7 perguntas sobre a cafeína respondidas por estudos

Alimentação Bem-estar Saúde
04 de Julho, 2024
Ana Renata de Godoy Ferreira
Revisado por
Enfermeira • COREN SP - 87.661
7 perguntas sobre a cafeína respondidas por estudos

Ao lado do leite e do suco de laranja, o café faz parte da lista de bebidas mais conhecidas e adoradas entre os brasileiros. A cafeína, principal substância presente no líquido, tem a fama de dar energia e garantir mais concentração. Contudo, justamente por ter ação estimulante, ela levanta alguns receios e dúvidas. Veja, a seguir, as principais perguntas que as pessoas fazem sobre a cafeína:

1 – Perguntas sobre a cafeína: ela pode causar dependência?

Ainda não existem evidências suficientes para falarmos em vício ou dependência de cafeína. Estudos preliminares, por exemplo, apontam que há chances de a cafeína ser usada de maneira abusiva em algumas situações – ainda que o risco seja bem menor do que o gerado por substâncias como álcool ou outras drogas.

O próprio Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), da American Psychiatric Association, afirma que faltam dados para determinar se a cafeína é capaz de levar a um quadro de dependência. O mesmo documento reconhece, porém, que a intoxicação por cafeína e a abstinência de cafeína são transtornos que estão relacionados à substância e podem derivar do seu uso exagerado.

Ou seja, cada caso precisa ser analisado individualmente.

2 – Gestantes podem ingerir cafeína?

Especialistas normalmente recomendam que as gestantes diminuam o consumo de café. Isso porque algumas investigações mostram uma relação entre a exposição à cafeína antes do nascimento e algumas consequências negativas, como menor altura durante a infância.

De acordo com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), de fato, a ingestão de produtos cafeinados pode estar ligada a efeitos não desejáveis para o feto — baixo peso ao nascer e parto prematuro, por exemplo.

Por isso, o órgão recomenda que as futuras mamães não ultrapassem a dose de 300mg/dia de cafeína – cerca de duas xícaras e meia de café. Já o National Institutes of Health (NIH), nos Estados Unidos, é ainda mais cauteloso, e fala em apenas 200mg diários.

Leia também: Como melhorar a absorção de ferro pelo corpo? 7 dicas

3 – Perguntas sobre a cafeína: ela gera desidratação?

A cafeína é considerada diurética, isto é, aumenta a nossa produção de urina. É por isso que muita gente afirma que ela pode levar à desidratação – fato que não é completamente verdadeiro. Na verdade, uma ingestão de café durante o dia (até quatro xícaras de 200ml) não gerou desidratação em uma pesquisa feita com 50 homens saudáveis e publicada em 2014.

Moral de história: o risco do problema provavelmente irá aparecer se você exagerar na dose e não beber líquidos de maneira adequada.

4 – Cafeína em excesso pode matar?

Tecnicamente, sim, mas em casos mais raros e extremos. A maioria das mortes acidentais por cafeína está relacionada ao uso exagerado de cápsulas de cafeína, que costumam trazer concentrações altíssimas da substância, e não à ingestão de café em si.

5 – Consumir cafeína regularmente faz o corpo “acostumar” com os seus efeitos?

Sim. Beber café diariamente, por exemplo, pode fazer com que nosso corpo se adapte à exposição da cafeína. Desse modo, a tolerância ao composto é aumentada, fazendo com que precisemos de doses um pouco maiores para sentir os efeitos de forma mais perceptível.

6 – Perguntas sobre a cafeína: promove perda óssea?

Ainda não há consenso científico sobre esse tópico. Enquanto algumas pesquisas não encontraram relações entre a cafeína e problemas como a osteoporose, outro estudo apontou uma tênue ligação entre o composto e uma diminuição na densidade óssea do fêmur de mulheres mais velhas.

No entanto, não é possível estabelecer uma relação de causa/efeito entre as duas coisas, uma vez que a saúde óssea envolve fatores que não foram levados em conta no artigo em questão, como idade, sexo biológico, menopausa e dieta.

O que se sabe, atualmente, é que a cafeína pode atrapalhar a absorção de cálcio pelo organismo – é por isso que alguns especialistas recomendam beber café e comer alimentos fontes do mineral em refeições distintas ou com um certo intervalo.

Leia também: Falta de vitamina D: conheça os 4 sinais que o corpo dá

7 – Beber café pode gerar problemas cardíacos?

Se a ingestão não for exagerada (até quatro xícaras de 100 ml por dia), o café não traz riscos para a saúde cardiovascular. Uma pesquisa publicada em 2021 no JAMA Internal Medicine, aliás, mostrou que o consumo adequado da bebida não costuma ser perigoso nem para aqueles que possuem problemas no ritmo cardíaco.

Mas é claro que, na dúvida, o ideal é sempre consultar um médico de confiança para que ele analise o seu caso individualmente.


Referências: 

Sobre o autor

Amanda Panteri
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em alimentação saudável.

Leia também:

mulher fazendo exercício na cadeira flexora da academia
Bem-estar Movimento

Como fazer cadeira flexora, um dos melhores exercícios para posterior de coxa

Exercício é uma ótima opção para quem busca fortalecer e hipertrofiar a região posterior das coxas (parte detrás das pernas)

Inchaço ou gordura
Alimentação Bem-estar Saúde

Inchaço ou gordura: como diferenciar?

A maneira mais fácil de descobrir é notar a rapidez com que eles ocorrem, além da localização no corpo. Entenda

dieta do ovo
Alimentação Bem-estar

Dieta do ovo 3 dias: cardápio do desafio do ovo

Já ouviu falar na dieta do ovo 3 dias? No desafio do ovo podemos consumir ovo em forma de omelete, mexido, cozido ou frito. Veja o