Partos normal e natural beneficiam a amamentação

Gravidez e maternidade Saúde
21 de Julho, 2023
Partos normal e natural beneficiam a amamentação

Uma pesquisa da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) concluiu que mulheres que ganharam seus bebês por meio de um parto normal ou natural têm mais facilidade durante a amamentação em comparação com as mães que tiveram bebês após uma cesariana. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que seja feito o aleitamento materno exclusivo até os seis meses de vida do bebê e diz que a amamentação pode continuar até os dois anos da criança ou mais.

A pesquisa foi feita através de um questionário aplicado em 269 puérperas que eram acompanhadas no Ambulatório de Amamentação do Centro de Saúde da Vila Maria, em Belo Horizonte (MG), durante agosto de 2019 e julho de 2022. As mulheres foram separadas em dois grupos: as que tiveram dificuldades para amamentar e as que não tiveram problemas. Ao cruzar os dados, os pesquisadores observaram que havia uma associação entre a via do parto e as dificuldades. Assim, as mulheres que tiveram seus filhos por meio da cesariana relatavam mais problemas.

Parto normal ou natural e amamentação

O parto natural é aquele em que o bebê nasce pela via vaginal, sem nenhuma interferência dos profissionais de saúde. Já no parto normal, o bebê também nasce pela via vaginal, mas a mulher pode receber algumas intervenções durante o trabalho de parto. Por exemplo: algum tipo de analgesia, medicamentos para indução ou até mesmo o uso de algum instrumento, caso seja necessário. Já a cesariana é um parto cirúrgico no qual retira-se o bebê diretamente da barriga da mãe.

Mais da metade das puérperas (51,1%) relatou ter dificuldades na amamentação, sendo a dor a queixa mais comum. Outras reclamações apontadas foram fissuras no seio, feridas e empedramento do leite na mama. Segundo o levantamento da UFMG, no grupo de mulheres que não tiveram dificuldades para amamentar, quase 75% tiveram seus bebês por meio de parto normal ou natural. Além disso, 25% tiveram os bebês por meio de cesárea.

O tipo de alimentação oferecida ao recém-nascido também afetou a questão do aleitamento. Segundo o levantamento, entre as mães que não tiveram dificuldades, 94% delas ofereciam alimentação materna exclusiva aos seus bebês. Enquanto apenas 5,4% ofereciam uma amamentação mista ou complementada.

Outro fator de interferência na amamentação foi o fato de o bebê ter mamado ou não imediatamente na primeira hora de vida – a chamada “golden hour“. Entre os bebês que mamaram na primeira hora, 89,1% das mães relataram não ter tido problemas no decorrer da amamentação. Por outro lado, no caso das crianças que não mamaram, esse número caiu para 76,3%.

Leia também: Alimentação materna pode reduzir risco de asma no bebê

Por que parto normal e parto natural são melhores para a amamentação?

Segundo Natália Turano Monteiro, especialista em amamentação do Hospital Israelita Albert Einstein, a mãe que se submete a uma cesárea, que é um procedimento cirúrgico, pode apresentar inicialmente mais dificuldades para amamentar devido às consequências da cirurgia.

Além disso, explica Natália, quanto mais a criança suga o seio da mãe, maior a liberação de hormônios (principalmente a ocitocina e a prolactina) que são essenciais para a adequada produção do leite. “A golden hour [a mamada na primeira hora após o parto] é muito importante na amamentação e facilita o processo do aleitamento, o aprendizado, favorece o contato pele a pele da mãe com o bebê e faz com que a criança seja amamentada no momento em que ainda está muito alerta e ativa [devido a todo o processo do nascimento]”, explica.

Outro fator que pode ajudar a explicar por que as mulheres que fazem cesárea podem apresentar mais dificuldades para amamentar está relacionado à facilidade de manejar a amamentação. Segundo Natália, quando a mãe passa por um parto normal/natural, ela possui uma recuperação mais rápida, o que pode beneficiar a amamentação. Desse modo, normalmente está mais preparada fisicamente para o processo do aleitamento, justamente porque não passou por um parto cirúrgico.

“Ela tem mais facilidade nas posições de amamentar, para posicionar o bebê no seio sem precisar de auxílio, sente menos dor e sofre menos interferência do processo anestésico. Quando a mulher passa pela cesárea, ela pode ficar mais debilitada fisicamente, não só no pós-parto imediato, mas também na sua recuperação”, diz a especialista.

Tem ainda a questão hormonal associada ao tipo de parto – o que também influencia na amamentação. Durante o trabalho de parto, a mulher libera vários hormônios (entre eles a ocitocina e a prolactina) que facilitam o processo da amamentação. É como se o corpo da mulher se preparasse para o parto de uma forma fisiológica. “Ao entrar em trabalho de parto, a mulher está preparada para ganhar o bebê e amamentá-lo. Isso porque o corpo dela se harmonizou para isso”, explicou Natália.

O mesmo pode não acontecer com a mulher que tem o filho por meio de uma cesárea agendada. Como ela não entra em trabalho de parto, é como se ela interrompesse todo esse processo fisiológico de preparação do corpo para os processos que estão por vir, entre eles, a amamentação. “Muitas vezes, o corpo dessa mulher ainda não está totalmente preparado. Assim, essas mães podem ter um atraso na descida do leite e precisar de apoio profissional para auxiliar na amamentação”, disse.

