Quem amamenta pode fazer jejum intermitente?

Gravidez e maternidade Saúde
16 de Junho, 2021
Quem amamenta pode fazer jejum intermitente?

É normal o ganho de peso na gestação. Em alguns casos, os quilinhos extra vão embora rapidamente, mas em outros, não. Aí, as mamães que buscam emagrecer ficam com diversas dúvidas. Como: quem amamenta pode fazer jejum intermitente?

A nutricionista Dayse Paravidino explica que o jejum intermitente é uma estratégia que visa o emagrecimento por meio da restrição calórica. Nela, você fica sem comer por períodos que podem variar de 12 a 24 horas.

Por outro lado, durante a amamentação exclusiva, quando há a livre demanda de leite pelo bebê, o cardápio da mulher precisa ser balanceado e caprichado em macronutrientes, como a proteína. “Recomenda-se 1,4 gramas de proteína para cada quilo corporal da mãe. É fundamental que ela tenha acompanhamento médico e nutricional na recuperação pós-parto, assim como na amamentação”, afirma a especialista.

Portanto, as duas coisas parecem não combinar e nem são recomendadas por profissionais.

Quem amamenta pode fazer jejum intermitente? Riscos para as mães

Dayse explica que dietas com restrições, como ficar muito tempo sem comer, podem afetar negativamente as lactantes. Isso porque para produzir leite de qualidade, além de ingerir muita água, é preciso ter uma boa alimentação.

“Se você, mamãe, está preocupada em passar a maior quantidade de nutrientes ao bebê, garantindo, desse modo, o crescimento e a cognição dele, o jejum intermitente não é uma boa estratégia”, ela diz. Há ainda a possibilidade de alguns sintomas adversos, como:

  • Queimação no estômago;
  • Dores de cabeça;
  • Aumento dos níveis de ansiedade;
  • Até ganho de mais peso.

E para a criança?

Da mesma forma, a amamentação de qualidade é importante para a formação do bebê. Nos primeiros seis meses, ele recebe os nutrientes que precisa exclusivamente pelo leite materno. “Outro macronutriente essencial nessa fase é o carboidrato, principal fonte de energia. Assim como os micronutrientes ferro, iodo e vitamina B12.”

A partir do sexto mês, inicia-se a introdução alimentar: itens sólidos, como frutas e legumes, começam a fazer parte da vida do pequeno. Aí, algum tipo de dieta para perder peso já pode começar a ser pensada, desde que com muita cautela e ajuda de especialistas. “Contudo, o emagrecimento não deveria ser a prioridade”, finaliza Dayse.

Leia também: Grávidas podem tomar café? Veja se há uma quantidade segura

Sobre o autor

Amanda Panteri
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em alimentação saudável.

Leia também:

edema articular
Saúde

Edema articular: o que é, causas e tratamentos

O edema, habitualmente, não é uma doença, mas uma das manifestações de uma outra doença

Arritmias cardíacas
Saúde

Arritmias cardíacas: conheça as causas, sintomas e tratamentos

A estratégia de prevenção da doença inclui controle o peso e a prática de atividade física. Saiba mais

Cardiopatia congênita
Gravidez e maternidade Saúde

Cardiopatia congênita: o que é, tipos, sintomas e diagnóstico

Confira os principais tipos e como são feitos os tratamentos