Refluxo na gravidez: Quais são as causas e os tratamentos

O processo de gestação é mágico, mas nada fácil. Isso porque com o tempo, o corpo da mulher passa por diversas transformações para acomodar melhor o bebê. Além disso, problemas como o refluxo na gravidez costumam surgir. 

A digestão, assim como todos os processos do corpo humano, precisa de uma engrenagem complexa para acontecer corretamente. Quando o músculo e os esfíncteres que impedem que o ácido do estômago saia do seu interior não funcionam de forma adequada, acontece o refluxo gastroesofágico.

Assim, o retorno do ácido gástrico para o esôfago em direção à boca pode causar azia, queimação e outros incômodos.

Mas por que ocorre o refluxo na gravidez?

“O problema acontece por dois fatores: o aumento da pressão abdominal e o efeito da progesterona — hormônio que prepara o endométrio (tecido de revestimento do útero) para a gestação”, explica Zuleica Barrio, gastroenterologista e coordenadora do NEDIC do Hospital Brasília.

Durante a gravidez, o útero ocupa mais espaço e pressiona outros órgãos internos, fazendo com que uma pequena porção de alimento já seja suficiente para “encher” o estômago. Isso, associado ao aumento da progesterona durante a gravidez, relaxa a válvula que separa o esôfago do estômago, podendo fazer com que o suco gástrico volte ao esôfago.

“Normalmente, as gestantes sentem azia e têm má digestão na segunda metade da gravidez, podendo começar antes. E o quadro só irá passar após o nascimento do bebê”, afirma a especialista.

É comum ter refluxo gastroesofágico na gravidez?

A resposta é sim. O refluxo gastroesofágico é muito comum durante a gravidez, sendo a azia o sintoma mais comum. Normalmente, a maioria das mulheres começa a sentir os sintomas ao final do primeiro trimestre, que vão aumentando ao longo da gravidez.

O quadro, de modo geral, não oferece riscos para a gestante. Sendo assim, os sintomas cessam após o nascimento do bebê. Mas podem retornar em gestações futuras.

Leia também: Prisão de ventre na gravidez: Dicas para lidar com o problema

Como prevenir o refluxo na gravidez?

“Ainda que existam essas causas ligadas à gestação, é possível prevenir o desconforto adotando uma alimentação equilibrada e evitando o aumento de peso em excesso”, continua a médica. 

Além disso, outras orientações da especialista são: evitar deitar com o estômago cheio, não tomar líquidos durante as refeições, diminuir o consumo de bebidas gasosas, não ingerir volumes grandes de alimentos e preferir uma dieta fracionada em várias refeições ao dia.

Leia também: Candidíase na gravidez: Sintomas, tratamento e como evitar

Quais são os sintomas?

Os sintomas de refluxo gastroesofágico costumam ser desconfortáveis, mas comumente não apresentam gravidade. Os principais são:

  • Azia e queimação;
  • Arrotos frequentes;
  • Regurgitação;
  • Tosse de difícil controle.​

Caso esses sinais fiquem intensos e recorrentes, busque orientação médica. O especialista poderá indicar antiácidos para neutralizar o ácido produzido no estômago e aliviar o desconforto. Não use medicamentos sem orientação médica.

Tratamento

Segundo Zuleica, o tratamento consiste nas medidas comportamentais e dietéticas já descritas. Além disso, também pode ser indicado o uso de medicamentos anti-ácidos, bloqueadores da produção ácida e procinéticos. É importante salientar que não se deve usar medicamento sem prescrição médica, principalmente no primeiro trimestre da gestação.

Fonte: Zuleica Barrio Bortoli, gastroenterologista e coordenadora do Núcleo de Doenças Intestinais Complexas – Nedic, do Hospital Brasília, empresa da mesma rede de saúde integrada da Maternidade Brasília, a Dasa.

Sobre o autor

Julia Moraes
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em fitness, saúde mental e emocional.

Leia também:

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas

bebê pode comer camarão
Alimentação Bem-estar Gravidez e maternidade

Bebê pode comer camarão? Pediatra explica

Crianças podem ser introduzidos a frutos do mar a partir dos 6 meses de idade, segundo a SBP