Obesidade abdominal e perda de força muscular aumentam risco de queda em idosos

Bem-estar Movimento
01 de Julho, 2021
Obesidade abdominal e perda de força muscular aumentam risco de queda em idosos

As quedas em idosos representam traumas que podem ser perigosos. Por isso, tentar evitá-las é muito importante — seja adaptando a casa e os ambientes onde a pessoa vive, ou estimulando-a a adotar hábitos para prevenir a fragilidade, como a prática de exercícios físicos e a alimentação equilibrada.

De acordo com o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, do Ministério da Saúde, estima-se que um em cada três indivíduos com mais de 65 anos sofram algum tipo de queda até o fim da vida, e um em cada 20 deles fraturem alguma parte do corpo ou precisem de internação. Ainda, quando analisados os idosos com mais de 80 anos, prevê-se que 40% deles caiam. Dos que moram em asilos e casas de repouso, a porcentagem sobe para 50%.

Obesidade abdominal e perda de força muscular são fatores de risco para quedas em idosos

É o que aponta um estudo realizado pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em parceria com a University College London. Nele, 2.294 participantes saudáveis com 60 anos ou mais foram acompanhados durante 8 anos.

Como resultado, a pesquisa concluiu que idosos com obesidade abdominal (acúmulo excessivo de gordura na barriga) tiveram uma diminuição na velocidade de caminhada de 15 centímetros por segundo ao longo do tempo. Pessoas sem obesidade, por outro lado, tiveram uma redução de apenas 4,8 centímetros por segundo no mesmo período.

Pode até parecer pouca coisa, mas a menor velocidade ao caminhar provavelmente significa menos mobilidade e até menos equilíbrio. O que, portanto, aumenta a chance de queda em idosos e piora consideravelmente a qualidade de vida.

Além disso, o estudo também mostrou que a gordura abdominal tem potencial inflamatório, e pode agravar um processo que ocorre naturalmente com a idade: a perda de força muscular (também conhecida como dinapenia). Assim, quando a obesidade abdominal e a dinapenia estão juntas, mais prejuízos para os idosos podem aparecer.

Leia também: Atividade física para os idosos: Benefícios e exercícios mais indicados

Como evitar a obesidade abdominal e a perda de força muscular em idosos

A boa alimentação e a prática de exercícios regulares durante toda a vida são muito indicadas para prevenir os dois problemas. Afinal, ambas ajudam a desacelerar a perda de massa magra, poupam o sistema nervoso e, consequentemente, são pontos essenciais para uma longevidade mais saudável.

Além disso, a atividade física regular traz:

  • Melhora da capacidade cardiopulmonar e neuromuscular;
  • Maior equilíbrio e flexibilidade;
  • Controle da hipertensão arterial, diabetes e obesidade;
  • Ganhos mentais, como mais autoestima e socialização.

Leia também: Exercícios para prevenir quedas: Veja os melhores

Sobre o autor

Amanda Panteri
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em alimentação saudável.

Leia também:

mulher madura comendo uma maçã ao ar livre. Ela está de óculos de sol e tem uma toalha apoiada nos ombros
Alimentação Bem-estar

Dieta ideal para menopausa: o que (e quanto) consumir?

Artigo publicado na revista Nature mostra quais itens consumir (e quais evitar) em uma dieta para aliviar os incômodos da menopausa

Em quanto tempo o ômega-3 faz efeito?
Alimentação Bem-estar Saúde

Em quanto tempo o ômega-3 faz efeito?

O ômega 3 é considerado um nutriente essencial para uma dieta saudável e balanceada

Tipos de laranja
Alimentação Bem-estar

Tipos de laranja: conheça as diferenças e benefícios de cada um

Além de possuir vitamina C, a frutinha é rica em fibras que trazem benefícios para a saúde intestinal