Mortes por câncer nos EUA: 30% são relacionadas ao cigarro

Saúde
09 de Setembro, 2022
Mortes por câncer nos EUA: 30% são relacionadas ao cigarro

Do total de mortes por câncer nos EUA, quase um terço delas – 30% – são relacionadas ao cigarro, revela um estudo que acaba de ser divulgado pela Sociedade Americana do Câncer.

Os autores chegaram a esse número após analisar dados de 123 mil mortes por tumores em 2019 nos Estados Unidos. Além disso, constataram uma redução de mais de dois milhões de anos de vida pela queda na expectativa de vida de todos os pacientes. A perda precoce de pessoas em idade ativa, ou a incapacidade delas, gera um impacto econômico de 21 bilhões de dólares a cada ano. 

“O dado não nos surpreende porque a gente sabe que o cigarro é o principal fator de risco para os tumores mais prevalentes”, diz a pneumologista Luiza Helena Degani Costa, do Hospital Israelita Albert Einstein. 

Mortes por câncer nos EUA: Pesquisa

A pesquisa aponta o impacto do tabagismo na sociedade, com um alto custo emocional, social e econômico. Para isso, os pesquisadores avaliaram as mortes por tumores sabidamente associados ao cigarro. Por exemplo: cavidade oral, faringe, esôfago, estômago, cólon, fígado, pâncreas, pulmão, bexiga e até leucemia mieloide aguda, entre outros. 

Embora o tabagismo venha caindo de forma geral, ainda há mais de um bilhão de fumantes no mundo. O cigarro é responsável por mais de sete milhões de mortes a cada ano em todo o planeta, segundo dados de um outro estudo recente publicado no periódico Lancet, que mapeou o impacto do tabagismo em mais de 200 países ao longo de quase 30 anos.

Nesse cenário, o Brasil ostenta números mais otimistas, como aponta Costa: “Isso porque seguimos todas as recomendações da Organização Mundial da Saúde em termos de educação da população, proibição de consumo, taxação”. 

Graças a essas medidas, a taxa de fumantes brasileiros despencou cerca de 70% nas últimas três décadas e é praticamente a metade do índice nos Estados Unidos, onde a queda foi de 30% no mesmo período. Lá, em torno de 15% das mulheres e 20% dos homens fumam. Aqui esses números estão por volta de 7% e 11%, respectivamente.

Leia mais: Câncer de pulmão pode ser mortal, mas evitável; conheça os sinais

Cigarro eletrônico

Apesar dos dados otimistas do Brasil, o cigarro ainda mata 160 mil brasileiros todos os anos, e o impacto econômico anual chega a 57 bilhões de reais. “Agora, vemos o crescimento muito grande do consumo do cigarro eletrônico”, lamenta a pneumologista.  

De fato, embora haja a proibição desde 2009, o uso no país vem crescendo de forma significativa.

“Sabe-se que ele também vicia e está relacionado a doenças como asma, DPOC e já há indícios de associação com problemas cardiovasculares”, diz a especialista. Por ser um produto relativamente novo, só a longo prazo poderemos constatar outros prejuízos associados às substâncias cancerígenas que ele possui, por exemplo.

“Além de manter a campanha contra o cigarro tradicional, agora precisamos acender o alerta também contra os eletrônicos”, enfatiza Luiza. Do contrário, não conseguiremos reduzir essas mortes no futuro – e pior, poderíamos voltar à estaca zero. 

Fonte: Agência Einstein

Leia também:

Ozempic e anticoncepcional
Saúde

Ozempic pode cortar o efeito do anticoncepcional? Médica explica

Nas redes sociais, não faltam relatos sobre o efeito do Ozempic no aumento da fertilidade

Chá de erva baleeira
Alimentação Bem-estar Saúde

Chá de erva baleeira emagrece? Veja benefícios e como fazer

A erva é eficaz em tratamentos de reumatismo, gota, dores musculares e até úlceras; saiba mais

mulher sentada na mesa da cozinha com remédios para gripe na sua frente
Saúde

Queda na temperatura exige cuidados com a saúde. Confira

Neste fim de semana, o frio vai estar presente em diversas capitais. Queda na temperatura pede alguns cuidados com a saúde respiratória