Bebê pode tomar mel? Academia de Pediatria afirma que não

Gravidez e maternidade Saúde
27 de Junho, 2023
Bebê pode tomar mel? Academia de Pediatria afirma que não

Saboroso e nutritivo, o mel é utilizado desde a antiguidade para adoçar receitas culinárias. Além disso, ele também é conhecido por suas propriedades curativas como o fortalecimento do sistema imunológico e saúde do coração. Mas embora esse ingrediente esteja relacionado a uma série de benefícios, será que o mel pode ser oferecido para bebês?

Especialmente nos primeiros anos de vida da criança, o seu sistema imunológico ainda está sendo formado e fortalecido. Portanto, a sua alimentação demanda cuidados específicos para evitar riscos à saúde. De acordo com a Academia Americana de Pediatria (AAP), uma das possíveis contaminações pode vir através do consumo de mel. Continue lendo e entenda.

Por que não se pode oferecer mel para bebês?

Na tentativa de adocicar a comida ou bebida da criança, alguns pais tendem a se voltar para o mel, entendendo que este seria uma alternativa mais saudável e segura que o açúcar. Contudo, inserir mel na alimentação do bebê pode ser um tanto quanto perigoso e em alguns casos até fatal.

Até 1 ano de vida, o sistema de defesa do bebê ainda está sendo formado. Isso significa que as bactérias boas ainda estão se instalando no organismo. Portanto, nesse momento, a criança ainda não consegue se defender das bactérias, como a Clostridium Botulinum, que está presente em cerca de 8 – 10% da produção de mel, que causa uma doença chamada botulismo.

Dessa forma, a AAP desaconselha colocar mel em alimentos, água ou fórmulas que são fornecidas a bebês. Alimentos processados ​​contendo mel também não devem ser dados a bebês.

Veja também: Alimentos não indicados para bebês até 1 ano de vida

Mel para bebês: entendendo o botulismo 

O botulismo infantil é uma infecção grave que causa fraqueza muscular, tontura, sonolência, tremores no corpo, perda de apetite e, em alguns casos, insuficiência respiratória, paralisia dos membros e pode até levar à morte. No Brasil, cerca de 5% do total de mortes súbitas de crianças de até 2 anos são decorrentes do botulismo. 

A bactéria que causa a intoxicação pode ser encontrada no solo, poeira, ambientes naturais e insetos, incluindo as abelhas, que produzem o mel. Assim, a contaminação é mais comum por ingestão de mel, mas também pode alcançar outros alimentos como vegetais, pescados e carnes curadas ou defumadas.

Vale ressaltar que a bactéria não altera a coloração, cheiro ou gosto do mel, o que torna a detecção da C. Botulinum improvável antes do consumo. Portanto, oferecer mel para criança se torna mais seguro depois de 2 anos de idade, já que neste momento, ela já está mais desenvolvida e seu organismo já pode se defender de possíveis infecções.

Já dei mel para o bebê, e agora?

Antes de mais nada, é importante avaliar o tempo que o mel foi consumido pelo bebê. Isso porque a bactéria pode ficar incubada no organismo de 12 a 36 horas no máximo, sendo que esse período é determinante para a manifestação dos primeiros sinais de botulismo. O que significa que depois desse prazo, se não houverem sintomas, não há motivo para preocupações. 

A seguir, conheça os sintomas de botulismo que indicam sinal de alerta:

  • Náuseas;
  • Febre;
  • Vômitos;
  • Diarreia;
  • Fraqueza dos músculos ;
  • Boca seca;
  • Visão dupla;
  • Dificuldade para falar ou engolir;
  • Dificuldade para respirar.

Se o bebê apresentar qualquer um desses sintomas após a ingestão do mel, é importante buscar atendimento médico de urgência. O diagnóstico depende de sinais clínicos e exames laboratoriais.

Por fim, o tratamento consiste em neutralizar a ação da toxina produzida pela bactéria. Além da lavagem estomacal para eliminar o alimento contaminado, o paciente recebe o soro anti-botulínico para impedir a evolução do quadro.

Fonte: Manual MSD Saúde.

Sobre o autor

Tayna Farias
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em gravidez e maternidade

Leia também:

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas

bebê pode comer camarão
Alimentação Bem-estar Gravidez e maternidade

Bebê pode comer camarão? Pediatra explica

Crianças podem ser introduzidos a frutos do mar a partir dos 6 meses de idade, segundo a SBP