Perda de produtividade no período menstrual: como as cólicas afetam a rotina das mulheres

Saúde
18 de Outubro, 2022
Perda de produtividade no período menstrual: como as cólicas afetam a rotina das mulheres

As dores ligadas ao período menstrual têm uma estreita relação com a perda de produtividade das mulheres. Estima-se que sintomas menstruais sejam responsáveis por quase nove dias de produtividade perdida no ano, seja no trabalho ou nos estudos. Além das cólicas, outros fatores afetam a disposição e o rendimento, como fluxo de sangue muito intenso e oscilações de humor.

Por essa razão, alguns países já pensam em soluções. Japão, Taiwan, Indonésia, Coreia do Sul e Zâmbia, por exemplo, oferecem licença remunerada para mulheres no período menstrual. A Espanha, inclusive, poderá ser o primeiro país da Europa a aprovar a nova lei. Se aprovada, as mulheres poderão ter direito a três dias de folga.

Leia mais: Truque contra cólicas menstruais: pesquisa revela como aliviar sintoma

Estudo aponta perda de produtividade durante período menstrual

Um estudo publicado na revista médica BMJ Journals em 2019, realizado com mulheres na faixa etária de 15 a 45 anos, na Holanda, detectou que apenas 14% das entrevistadas haviam se ausentado de compromissos durante o período menstrual, mesmo com dores. Entretanto, cerca de 81% disseram ter sido menos produtivas por consequência desses sintomas.

Os pesquisadores concluíram que, anualmente, as mulheres ficam ausentes de suas atividades 1,3 dia em decorrência do período menstrual. No entanto, a perda de produtividade é equivalente a 8,9 dias, já que elas não conseguem desempenhar suas atividades normalmente.

As discussões sobre o tema ainda são um tabu. Isso porque muitas mulheres se sentem constrangidas em revelar seus desconfortos a empregadores e coordenadores nas escolas e universidades. Assim, acabam trabalhando e frequentando aulas com dores ou, quando se ausentam, não explicitam o real motivo. O mesmo estudo apontou que apenas 20% das mulheres que estiveram ausentes do trabalho por causa de sintomas menstruais revelaram a verdadeira causa a seus empregadores.

“É necessário aumentar a discussão e a conscientização sobre o impacto dos sintomas menstruais no trabalho e as organizações devem estar abertas a isso. Para as mulheres, ainda é desconfortável falar sobre o tema. Trata-se de saúde e precisamos tornar essa discussão mais humanizada”, defende Patrick Belellis, ginecologista especialista em endometriose.

Busca por tratamento evita perda de produtividade

O fato de as mulheres se sentirem obrigadas a estarem presentes, mesmo sofrendo com as dores, pode ser ainda mais prejudicial. Isso porque contribui ainda mais com a falta de produtividade do que a ausência delas ao trabalho poderia ocasionar.

“Ter que estar presente e não abordar seus desconfortos no trabalho, escola ou universidade, também desencoraja a busca por ajuda na investigação destas dores, que podem ser consequência de problemas mais complexos. Por exemplo, a endometriose. O acompanhamento médico é fundamental para que a mulher tenha acesso ao tratamento necessário, o que pode devolver sua qualidade de vida”, acrescenta o médico.

Embora dor ou desconforto leves possam ser vistos como parte de um ciclo menstrual normal, se ocorrerem de forma mais aguda, afetando atividades cotidianas, é importante buscar ajuda médica.

“Quanto antes a mulher, em idade adulta ou adolescente, procurar um diagnóstico, mais rápido poderá ter uma rotina mais confortável. A dor moderada a grave, por si só, não significa necessariamente que ela tenha endometriose. Porém, é provável que algo possa ser feito para reduzir o impacto dessas dores sobre a sua rotina”, alerta Belellis.

O que é a endometriose

A endometriose acontece quando células do endométrio, a camada interna do útero que é expelida na menstruação, acabam se depositando fora da cavidade uterina, causando reações inflamatórias e lesões. É comum que elas se acumulem nos ovários, na cavidade abdominal, na região da bexiga, intestinos, entre outros locais, podendo até mesmo formar nódulos que afetam o funcionamento de órgãos do corpo.

Sem tratamento, a doença pode atingir formas graves, como a chamada endometriose profunda, que tem sintomas mais severos e deixam a mulher incapacitada para uma rotina normal. De acordo com a Associação Brasileira de Endometriose, 10% a 15% de mulheres em idade reprodutiva (13 a 45 anos) têm a doença.

Fonte: Patrick Belellis, ginecologista especialista em endometriose.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

Ozempic e anticoncepcional
Saúde

Ozempic pode cortar o efeito do anticoncepcional? Médica explica

Nas redes sociais, não faltam relatos sobre o efeito do Ozempic no aumento da fertilidade

Chá de erva baleeira
Alimentação Bem-estar Saúde

Chá de erva baleeira emagrece? Veja benefícios e como fazer

A erva é eficaz em tratamentos de reumatismo, gota, dores musculares e até úlceras; saiba mais

mulher sentada na mesa da cozinha com remédios para gripe na sua frente
Saúde

Queda na temperatura exige cuidados com a saúde. Confira

Neste fim de semana, o frio vai estar presente em diversas capitais. Queda na temperatura pede alguns cuidados com a saúde respiratória