Lesões musculares: Como acelerar a recuperação

Bem-estar Movimento Saúde
24 de Setembro, 2021
Lesões musculares: Como acelerar a recuperação

As lesões musculares são muito incômodas e, se não forem tratadas com atenção, podem evoluir para problemas mais graves. Diferente do que muitos pensam, essa não é uma condição que aparece somente no dia a dia de esportistas ou de grandes atletas — qualquer pessoa está sujeita a sofrer com elas.

Como recuperar lesões musculares?

Depois que a lesão for instalada, o ideal é seguir alguns protocolos que auxiliam na recuperação do músculo. De acordo com o fisioterapeuta Bernardo Sampaio, um fator que acelera o processo é aliviar o estresse. “O estresse faz o organismo produzir hormônios que nos deixam ainda mais tensionados, tornando a recuperação lenta. Além disso, faz com que a circulação sanguínea seja reduzida, levando menos oxigênio e nutrientes ao tecido afetado”.

Dormir bem também faz toda a diferença, já que a qualidade da sua noite está diretamente ligada à qualidade de vida do ser humano. Outro ponto que costuma atrapalhar os resultados é continuar com a mesma rotina de exercícios ou cessá-la por completo. “O equilíbrio é sempre um ponto importante”, diz o especialista.

Em casos de lesões musculares leves, por exemplo, basta adaptar o treino com a ajuda de um profissional especializado. Desse modo, ele deve incluir exercícios menos intensos e que não sobrecarreguem os músculos doloridos.

Leia também: Saiba como evitar lesões treinando em casa

Dá para evitar lesões musculares?

Sim! O fisioterapeuta reforça que o ideal é adotar uma rotina de exercícios de alongamento e fortalecimento. Por isso, Bernardo Sampaio dá alguns exemplos simples e eficazes de alongamentos que podem fazer parte das sessões de esportistas amadores e profissionais:

Alongamento deitado

Deite-se relaxadamente de barriga para cima e com as costas retas. Em seguida, abrace as pernas alternadamente, segurando o joelho contra o peito por 30 segundos.

Alongamento com braços para frente

Fique na posição quatro apoios e coloque os braços para frente, com o rosto próximo ao chão. Vá abaixando até que a cabeça encoste no chão. Fique na posição por 30 segundos.

Alongamento da serpente

Deite com a barriga e com os pés virados para baixo. Coloque as mãos em frente aos ombros e tente levantar o tronco, empurrando o corpo com a força dos braços. Feito isso, contraia os quadris e as coxas sem que eles saiam do chão. Fique na posição por 30 segundos e depois relaxe.

Leia também: Lesões no tornozelo foram as mais comuns das Olimpíadas de Tóquio. Entenda

Outra dica é um cuidado básico, porém muito efetivo: as famosas compressas. “Fazer compressas de água fria durante quinze minutos de três a quatro vezes por dia ajuda a reduzir o inchaço. Ademais, pomadas ou sprays podem aliviar a dor e potencializar a cicatrização muscular” – conclui.

Por fim, para acelerar o processo de recuperação da lesão, o ideal é procurar um especialista, manter uma alimentação adequada, evitar a automedicação e manter o corpo em movimento.

Fonte: Bernardo Sampaio, fisioterapeuta pela PUC-Campinas (Crefito: 125.811-F), diretor clínico do ITC Vertebral e do Instituto Trata, unidades de Guarulhos e professor do curso de pós-graduação do Instituto Imparare e do curso de fisioterapia do Centro Universitário ENIAC (Guarulhos).

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

poke é saudável
Alimentação Bem-estar

Poke é saudável? Veja dicas na hora de consumir

Veja dicas de alimentos que não vão interferir no seu objetivo, seja emagrecer ou ganhar massa magra

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas