Megalomania: O que é, sintomas e tratamento

16 de outubro, 2020

Você conhece alguém que tenha a autoestima mais elevada do que o normal? Talvez essa pessoa sofra de um problema maior, chamado megalomania. A megalomania é um transtorno psicológico definido por fantasias e delírios de poder, grandeza e onipotência. 

Dessa maneira, um megalomaníaco tem a autoestima desproporcional e um fascínio exagerado sobre si mesmo. Tendo como principal característica a crença de ser superior a outras pessoas, o indivíduo pode tratar o próximo com desprezo, por considerá-lo inferior.

O megalomaníaco não aceita qualquer fator que ele considere como uma ameaça ao seu ego. Além de não responder positivamente a críticas, há uma exigência de que todos também devem exaltar os pensamentos e ideias impostos por ele. 

Além disso, na megalomania, o indivíduo se recusa a acreditar que tem sentimentos de medo e insegurança. Por isso, muitas vezes acaba utilizando a agressão verbal e a imposição como um mecanismo de defesa. 

No entanto, apesar da autoconfiança ser elevada, quando avaliados profundamente os megalomaníacos parecem ser indivíduos carentes e com um complexo de inferioridade e sentimentos de vazio social.

Leia também: Transtorno Bipolar: O que é, sintomas e tratamento

Sintomas

De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM – V), em alguns casos a megalomania pode ser considerada uma sintomatologia incluída no transtorno de personalidade narcisista.

Leia mais em: Narcisismo: O que é e como identificar o transtorno

Contudo, neste distúrbio os sintomas mais comuns incluem: 

  • Acreditar que a sua presença é indispensável em qualquer lugar;
  • Idealizar a si mesmo;
  • Sentir-se superior e poderoso;
  • Falta de interesse na opinião de outras pessoas;
  • Ideias delirantes;
  • Mudanças de humor repentinas;
  • Comportamento agressivo.

Leia também: Síndrome de Capgras: O que é e como identificar

Tratamento para megalomania

A megalomania não tem cura, mas existe tratamento para lidar com o distúrbio. Assim, normalmente consiste na psicoterapia contínua, onde o profissional irá trabalhar o comportamento do paciente, mostrando que não é saudável tanto para ele, quanto para os demais.

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em fitness, saúde mental e emocional.