Quarta dose da vacina dá mais reação? Especialista esclarece

2 de agosto, 2022

A quarta dose da vacina contra a Covid-19 está disponível para quase todos os públicos no Brasil. A princípio, essa quarta dose (ou segunda dose de reforço) é fundamental para quem recebeu a vacina Pfizer, Coronavac ou Astrazeneca. Afinal, com o passar do tempo, esses imunizantes perdem a força protetora contra o vírus, o que torna a reaplicação necessária. Contudo, muitas pessoas relataram que ficaram mais “derrubadas” após a picadinha, o que causou uma dúvida comum: a quarta dose da vacina dá mais reação do que as anteriores?

Bruno Zappa, médico infectologista do Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) do Hospital Adventista Silvestre, afirma que não existem estudos que comprovem essa percepção. “O que acontece é que existem vacinas [de fabricantes] diferentes que causam efeitos adversos variados. Tais reações são esperadas, porque são uma resposta imunológica do nosso organismo ao antígeno, que causa uma espécie de inflamação. Logo, os sintomas mais comuns são dor no local da aplicação, mal estar, febre e dor de cabeça, que duram de 24h a 48h”, explica.

Veja também: Imunização: por que devemos seguir o esquema vacinal?

Afinal, por que sentimos que a quarta dose da vacina dá mais reação?

Embora não existam pesquisas ou achados científicos sobre o assunto, Zappa explica que alguns indivíduos realmente podem ter os sintomas mais intensos, dependendo da vacina. De acordo com o especialista, a composição das vacinas pode influenciar o grau de indisposição. Além disso, a individualidade é um fator importante: há pessoas que não sentem nada, enquanto outras sofrem mais com os desconfortos. “As vacinas de adenovírus, como a Janssen e a AstraZeneca, podem causar uma reação maior, porém de curta duração. Nesses casos, a recomendação é hidratar-se e permanecer em repouso”, comenta.

Outro provável motivo que pode acentuar os incômodos é ter se imunizado com vacinas de fabricantes distintos a cada dose. Como resultado, o corpo pode ter uma reação exacerbada pela exposição inédita a esse antígeno.

Sem motivos para se preocupar

Já explicamos que os incômodos da vacina são passageiros e não causam nenhum tipo de sequela. Pelo contrário: completar o esquema vacinal é uma questão de saúde pessoal e pública. O número de casos de Covid-19 reduziu significativamente nas últimas semanas por mérito da vacinação. Não custa lembrar: a vacina não impede a infecção contra o vírus, mas diminui a carga viral e, consequentemente, a chance de complicações e de transmissão. Por fim, quanto mais pessoas se vacinam, menos o vírus tem a oportunidade de gerar novas cepas mais fortes.

Fonte: Bruno Zappa, médico Infectologista do Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) do Hospital Adventista Silvestre.