Fisioterapia após câncer de próstata: entenda a importância do tratamento

Saúde
09 de Novembro, 2022
Fisioterapia após câncer de próstata: entenda a importância do tratamento

Novembro é o mês de conscientização sobre o câncer de próstata, um assunto que ainda é tabu entre os homens. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), no final do triênio 2020/2022 serão mais de 65 mil novos casos de câncer de próstata, no Brasil. Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia, o diagnóstico precoce da doença dá ao paciente 90% chance de cura. Contudo, quando os pacientes se submetem a cirurgia para retirada do câncer de próstata, alguns sintomas como incontinência urinária, disfunção erétil e dor lombar podem ocorrer. Além disso, esses desconfortos também podem acontecer nos casos de hiperplasia prostática benigna — que é um tumor não canceroso. De acordo com a fisioterapeuta clínica Dra. Walkyria Fernandes, a fisioterapia após o câncer de próstata é uma opção de tratamento para evitar esses sintomas.

Leia mais: Câncer de próstata: quais são as causas, sintomas e como prevenir?

Qual é a importância da fisioterapia após o câncer de próstata?

Ainda segundo a especialista, a fisioterapia pode ser realizada em pacientes já operados, mas também naqueles que apenas estão em acompanhamento. “O trabalho com o paciente é para ajudar tanto no controle para urinar, para que ele não tenha escape de urina, como para aquele paciente com dificuldade de urinar, devido ao tamanho da próstata”, explica a Dra. Walkyria.

Além disso, a fisioterapia após o câncer de próstata melhora a qualidade de vida do homem com comprometimento no órgão. “De maneira geral, o fisioterapeuta vai atuar de acordo com os desconfortos e sintomas do paciente. Pode trabalhar o assoalho pélvico ou o esfíncter de contenção urinária, atuando no reequilíbrio dessa condição do trato urinário inferior”, completa.

Benefícios do tratamento

Walkyria também conta que a fisioterapia pode restabelecer o equilíbrio da região operada, além de fortalecer a musculatura do assoalho pélvico.

“Muitas vezes, a bexiga do paciente não consegue armazenar a urina como antes da cirurgia e qualquer pressão incorre em um escape de urina. Por isso, é necessário trabalhar essa musculatura. Nesse sentido existem técnicas manuais para isso e também a eletroterapia e o biofeedback. Tudo isso ajuda o paciente a aprender a contrair novamente essa musculatura para devolver o máximo possível da normalidade na hora de urinar. Além disso, alguns pacientes acabam tendo comprometimento de nervos locais importantes, com a cirurgia, e acabam com dificuldade para ereção. A fisioterapia pélvica atua estritamente nesse problema”, ressalta a fisioterapeuta.

Fisioterapia após câncer de próstata deve ser 360º

A fisioterapeuta clínica ressalta que no tratamento o profissional não deve pensar apenas na próstata e na bexiga. É preciso pensar o tratamento de maneira global. “É necessário pensar em todas as regiões que podem ficar desarmônicas com o problema principal, tem que equilibrar o paciente como um todo. Inclusive quando eu falo da cavidade abdominal, existe uma pressão interna nessa cavidade onde ficam as vísceras, quando essa pressão aumenta, favorece o escape de urina. Então, no tratamento dessa incontinência urinária, é importante pensar no reequilíbrio dessa pressão interna da cavidade abdominal. Isso porque, na parte superior dessa cavidade há um músculo importante: o diafragma. Que é o músculo da respiração. Por isso, o fisioterapeuta precisa ter uma visão de 360 graus”, pondera Walkyria.

Ainda segundo a especialista, o tempo de tratamento varia bastante, podendo ser de 3 a 6 meses ou até mais. Isso vai depender de qual foi o tamanho da cirurgia para a retirada do tumor, do quanto foi preciso retirar de tecidos afetados pelo tumor. Só assim é possível saber se o tratamento vai ser a médio prazo ou longo. A fisioterapeuta ressalta ainda que a prevenção é sempre o melhor caminho. “Dormir bem, se alimentar de forma saudável, praticar atividade física, controlar o peso, ter o menos possível de estresse. Tudo isso é fundamental para ter um corpo e mente saudáveis. Além disso, os exames preventivos são essenciais para um diagnóstico precoce e início do tratamento”, finaliza Walkyria.

Fonte: Dra. Walkyria Fernandes, fisioterapeuta. Tem especialização em ortopedia e traumatologia desportiva, além de especialização em osteopatia pela Escuela de Osteopatía de Madrid (EOM). É idealizadora do método “Raciocínio Clínico Avançado — RCA 360”.

 

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas

corredor abaixado segurando a perna aparentemente com dor
Bem-estar Movimento Saúde

Será que eu estou com canelite? Médico destaca principais sinais

A condição é uma das principais preocupações entre os corredores. Ortopedista explica como identificar os sintomas característicos da canelite