Método Ramzi: técnica é confiável para descobrir o sexo do bebê?

Descobrir o sexo do bebê está, sem dúvidas, entre os momentos mais aguardados pelos pais durante a gravidez. Não por acaso, é comum que eles procurem por técnicas que consigam revelar se é uma menina ou um menino o quanto antes. Neste cenário, a família pode acabar se deparando com o chamado “Método Ramzi”. Você já ouviu falar?

A premissa da técnica é de brilhar os olhos dos cuidadores. Isso porque o método desenvolvido por Saam Ramzi Ismali está ligado a descoberta do sexo do bebê por meio do primeiro ultrassom realizado na gravidez, entre seis e oito semanas de gestação.

Em suma, de acordo com o método Ramzi, a posição da placenta indica o sexo do pequeno que está a caminho. Caso o órgão materno-fetal esteja no lado direito, será um menino. No entanto, se estiver no esquerdo, será uma menina.

Leia mais: Você já ouviu falar sobre parto empelicado? Entenda o que é!

Mas, afinal, como surgiu o método Ramzi?

A técnica de Saam Ramzi Ismali ganhou popularidade após ser publicada como artigo no site Contemporary Ob Gyn. Nesta avaliação, analisou-se um ultrassom feito na sexta semana de gestação de 5.376 grávidas entre os anos de 1997 e 2007. Em suma, 22% delas realizaram o exame via transvaginal e 78% via transabdominal.

Em seguida, comparou-se este ultrassom da sexta semana com outro exame feito entre a 18ª e 22ª semana da gravidez e, mais tarde, com o sexo do bebê confirmado após o nascimento do pequeno.

A conclusão obtida por Ramzi é que, em 97,2% das gestações, a placenta estava posicionada no lado direito quando menino. Já em 97,5%, o órgão materno-fetal estava à direita quando menina. Assim, ele estabeleceu a relação entre a posição da placenta e o sexo do bebê.

Leia mais: Descolamento da placenta: Entenda o que é e quais os riscos

Esta técnica é confiável?

Embora a ideia pareça sanar a ansiedade de não precisar esperar até por volta de oito a dez semanas para o exame de sexagem fetal, o método de Ramzi tem lacunas que faz com que ele não seja uma técnica confiável.

Primeiramente, o estudo sobre a técnica foi publicado em um site que não é reconhecido por hospedar periódicos científicos. Além disso, ele não possui a revisão por pares. Em outras palavras, a comunidade médica não avaliou a descoberta de Ramzi. Sabe-se, inclusive, que o método não levou ao aparecimento de outras pesquisas sobre o assunto.

Por fim, as informações sobre o autor Saam Ramzi Ismali também são dúbias. Em suma, não se sabe quais são as formações acadêmicas dele para que a pesquisa tenha credibilidade entre a comunidade científica.

Leia mais: Ultrassom morfológico: o que é, para que serve e quando fazer

A descoberta do sexo do bebê

Dessa forma, apesar do método de Ramzi não ser o meio mais aconselhável para descobrir o sexo do bebê, outros exames recomendados por especialistas podem ser feitos. Por exemplo, quando a gestante completa a oitava semana de gravidez, os pais podem descobrir se é menino ou menina por meio do teste de sexagem fetal.

Para realizá-lo, uma amostra de sangue da mãe é coletada e analisada. “A mulher que tem o cariótipo 46, XX, vai ser avaliado se há no sangue alguma célula com cromossomo Y. Se ele for encontrado, é porque se trata de um menino (46, XY). Caso contrário, é porque se trata de uma menina”, explica Camila Ramos, ginecologista, obstetra e especialista em reprodução humana, em entrevista anterior à Vitat.

Já por meio da ultrassonografia, o sexo do bebê tende a ser descoberto por volta da 16ª semana de gravidez. No entanto, em outros casos, pode-se começar a suspeitar se é menino ou menina em torno da 11ª e 14ª semana de gestação. Isso porque o exame pode mostrar o tubérculo genital, que é a formação inicial do que será o órgão sexual do bebê.