Quimioterapia: o que é, como é feita e efeitos colaterais

Saúde
08 de Setembro, 2022
Quimioterapia: o que é, como é feita e efeitos colaterais

O tratamento do câncer envolve diferentes formas, como a cirurgia, a radioterapia, mas também a quimioterapia, uma das alternativas terapêuticas mais conhecidas e utilizadas. Além disso, em muitos casos, os médicos podem combinar essas terapias para potencializar os resultados. Vamos entender melhor como funciona a quimioterapia, que vem evoluindo bastante nos últimos anos e pode ser até por via oral.

Leia mais: Câncer de mama e exercício: treinar pode reduzir o risco a 40% ou mais

O que é a quimioterapia? 

Basicamente, a quimioterapia utiliza medicamentos para combater o câncer. De acordo com o Inca, esses medicamentos se misturam com o sangue e vão destruindo as células que formam o tumor. Além disso, ajuda a evitar que o câncer se espalhe. 

Não é somente para tratar câncer

Uma coisa que poucas pessoas sabem é que os medicamentos quimioterápicos também são utilizados para tratar doenças autoimunes, como a esclerose múltipla e a artrite reumatoide. 

Como é feita a quimioterapia?

O tratamento é feito em ciclos, com aplicações que podem ser diárias, semanais ou mensais. Em geral, um ciclo de quimioterapia dura algumas semanas e depois há um período de descanso, para que o corpo possa se recuperar.

Via oral

São comprimidos, cápsulas ou líquidos que os pacientes podem tomar em casa. 

Intravenosa

A medicação é aplicada na veia, na forma de injeções ou dentro do soro. 

Intramuscular e subcutânea

A medicação é aplicada por meio de injeções diretamente no músculo ou abaixo da pele, acima do músculo. 

Intratecal

Essa modalidade é pouco comum, mas consiste na aplicação diretamente no liquor, o líquido da espinha dorsal. 

Tópica

A quimioterapia também pode ser aplicada como líquido ou pomada diretamente na pele. 

Possíveis efeitos colaterais da quimioterapia

As reações colaterais vão variar de acordo com os medicamentos utilizados, as doses e o organismo de cada paciente. Contudo, alguns efeitos são bastante comuns e já esperados. 

Por isso, confira os principais efeitos colaterais da quimioterapia:

Náuseas e vômitos

Uma das mais frequentes reações ao uso de quimioterápicos, pode acontecer por irritação do estômago, ou pela ação no sistema nervoso central. Para ajudar no controle das náuseas, os médicos prescrevem medicações durante a própria quimioterapia e após.

Mas algumas dicas podem ajudar a melhorar os enjoos: 

  • ​Faça pequenas refeições ao longo do dia, mas também evite beber líquido próximo às refeições, para não distender o estômago;
  • Evite comidas gordurosas ou frituras;
  • Mastigue lentamente os alimentos e, além disso, fique em posição sentada após as refeições;
  • Beba suco de frutas gelado ao longo do dia;
  • Evite bebidas gasosas;
  • Evite exposição a cheiros fortes (fumaça, perfumes, frituras etc.);
  • Vista roupas folgadas, evitando comprimir o abdome.

Queda de cabelo 

Apesar de ser bem comum, nem sempre acontece e vai variar de acordo com o tipo de medicamento utilizado. Alguns pacientes podem ter queda parcial dos fios, deixando-os mais ralos e outros a queda completa. Geralmente, a queda começa a partir da segunda ou terceira semana do tratamento. Todavia, é importante destacar que a queda é transitória: quando é finalizado o tratamento com quimioterapia, os cabelos voltam a crescer.  

O uso de touca com resfriamento pode ajudar a evitar ou minimizar a queda dos fios. Além disso, outros cuidados são:

  • Utilizar xampus suaves e escovas de cerdas macias;
  • Proteger o couro cabeludo da luz do sol;
  • Aplicar pouco calor quando utilizar o secador de cabelos.

Infecções

Como a quimioterapia diminui a imunidade do corpo, o paciente pode ficar suscetível a desenvolver infecções. Por isso, ao sinal de qualquer infecção procure imediatamente o pronto-socorro para uma avaliação completa. É muito importante que o paciente e os parentes que o acompanham não menosprezem os sintomas. Com diagnóstico precoce, é possível evitar complicações. 

Alterações na pele e nas unhas

Alguns pacientes podem apresentar coceira, vermelhidão, ressecamento e descamação da pele. Além disso, as unhas podem se tornar mais escuras e quebradiças.  Essas são reações a alguns medicamentos quimioterápicos. Por isso, especialistas recomendam evitar exposição ao sol e utilizar sempre protetor solar para evitar piorar os sintomas. 

Cansaço e fadiga

Muitos pacientes podem apresentar sinais de cansaço, que vão além da própria doença. Isso porque o próprio tratamento e a anemia, presente em muitos casos, podem causar esses sintomas.  Outra possível causa é a depressão, que costuma também causar sintomas de fadiga extrema. Por isso, diante de qualquer sinal, converse com sua equipe médica. Com tratamento adequado, é possível minimizar esses sintomas. 

Referência: Inca e Hospital Albert Einstein 

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas

corredor abaixado segurando a perna aparentemente com dor
Bem-estar Movimento Saúde

Será que eu estou com canelite? Médico destaca principais sinais

A condição é uma das principais preocupações entre os corredores. Ortopedista explica como identificar os sintomas característicos da canelite