Lordose: o que é, sintomas, causas e tratamento

Saúde
09 de Maio, 2022
Lordose: o que é, sintomas, causas e tratamento

A lordose consiste em uma curvatura natural da coluna vertebral no formato de “C”. Geralmente, é possível observá-la quando vemos uma pessoa de lado. 

De acordo com o Dr. Bruno Miranda, ortopedista pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), essas curvas são normais e nos ajudam a ter equilíbrio e a ficar em pé. No entanto, em alguns casos, podem haver desvios posturais, principalmente na coluna lombar.

A hiperlordose é um dos desvios mais comuns. Ocorre quando há aumento excessivo da curvatura para dentro do corpo, caracterizando uma deformidade. Além disso, existe a hipolordose, na qual a curvatura é reduzida causando retificação lombar e cervical. 

Coluna saudável / Hiperlordose.

Sintomas da lordose

Para identificar o problema e tratá-lo o quanto antes, é fundamental estar atento aos sinais. O Dr. Bruno afirma que o principal sintoma é o aumento da lordose lombar. Assim, a barriga fica mais para frente e a nádega mais proeminente, ou seja, a aparência é de uma posição mais “exagerada”. 

“Elas podem não apresentar sintomas, como também podem sentir: dor, dormência, formigamento e até fraqueza muscular nas pernas dependendo da gravidade de cada caso e do motivo que gerou essa deformidade”, explica. 

Leia também: Melhores exercícios para quem tem escoliose

Causas da lordose

Existem diversos fatores que contribuem para o surgimento da lordose. Sendo assim, veja os principais:

  • Má postura, principalmente associada a um desbalanço muscular; 
  • Obesidade; 
  • Trauma, que podem provocar fraturas ou escorregamento vertebral; 
  • Doenças neuromusculares, como paralisia cerebral; 
  • Doenças na articulação do quadril; 
  • Osteoporose.

Quem tem escoliose também tem lordose?

A escoliose, também conhecida por “coluna torta”, é uma curvatura lateral que deixa a coluna em forma de C ou S. Mas o Dr. Bruno ressalta que o paciente por ter lordose e escoliose, mas nem todos que têm escoliose têm aumento da lordose.

Diagnóstico e tratamento da lordose

Ao notar os sintomas da lordose, o indicado é buscar um especialista. Desse modo, os médicos responsáveis por tratar este problema são os ortopedistas generalistas ou especialistas em coluna, assim como neurocirurgiões.

O diagnóstico é feito através de exames de imagem, como o raio X. Assim, é possível medir a lordose em graus. Em alguns casos, pode ser necessário fazer ressonância magnética. 

O ortopedista diz que o tratamento para lordose depende da causa e dos sintomas. “Caso o paciente apresente dor ou desconforto, medicações podem ser utilizadas para controlar os sintomas; e/ou fisioterapia para fortalecer a musculatura, manter o alongamento e ajudar no controle da dor; controlar o sobrepeso também é importante; e, algumas vezes, a cirurgia pode ser necessária.”

Os exercícios físicos ajudam 

Existem diversos tipos de exercícios que podem ajudar na lordose, mas no geral eles fortalecem e alongam a musculatura da pelve, abdome e coluna lombar. Como exemplo podemos citar alguns:

Prancha

  1. Apoie os cotovelos no solo na linha dos seus ombros e alinhe a coluna e o quadril;
  2. Eleve os joelhos tirando-os do solo, adotando uma postura totalmente estendida e alinhada da cabeça até os calcanhares;
  3. Assim, permaneça nessa posição o tempo que conseguir, sempre contraindo o abdômen como se tentasse encostar o umbigo nas costas.
Lordose

Superman

  1. Deite-se de barriga para baixo e mantenha os braços paralelos ao corpo;
  2. Depois, tire os pés, joelhos, ombros e peito do chã;
  3. Enquanto se mantém na posição, olhe para a frente. Com cuidado, volte ao ponto inicial.

Abdominal bicicleta

  1. Comece deitando-se no chão com a região lombar pressionada contra o chão e os joelhos dobrados. Mas, seus pés devem estar no chão e as mãos atrás da cabeça;
  2. Contraia os músculos do tronco, puxando seu abdômen para estabilizar sua coluna;
  3. Assim, segure a cabeça com as mãos e levante lentamente os joelhos em um ângulo de 90 graus, levantando os pés do chão;
  4. Em seguida, expire e lentamente, mova a perna como se estivesse pedalando uma bicicleta, elevando um joelho em direção à axila enquanto estica a outra perna. Ou seja, mantendo os dois mais elevados do que os quadris;
  5. Gire o tronco para poder tocar o cotovelo no joelho oposto à medida que ele sobe;
  6. Alterne enquanto puxa o joelho em direção à axila e a outra perna estendida até o cotovelo tocar o joelho alternativo;
  7. Por fim, faça três séries de 12 a 20 repetições.

Ponte

  1. Deite em um colchonete de barriga para cima e com os pés e as mãos apoiados no chão;
  2. Em seguida, levante apenas o quadril, contraindo os glúteos. Além disso, evite curvar demais a lombar;
  3. Mantenha por alguns segundos e volte lentamente à posição inicial.

Fonte: Dr. Bruno Miranda ortopedista pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT).

Referência: São Pietro

Sobre o autor

Julia Moraes
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em fitness, saúde mental e emocional.

Leia também:

vitamina B e dengue
Saúde

Vitamina B previne a picada do mosquito da dengue?

Sem comprovação científica, a técnica popular pode levar a população a uma falsa sensação de segurança

Efeitos da vacina de Covid
Saúde

Efeitos da vacina da Covid: primeiro grande estudo mostra resultados

Segundo estudo, os efeitos da vacina são menores do que a infecção pela doença

disuria
Saúde

Disúria: entenda as causas, sintomas e tratamentos da dor ao urinar

O sintoma, popularmente chamado de dor ao urinar, pode ter diversas causas, sendo a infecção urinária a principal