Parto a termo

Outro fator que pode interferir, segundo Natália, é que quando a mulher entra em trabalho de parto, as taxas de bebês nascidos a termo são maiores – são bebês que estão “prontos” para a amamentação. Por outro lado, quando falamos de um parto agendado (muitas vezes quando o bebê está com 37 ou 38 semanas de gestação), esses bebês são considerados “a termo precoce”. Ou seja, ainda são neurologicamente mais imaturos, por isso não estariam totalmente maduros para a amamentação.

“Por isso, é tão importante respeitarmos a questão do processo fisiológico do parto. Muitas mulheres podem escolher ter o parto cesárea, devemos respeitar o seu desejo e a sua escolha. Mas seria fundamental esperar o corpo entrar em trabalho de parto e dar os sinais de que está tudo pronto para o nascimento do bebê. Precisamos da maturidade desse bebê para ele sugar corretamente e isso auxiliar no processo da amamentação”, alertou a especialista.

Leia também: Viih Tube relata fissuras e dor durante amamentação

A dúvida sobre bicos artificiais

Segundo a pesquisa da UFMG, o uso da chupeta e da mamadeira também foram marcadores de dificuldades na amamentação. Entre as mães que ofereceram chupeta para seus bebês, 44,4% relataram dificuldades no aleitamento. Entre aquelas que ofereceram a mamadeira como complemento nutricional, 20% afirmaram ter tido problemas com a amamentação.

Segundo Natália, não é recomendado oferecer bicos artificiais para os recém-nascidos. Isso porque eles podem causar uma confusão de sucção e dificultar o aprendizado dessa criança para mamar no peito. O uso da chupeta tem sido frequentemente relacionado a um período mais curto de aleitamento materno e aleitamento materno exclusivo em diversos estudos observacionais. Há evidências de que crianças que utilizam chupeta tendem a desmamar precocemente em comparação com aquelas que não a utilizam.

No entanto, as recomendações para uso de chupeta variam. A Organização Mundial da Saúde (OMS) desencoraja o uso em crianças amamentadas, sendo essa recomendação parte de um dos “Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno”. Por outro lado, a Academia Americana de Pediatria (AAP) recomenda a introdução da chupeta para a prevenção da síndrome da morte súbita do lactente somente após o aleitamento materno estar bem estabelecido, quando a criança estiver em torno de três a quatro semanas de vida.

“Uma mãe que nunca teve bebê não sabe se o bebê está procurando o peito por uma necessidade de sucção ou se ainda está com fome. Muitas vezes a criança não mamou direito, mas a mãe acha que a criança está querendo sugar por uma necessidade de sucção. Esse choro deixa a mãe aflita e ela oferece a chupeta. O bebê adormece porque acalma, mas continua com fome”, disse Natália, que complementa. “Além de poder causar essa confusão de bicos, muitas vezes a mulher não tem a produção de leite de acordo com a demanda do bebê. E dar a chupeta interrompe esse processo fisiológico”.

E a mamadeira?

Já com relação à mamadeira, além da possível confusão de bicos, tem ainda a questão do fluxo do leite. Quando o bebê mama no peito, ele exercita vários músculos orofaciais importantes para o seu adequado crescimento. Quando mama na mamadeira, exercita menos. “Para conseguir sugar o leite do seio, o bebê precisa fazer mais esforço, enquanto na mamadeira o fluxo de leite é maior e mais fácil. Os bebês que usam mamadeira podem se acostumar com esse fluxo maior de leite. E quando vão mamar no seio reclamam, sugam menos, e com isso a mãe pode ter a redução da produção de leite devido à falta de estímulo adequado”, explicou.

Natália ressalta, no entanto, que existem situações em que as mulheres têm dificuldades para amamentar ou não podem fazer o aleitamento por alguma razão (ter alguma doença que a impede de amamentar, ou usar alguma medicação que contraindique a amamentação, ou até mesmo aquelas que não desejam amamentar). Para essas situações específicas, podem ser ofertados outros métodos depois de uma avaliação profissional.

Diante disso, a especialista destaca que é importante respeitar a escolha da mulher sobre o tipo de parto que ela quer e se ela pretende ou não amamentar o seu bebê. O ideal é que essa mãe receba apoio familiar e, se necessário, ajuda profissional para a escolha do melhor método de alimentação para o seu filho.

“Amamentar parece ser muito fácil, mas não é. A principal orientação é que a mulher busque orientação profissional desde o pré-natal, na maternidade e no pós-parto, onde acontecem as principais intercorrências da amamentação. Após o nascimento, ela precisa contar com a rede de apoio, que é a família, o companheiro (a), os amigos. Pois amamentar é um processo muito solitário e desafiador para a mulher”, completou a especialista.

Fonte: Agência Einstein

Leia também:

montagem com as fotos de Wagner
Saúde

Ele já fez mais de 100 doações de sangue e plaquetas: “dar um pouco da minha saúde para quem precisa”

Conheça a história de Wagner Hirata, que tem as doações de sangue e plaquetas como um de seus propósitos de vida

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte

Reynaldo Gianecchini
Saúde

Reynaldo Gianecchini revela diagnóstico de doença autoimune

A síndrome de Guillain Barré causa fraqueza e dificuldades para mover os braços e as pernas