Melhor tinta para parede: riscos e cuidados na hora de comprar

6 de abril, 2022

Ao redecorar a casa ou fazer ajustes printura, escolher a melhor tinta para a sua parede é uma tarefa que exige alguns cuidados. Isso porque as substâncias químicas presentes nos materiais podem acabar gerando alguns sintomas nada agradáveis, especialmente em quem possui alergias respiratórias. 

Clayton Fernandes de Souza, químico e professor do curso de Química da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), explica que a tinta é composta por inúmeras substâncias químicas que podem sim gerar efeitos adversos nas pessoas. Segundo ele, isso ocorre por que a tinta apresenta muitos compostos voláteis que podem saturar o ar de ambientes fechados ou com baixa ventilação. Geralmente, as pessoas afetadas têm rinite, coceiras, espirros e irritações nos olhos.

Leia também: Entenda por que devemos lavar as roupas novas antes de usá-las pela primeira vez

De acordo com Thaís Fernanda da Silva, especialista da Tintas MC, esse risco depende da sensibilidade de cada pessoa. “Uma pessoa com elevado nível de reações alérgicas de forma geral, como rinite, por exemplo, pode ter alguma sensibilidade durante o processo de pintura. Porém, a grande maioria das pessoas não apresenta qualquer tipo de reação, inclusive porque atualmente a maioria das tintas não apresenta mais cheiro após três ou quatro horas da aplicação”, explica. 

Substâncias e composições

Como anteriormente citado, algumas substâncias presentes nas tintas são nocivas à saúde. Clayton conta que dentre as principais, estão os compostos orgânicos voláteis: VOCs (hidrocarbonetos aromáticos e alifáticos, hidrocarbonetos contendo halogênio, cetonas, ésteres e álcoois) e os metais pesados (mercúrio, ferro, chumbo). Esses compostos têm histórico de toxicidade e também são relacionados ao desenvolvimento de alguns tipos de câncer, problemas hepáticos ou renais.

“Outra preocupação que devemos ter são com os metais pesados que fazem parte da composição de várias tintas. Muitos deles também podem causar algumas dermatites por contato, dependendo do indivíduo. A intoxicação, neste caso, ocorre principalmente pela inalação das substâncias químicas presentes na tinta. O tempo de exposição é que definirá qual o grau de intoxicação deste indivíduo, sendo este o motivo que esxplica por que devamos aguardar o processo de secagem da tinta, conforme as orientações do fabricante”, diz o químico. 

Como escolher a melhor tinta para parede?

Atualmente, as empresas fabricantes de tinta buscam diminuir a presença dessas substâncias tóxicas, e algumas formulam materiais “ecológicos”, como explica Clayton. 

O material mais indicado para pintar as paredes sem trazer perigos à saúde são as tintas feitas à base de água. Thaís ainda alerta que é muito importante seguir as recomendações do rótulo na hora de passar o material nas paredes. É preciso usar as ferramentas corretas, como luvas, máscaras, óculos de proteção e, principalmente, manter o ambiente bem arejado. 

“É sempre importante ter em mente qual é o motivo da pintura: apenas embelezar? Trazer maior resistência à limpeza no ambiente? Evitar desbotamento precoce? Tratar fissuras? Essas informações são fundamentais para que a loja possa auxiliar o consumidor na escolha da melhor tinta para a necessidade dele. O mercado oferece soluções específicas para cada necessidade, o que facilita muito mais a escolha”, completa. 

Fontes: Thaís Fernanda da Silva, especialista da Tintas MC; Clayton Fernandes de Souza, químico e professor do curso de Química da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR).

Sobre o autor

Gabriela Ferreira
Gabriela Ferreira
Jornalista e Repórter da Vitat.