Overdose de vitamina D: médicos do Reino Unido alertam riscos

8 de julho, 2022

Exagerar na suplementação das vitaminas pode ser perigoso, alertam médicos do Reino Unido. Um homem foi internado por overdose de vitamina D. O paciente ficou internado após ter vômitos frequentes, diarreia, náuseas, dores abdominais e outros sintomas que fazem parte da hipervitaminose D, quadro clínico do excesso dessa vitamina. 

Os médicos responsáveis pelo caso alertaram que essa questão está em alta, e mesmo que ingerir vitamina em grandes quantidades pareça inofensivo, pode trazer sérios riscos para a saúde. Em uma publicação dos profissionais na revista científica BMJ Case Reports, eles alertam sobre as consequências. 

Leia também: Matheus Pires, de “No Limite 6”, está com varíola dos macacos

Entenda o caso de overdose de vitamina D

A ingestão ideal da vitamina é de 400 UI (unidade internacional referência para vitaminas) ao dia. Contudo, o paciente ingeria 150.000 UI, ultrapassando a dosagem necessária. 

Os sintomas começaram a aparecer um mês após o paciente iniciar um regime de suplementação de diversas vitaminas. Além dos sintomas já citados, ele também sofreu com cãibras nas pernas, zumbido nos ouvidos, boca seca, perda de peso e aumento da sede. Todos os sintomas duraram três meses, e só então o homem decidiu ir ao hospital investigar a situação. 

Esse quadro também causa constipação, insuficiência renal, úlceras e pressão alta. Além dos sintomas físicos, eles também podem ser neurológicos. Por exemplo: psicose, sonolência, confusão, apatia e depressão

O paciente relatou que assim que começou a sentir os primeiros sintomas, deixou de tomar a vitamina. Entretanto, os sintomas não melhoraram. Já internado, ele fez exames de sangue que mostraram níveis anormais de cálcio. Além disso, a taxa de vitamina D estava sete vezes acima do necessário para o corpo.

Durante o tratamento, o paciente ficou internado por oito dias. Neste período, recebeu fluidos intravenosos para limpar o organismo. O homem também foi tratado com bisfosfonatos, medicamentos que reduzem os níveis de cálcio no sangue. No entanto, o nível de cálcio do paciente só voltou ao normal após dois meses da alta médica. A taxa de vitamina D continuou além do normal. 

“Globalmente, há uma tendência crescente de hipervitaminose D, uma condição clínica caracterizada por níveis elevados de vitamina D no sangue”, escreveram os médicos na publicação. 

Eles ainda alertam: “Este relato de caso destaca ainda mais a toxicidade potencial de suplementos que são amplamente considerados seguros até serem tomados em quantidades ou combinações inseguras”. 

Sobre o autor

Gabriela Ferreira
Jornalista e Repórter da Vitat.