Paralisia facial: por que (e quando) acontece?

Saúde
12 de Julho, 2023
Paralisia facial: por que (e quando) acontece?

Imagine acordar e, ao olhar para o espelho, deparar-se com o rosto paralisado ou mesmo disforme? Uma situação terrível e indesejável que parece cena de filme. Contudo, essa situação não está restrita apenas à ficção, infelizmente. A cada ano, estima-se que cerca de 80 mil brasileiros vivam esse drama, na vida real com a paralisia facial. A seguir, saiba mais sobre a condição.

Paralisia facial: o que é?

A paralisia facial idiopática, também chamada de paralisia de Bell, é uma emergência médica e deve fazer o paciente procurar um pronto-socorro para o primeiro atendimento o quanto antes. Ela é caracterizada pelo enfraquecimento ou total paralisia dos músculos de um dos lados da face. 

Segundo o Dr. José Ricardo Gurgel Testa, otorrinolaringologista do Hospital Paulista e especializado neste tipo de atendimento, esse tipo de alteração está diretamente associada à inflamação ou inchaço do nervo facial. E complementa: “a precocidade do diagnóstico e tratamento é fator crucial no resultado de melhora ou cura”.

A recomendação, aliás, a quem tiver problema do gênero, é ir imediatamente ao hospital. Na maioria das vezes, esses casos são reversíveis. Só que é preciso rapidez no diagnóstico.

Sintomas

A paralisia facial não causa sintomas adjacentes a não ser a própria perda dos movimentos de um dos lados da face — que pode ser total ou parcial. Com o movimento restrito, o paciente pode ter dificuldades para mexer as áreas do rosto, como sobrancelhas, olhos e boca.

“Quando afetado por alguma razão, esse nervo provoca sintomas como boca torta, dificuldade para movimentar o rosto e/ou falta de expressão em uma parte da face, o que também pode alterar de forma marcante a comunicação e a autoestima das pessoas”, enfatiza o médico.

Assim, segundo o Ministério da Saúde, a depender da gravidade da paralisia, a perda de movimento também pode alcançar a orelha e mandíbula, comprometendo o paladar e gerando dor de ouvido, hipersensibilidade auditiva, redução de saliva e até redução da produção de lágrimas.

Principais causas

Até o momento, a causa exata da paralisia não foi identificada, mas sabe-se que a condição pode estar relacionada aos seguintes fatores:

  • Estresse e ansiedade;
  • Alteração de temperatura;
  • Imunidade baixa;
  • Doença de Lyme;
  • Herpes simples ou zoster;
  • Epstein-Barr ou mononucleose;
  • Caxumba;
  • Rubéola;
  • Epstein-Barr ou mononucleose;
  • Citomegalovirus;
  • Tumores;
  • Por fim, traumas.

Veja também: Síndrome de Moebius: a condição genética que causa paralisia facial

Tipos de paralisia facial

Existem dois tipos principais de paralisias da face: as centrais, ou seja, do sistema nervoso central, que são decorrentes de AVC (acidente vascular cerebral), doenças degenerativas ou tumores; e as paralisias faciais periféricas, que podem ser traumáticas, infecciosas, congênitas, tumorais, metabólicas e também idiopáticas – conforme já destacado anteriormente.

“Cada uma tem um tipo específico de tratamento que deve ser orientado pelo médico. Assim, alguns pacientes necessitam de exames auxiliares, como audiometria e impedanciometria, exames de imagem (tomografia computadorizada e ressonância magnética) e eletrofisiológicos, além de exames laboratoriais, até chegar ao diagnóstico exato”, observa o especialista.

Como identificar?

Na maioria das vezes, contudo, o diagnóstico da paralisia facial é feito por meio da observação médica. “O sintoma que mais chama a atenção é a perda súbita, parcial ou total dos movimentos de um lado da face, mal que pode agravar-se durante alguns dias seguidos.”

Assim, o médico também chama a atenção para sinais como boca torta, mais evidente quando se tenta sorrir; incapacidade de fechar completamente um dos olhos, de levantar uma das sobrancelhas ou de franzir a testa; dor ou formigamento na cabeça ou na mandíbula; e aumento da sensibilidade do som em um dos ouvidos, além alterações do paladar.

Tratamento

A maioria dos casos de paralisia facial é transitória e existem vários tratamentos possíveis, a depender das causas. “O tratamento da paralisia facial periférica é sintomático e inclui o uso de medicamentos, fisioterapia e fonoaudiologia. Não existe uma conduta terapêutica padrão à doença. Portanto, depende de cada caso”, aponta o médico.

Dessa forma, a melhora pode depender do tipo e da extensão do dano sofrido pelo nervo facial, das condições clínicas e da idade do paciente. Em grande parte dos casos, a paralisia facial costuma regredir à medida que o inchaço do nervo diminui espontaneamente.

Nesse contexto, segundo o médico, a fisioterapia e fonoterapia são importantes aliadas para estimular a musculatura da mímica facial e da fala, bem como evitar contraturas e atrofia das fibras musculares.

Fonte: Dr. José Ricardo Gurgel Testa, otorrinolaringologista do Hospital Paulista.

Referência: Hospital Paulista de Otorrinolaringologia.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

benefícios da banana
Alimentação Bem-estar Saúde

Quais são os benefícios da banana para a saúde? Veja lista!

A banana é amiga do intestino, além de ser eficiente na prevenção de cãibras. Veja outros benefícios da fruta!

horário para treinar
Bem-estar Movimento Saúde

Estudo revela melhor horário para pessoas com obesidade treinaram

O estudo da Universidade de Sidney identificou benefícios do treino noturno para a saúde do coração

Uso de Ozempic e anestesia
Saúde

Uso de Ozempic e anestesia: pacientes precisam de cuidados especiais

Medicamentos aumentam o risco de aspiração pulmonar durante o procedimento. Entenda!