Estrias na gravidez: Entenda por que elas surgem

22 de junho, 2021

Durante a gestação, o corpo das futuras mamães passa por diversas transformações. Algumas nada agradáveis, como as estrias na gravidez. Mas uma dúvida constante é por que elas surgem.

As estrias aparecem pela distensão do tecido da nossa pele. Isso significa que, quando se tem um grande aumento do tamanho do corpo, a pele estica rapidamente. As fibras de colágeno e elastina não suportam esse processo, e como consequência, acabam se rompendo.

Por que surgem as estrias na gravidez?

Assim, as estrias surgem durante a gravidez por muitos motivos. Os fatores genéticos são os principais, pois quando a mulher tem na família mãe, irmãs ou avós com predisposição à estria, há mais risco de ocorrer a quebra das fibras de colágeno e elastina. Consequentemente, isso desencadeia o surgimento do problema.  

O ganho de peso e o tamanho do bebê também estão entre as principais causas. Isso porque quanto maior for o crescimento da barriga na gestação, maior será a esgarçamento da pele. Por isso, o tamanho do bebê é um fator de risco relevante.  “A pele não consegue resistir às forças mecânicas de estiramento e literalmente rasga” afirma Dra. Natasha Crepaldi, dermatologista.

Além disso, a dermatologista Dra. Barbara Carneiro explica que a idade materna também conta para o surgimento de estrias na gravidez. “Quanto mais jovem a grávida, maior o risco  — e isso porque o colágeno das mulheres jovens é mais resistente, mais compacto, e quando a pele distende, ele se quebra com mais facilidade” explica. 

Diferença entre estrias brancas e roxas

Quando as estrias aparecem, muitas pessoas acabam não entendendo a diferença entre as brancas e roxas. 

Geralmente, as estrias arroxeadas ou vermelhas fazem parte da fase inicial e têm uma característica inflamatória. Isto é, a pele sofreu  um rompimento recente e ainda há fluxo sanguíneo no local. 

Leia também: Alongamento para grávidas: Conheça os melhores exercícios

Pelo fato de o tecido não ter sido totalmente prejudicado, o organismo ainda tenta restabelecer as fibras de colágeno da região afetada. Portanto, elas se tornam mais fáceis de serem eliminadas por meio de tratamentos.

“Com o tempo, esse processo inflamatório cede, vai embora, e elas ficam esbranquiçadas. Então, a diferença entre as duas é cronológica, de tempo de lesão” complementa Dra. Flávia Ravelli, dermatologista clínica.

Uso de cremes e óleos para evitar estrias na gravidez

Apesar de existir tratamento, os procedimentos estéticos para remover estrias devem ser realizados apenas após o parto. Como radiofrequência, microagulhamento, laser fracionado, luz pulsada e peelings.

Leia também: 9 mudanças no corpo e na mente durante a gravidez

Contudo, com cremes e óleos específicos, é possível evitar as estrias durante a gravidez.

Os produtos recomendados pelas especialistas incluem:

  • Hidratantes com essências naturais compostos por vitamina A e E;
  • Vitamina C para melhorar a elasticidade da pele;
  • Óleos à base de rosa mosqueta, que é rico em ácidos graxos, como ácido oléico, linolênico e vitamina A;
  • Óleo de camomila, que fortalece o tecido cutâneo;
  • Óleo de camelina é essencial para saúde da pele pois possui ômega 3, que reforça a elasticidade.

Fontes: Dra. Barbara Carneiro – dermatologista e membro da Associação Brasileira de Medicina Estética (ABME) // Dra. Flávia Ravelli, dermatologista clínica e professora do curso de Medicina da Universidade Santo Amaro // Dra. Natasha Crepaldi, dermatologista em Cuiabá/MT.

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo