Infecção por HIV não controlada aumenta em até 70% o risco de parada cardíaca súbita

27 de setembro, 2021

Segundo um estudo publicado pela Associação Americana do Coração, pessoas que vivem com HIV e não têm a infecção controlada têm um risco 70% maior de sofrer uma parada cardíaca súbita do que indivíduos sem o vírus.

Para a infecção estar sob controle, a carga viral deve estar reduzida ou indetectável no sangue. Além disso, os níveis de células T-CD4 — que integram nosso sistema imunológico — precisam estar altos. Pacientes que não fazem o tratamento com a terapia antirretroviral ou que não têm uma boa resposta a essas drogas são os que costumam apresentar carga viral alta.

Entre os indivíduos que vivem com o HIV, mas que tem carga viral baixa e níveis altos das células T-CD4, não há risco aumentado de parada cardíaca súbita. Nos dois grupos, a presença de algumas condições também eleva o risco do problema cardíaco. Como hipertensão, tabagismo, infecção por hepatite C, anemia, abuso de álcool e doença pulmonar obstrutiva crônica.

Leia também: Melhores exercícios para ter um coração saudável

Como a pesquisa sobre HIV e parada cardíaca funcionou

A pesquisa contou com a participação de mais de 120 mil pessoas que fazem parte de um estudo americano de infectados ou não por HIV. Os pesquisadores levaram em consideração, além da infecção e do controle da condição, fatores como idade, sexo, etnia, presença de doença cardíaca ou renal e dependência ou abuso de cocaína ou álcool.

Os participantes do estudo eram 97% do sexo masculino, sendo 47% deles afro-americanos e com idade média de 50 anos. Durante acompanhamento de nove anos, a morte súbita cardíaca foi citada como a causa da morte de 3035 veteranos, dos quais 26% carregavam o HIV.

Leia também: Melatonina pode proteger o coração, diz estudo

Em um comunicado à imprensa, os pesquisadores alertaram para outros riscos à saúde provocados pela infecção. “As pessoas que vivem com HIV já são conhecidas por terem uma chance maior de ataque cardíaco, acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca, coágulos sanguíneos nos pulmões e doença arterial periférica”, diz a nota.

Dessa maneira, tais doenças se associam a problemas cardiovasculares graves em pessoas que apresentam um sistema imunológico comprometido, afirmam os estudiosos. Por isso, indicam manter os níveis virais do HIV baixos e evitar ou controlar os fatores de risco de doenças cardíacas. Contudo, outras investigações são necessárias para confirmar os resultados do estudo.

Além disso, vale ressaltar que a parada cardíaca súbita ocorre quando o coração cessa de bater repentinamente; o que prejudica o fluxo sanguíneo para o cérebro e para as estruturas vitais. Portanto, sem tratamento, pode resultar em morte em minutos. Já no infarto, o órgão continua batendo, apesar da redução ou do bloqueio do suprimento de sangue.

(Fonte: Agência Einstein)