Primeiros sinais do autismo: saiba identificar precocemente

31 de março, 2022

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) não é uma doença. É uma condição de indivíduos, seja criança ou adulto, com comprometimento em seu neurodesenvolvimento, na linguagem e no comportamento adaptativo, social e de repetições. Mas afinal, será que é possível identificar os primeiros sinais do autismo para iniciar o tratamento adequado?

De acordo com Daniella Sales Brom, fonoaudióloga e diretora do BabyKids Centro de Especialidades, o diagnóstico do autismo é clínico. “Ainda não temos exames de laboratório para detectar o TEA. Geralmente, quem sinaliza as dificuldades que podem identificar o quadro são professores ou pais que reparam que a criança chegou aos dois anos e não está falando nada ou está falando de uma forma não funcional”, explica.

Primeiros sinais de autismo

  • Pouco contato visual: desde a amamentação é importante incentivar a interação e o olhar entre a mãe e o bebê;
  • Bebês que não imitam: por volta de seis a oito meses, os bebês já começam a imitar nossas ações e comportamentos e é preciso estar atento;
  • Não atender pelo nome: a criança não responde quando é chamada pelo nome e não interage com outras pessoas;
  • Dificuldade de atenção e imaginação para brincadeiras coletivas: não se interessa ou não entende e não cria histórias com personagens;
  • Dificuldade com a comunicação não-verbal: não aponta para o que quer;
  • Atraso na fala: crianças com mais de dois anos que não formulam palavras ou frases;
  • Incômodo sensorial: barulhos e toque de outras pessoas podem incomodar e irritar a criança;
  • Movimentos repetitivos: balançar o corpo, sacudir as mãos ou correr de um lado para outro quando estão felizes, tristes ou ansiosos.

Leia mais: Abril Azul: Alimentação ideal para quem tem autismo

Qual profissional indicado para auxiliar no tratamento?

Um dos primeiros sinais de autismo é o atraso de linguagem. Por isso, inicialmente, o profissional que deve ser procurado é o fonoaudiólogo. Mas, é importante que essa pessoa tenha formação e conhecimento para indicar o encaminhamento para outros profissionais. “O ideal é criarmos uma equipe multiprofissional, com fonoaudiólogo, médico, psicólogo e terapeuta ocupacional para unir avaliações e terapias com a finalidade de ajudar essa criança”, diz a fonoaudióloga.

Infelizmente, o capacitismo (discriminação e o preconceito social contra pessoas com alguma deficiência) ainda é muito presente na sociedade em relação aos autistas. Alguns exemplos são dizer que o autista não é emotivo, que a criança com autismo não olha nos olhos, ou que a criança com TEA é antissocial.

“Sempre peço para as famílias que ensinem os filhos a conviver com as diferenças. O que difere uma criança com TEA de uma criança sem o TEA é a cor do cabelo, dos olhos, seu jeito, ou seja, é a mesma diferença que todos nós temos e é nas nossas diferenças que somos iguais”, pontua Brom.

Mas toda criança que não fala é autista?

Segundo a especialista, não. Principalmente nos dias de hoje, muitas crianças não se desenvolvem pela falta de estímulo e pela quantidade excessiva de tempo de tela. “Em alguns casos, é comum que a criança comece a receber uma estimulação com intervenção adequada e que os sinais de dificuldade social e de linguagem vão se atenuando e a criança passa a se enquadrar nos marcos do desenvolvimento. Dessa forma, conseguimos estimular uma criança precocemente e caso ela seja diagnosticada, já está sendo estimulada com as ciências que temos para ajudar”, afirma a fonoaudióloga.

Fonte: Daniella Sales Brom, fonoaudióloga e diretora do BabyKids Centro de Especialidades.

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.