Epilepsia: doença ou sintoma?

Saúde
31 de Agosto, 2023
Epilepsia: doença ou sintoma?

Cerca de 13 milhões de brasileiros convivem com uma das mais de 8 mil doenças raras. Em geral, elas são crônicas, degenerativas e podem levar à morte precoce pela falta de informação e dificuldade de acesso a profissionais especializados. A epilepsia, por exemplo, é um distúrbio neurológico do sistema nervoso central, especificamente do cérebro, que pode complicar a definição de diagnósticos. Por isso, muitas pessoas se questionam se a epilepsia é um sintoma ou uma doença.

Leia mais: Dúvidas sobre epilepsia: especialista responde as principais

Epilepsia é uma doença ou um sintoma?

De acordo com a Dra. Mara Lúcia Schimitz Ferreira Santos, neurologista pediátrica do Hospital Pequeno Príncipe, a jornada do paciente raro até o diagnóstico invariavelmente é bastante árdua. Dessa forma, pode durar até 15 anos. Isso porque a maioria apresenta sintomas que podem levar os profissionais de saúde a conclusões equivocadas, quando não investigadas adequadamente.

Por definição, a epilepsia é uma doença cerebral caracterizada por uma tendência a ter convulsões recorrentes. Isto é, pelo menos duas crises epilépticas não provocadas ou duas crises reflexas ocorrendo com um intervalo mínimo de 24 horas; uma crise epiléptica ou uma crise reflexa e o risco de uma nova crise estimado em pelo menos 60%; ou diagnóstico de uma síndrome epiléptica.

A crise em si, acontece quando há uma descarga elétrica excessiva repentina que interrompe a atividade normal das células nervosas. De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença afeta cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo.

Quais são as causas da epilepsia?

Mais da metade de todas as epilepsias têm alguma base genética. As síndromes nas quais a condição é um aspecto importante do quadro clínico podem ser provocadas por genes envolvidos em diferentes vias celulares. Por exemplo, migração neuronal, metabolismo de glicogênio e cadeia respiratória. Portanto, acredita-se que diferentes categorias de genes possam atuar na determinação do traço epiléptico.

Ao mesmo tempo, esse tipo de manifestação pode ser indicativo de uma outra gama muito ampla de doenças, principalmente raras, como a Lipofuscinose Ceroide Neuronal do tipo 2 (CLN2). Também conhecida como Doença de Batten, trata-se de uma condição neurodegenerativa, hereditária e ultrarrara que se manifesta ainda na infância e faz com que o organismo do paciente seja incapaz de produzir as proteínas necessárias para o metabolismo de moléculas cerebrais.

De acordo com a Dra. Mara Lúcia, muitos pacientes acabam recebendo o diagnóstico de epilepsia, mas há cuidados específicos para esta condição genética. Como resultado dessa condição, os neurônios sofrem danos progressivos, levando ao desenvolvimento de outros diferentes sintomas, já nos primeiros meses de vida da criança, e que vão alterando de acordo com cada faixa etária. Por exemplo, alterações comportamentais, dificuldades de aprendizado e perda de habilidades motoras.

Diagnóstico

O diagnóstico de CLN2 pode ser confirmado por meio de exames que permitem a realização da análise genética e da enzima deficiente. Os testes podem ser realizados em pacientes com suspeita clínica ou mesmo com quadro de epilepsia, quando não há uma causa evidente.

“Apesar de não ter cura, o diagnóstico precoce é crucial para garantir que os pacientes possam se beneficiar do tratamento multidisciplinar e medicamentoso adequado, que é a chave para amenizar os sintomas como a epilepsia, desacelerar a progressão da doença e, consequentemente, melhorar a qualidade de vida”, esclarece a neurologista.

“A Doença de Batten é devastadora não somente para a criança, mas também para seus familiares, cuidadores e todo seu ciclo social. Se não diagnosticada e tratada adequadamente, pode causar danos cerebrais irreversíveis”, finaliza Mara Lúcia.

Fonte: Dra. Mara Lúcia Schimitz Ferreira Santos, neurologista pediátrica do Hospital Pequeno Príncipe.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

profissional de saúde segurando um DIU no pós-parto
Gravidez e maternidade Saúde

DIU no pós-parto: como funciona, quando colocar e cuidados

Com alta eficácia, o DIU no pós-parto oferece uma solução prática para o planejamento familiar após uma gestação.

Como manter a saúde digestiva no inverno?
Saúde

Como manter a saúde digestiva no inverno? 7 dicas para os meses mais frios

Confira sugestões compartilhadas por gastrocirurgião e nutricionista de como garantir o bom funcionamento do aparelho digestivo nos meses mais frios do ano

Silvio Santos e H1N1
Saúde

Silvio Santos é internado com H1N1. Como prevenir?

O apresentador de 93 anos, está internado com H1N1, uma mutação do vírus da gripe. Entenda mais sobre a doença.