Como funcionam as medicações via sublingual?

6 de maio, 2022

Existem muitas formas de administrar um medicamento: comprimido, cápsula, injeção e até mesmo por nebulização. Cada formato tem um objetivo e uma velocidade de ação (os medicamentos inseridos na veia, por exemplo, agem mais rápido). Hoje, vamos entender melhor sobre a via sublingual. Você conhece a forma de aplicação?

“Sublingual” quer dizer “sob a língua”. Ou seja, o medicamento é posto, muitas vezes na forma de uma pastilha, debaixo da língua. Sem muito segredo. Assim, é esperado que ele dissolva e seja de ingerido forma natural.

Leia também: Ômicron XQ: Brasil registra primeiros casos da nova variante da Covid-19

“Geralmente, a administração por essa via acontece porque a absorção da medicação é mais veloz”, explica o Dr. Vinicius Aguilera, nutrólogo da Clínica Aguilera. “O comprimido, quando engolido, ainda necessita se desintegrar e ser metabolizado pelo fígado. Para só depois ser absorvido e exercer o seu efeito terapêutico.” A parte debaixo da língua tem ligação direta com a corrente sanguínea, por isso o efeito é bem mais rápido do que o normal.

Além disso, ele explica que essa via também permite que o medicamento não tenha contato com o suco gástrico. Isso pode afetar o resultado e o efeito do remédio em alguns casos. 

“É uma forma de medicação que facilita também para crianças e idosos. Ou pessoas com dificuldade para engolir”, continua. Outro benefício é que não precisa de água para ser consumido.

Leia também: Repelente contra dengue: saiba se funciona e como usar

Desvantagens da via sublingual

Assim como qualquer remédio, a via sublingual também tem as suas desvantagens. Uma delas é o sabor, que costuma ser menos agradável para os pacientes. Mas é comum essas medicações terem e deixarem um gosto desagradável na boca. 

Além disso, nem todo remédio pode ser feito por essa via. Depende muito do caso. Isso inclui os componentes da medicação e, claro, das necessidades de tratamento do paciente. Em caso de dúvidas, só use a medicação dessa forma com orientação médica.

Leia também: Por que pessoas com asma devem se vacinar contra a influenza?

Fonte: Vinícius Aguilera, nutrólogo.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.