DPOC: entenda os danos dessa doença relacionada ao tabagismo

Saúde
31 de Maio, 2022
DPOC: entenda os danos dessa doença relacionada ao tabagismo

A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica, conhecida como DPOC, é basicamente a manifestação de duas doenças respiratórias que obstruem a passagem do ar pelos pulmões: bronquite crônica e enfisema pulmonar, sendo que boa parte dos pacientes têm os dois problemas juntos. A doença está intimamente relacionada ao tabagismo no Brasil. Estima-se que ele atinja cerca de 12% da população, sendo um pouco mais comum em homens do que em mulheres. Pela importância do problema, foi criado, em 12 de junho,  o  Dia Mundial sem Tabaco, para mobilização de campanhas informativas.  É muito importante ressaltar que o uso do cigarro eletrônico, cada vez mais comum entre os jovens, é tão prejudicial à saúde quanto o cigarro convencional.

“Os jovens estão usando muito cigarro eletrônico acreditando estarem livres dos malefícios do cigarro. A gente ainda não consegue diferenciar o quanto temos de DPOC em quem usa exclusivamente o cigarro eletrônico. Entretanto, já sabemos que os pacientes que o usam desenvolvem alguns tipos de bronquite e de lesão pulmonar. Ele não é um dispositivo inofensivo para a saúde”, alertou o pneumologista Humberto Bassit Bogossian, do Hospital Israelita Albert Einstein. Além disso, ele ressaltou que cerca de 70% dos pacientes com DPOC são fumantes.

Atualmente a DPOC é a terceira causa de morte no mundo, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Em 2016 foram 3 milhões de mortes em decorrência da doença. No Brasil, a doença é a quarta causa de mortalidade. “Temos que lembrar que a DPOC também é uma das doenças que levam à aposentadoria precoce. A pessoa pode não morrer, mas esse é um problema extremamente limitante e incapacitante. Em casos mais graves o paciente pode precisar de suplementação ininterrupta de oxigênio”, explicou o médico.

DPOC: Como acontece?

A DPOC é uma combinação de predisposição de cada pessoa e exposição prolongada a gases ou partículas nocivas ao sistema respiratório. 

Primeiramente, a DPOC se instala no paciente depois de um quadro persistente de bronquite crônica associado ao uso de cigarro ou de um enfisema pulmonar. O pulmão é como uma árvore de ponta cabeça: o tronco da árvore é a traqueia e os galhos são os brônquios, por onde o ar passa para chegar nos alvéolos. A bronquite é uma inflamação crônica da parede dos brônquios. Ela dificulta a passagem do ar. O enfisema também reduz o fluxo de ar, mas em paralelo destrói os alvéolos, que são as estruturas que promovem as trocas gasosas no órgão.

“Na bronquite crônica, com o tempo, as partículas tóxicas da fumaça do cigarro vão lesando a parede dos brônquios e causando uma inflamação constante. As lesões vão remodelando e distorcendo as paredes dos brônquios, deixando o canal mais estreito. Isso causa tanto o espessamento das paredes como uma contração da musculatura, fazendo o ar passar com mais dificuldade. Além disso, as células passam a produzir mais muco [catarro], deixando a pessoa sempre com produção constante de secreção”, explicou Bogossian.

No caso do enfisema, as partículas tóxicas do cigarro destroem os alvéolos e deixam grandes espaços no pulmão na região onde tem a absorção do oxigênio e a eliminação do gás carbônico. “É como se a pessoa fosse derrubando as paredes de um apartamento e criando um grande loft. E quando há grandes espaços, aumenta a dificuldade para ocorrerem as trocas gasosas, reduzindo a capacidade de absorver oxigênio”, continuou.

Sintomas e diagnóstico

Os principais sinais da DPOC (bronquite crônica e enfisema) são:

  • Queixa recorrente de tosse, principalmente pela manhã, que costuma vir acompanhada de muco;
  • Barulho no peito ao respirar (chiado);
  • Falta de ar ou dificuldade para respirar. Ela pode começar mais leve até uma piora progressiva que causa falta de ar mesmo com o paciente parado;
  • Diminuição da oxigenação e dificuldade de esvaziar os pulmões nos quadros mais avançados.

“A maioria dos pacientes com DPOC manifesta as duas doenças. A gente sempre encontra um pouco de enfisema naquele paciente que tem mais bronquite e encontra um pouco de bronquite naquele que tem mais enfisema. Mas existe o paciente puramente enfisematoso e o puramente bronquítico”, disse o pneumologista.

Segundo Bogossian, o diagnóstico é sempre clínico, baseado no histórico do paciente, se ele fuma atualmente ou quando parou de fumar, mas existem alguns exames complementares que são feitos para confirmar o diagnóstico e para estabelecer a gravidade da doença. “Podemos pedir exames de imagem, como, por exemplo, radiografia e tomografia de tórax, e pedir uma espirometria, que é um exame simples que avalia a sua capacidade pulmonar”, explicou.

Leia também: Rinite, sinusite e bronquite: conheça as diferenças entre as doenças respiratórias

Outros poluentes também causam a doença

Apesar de um pouco menos comum, a DPOC também pode ser causada pela exposição a outros poluentes e não apenas a fumaça do tabagismo, entre eles a poluição atmosférica e inalação de fumaça de produtos químicos de limpeza (uso em indústrias). “Quem vive nas grandes cidades e está exposto à poluição e queima de biomassa, por exemplo, se comportam como se fossem tabagistas passivos, mesmo não sendo fumantes”, disse Bogossian. Famílias rurais com hábito de uso de fogão a lenha também têm risco aumentado de DPOC. 

Ficar longe do cigarro é a maneira mais eficaz de prevenir a doença, que não tem cura. Assim, a primeira opção de tratamento para a DPOC é convencer o paciente a parar de fumar, pois existem tratamentos eficazes para quem quer deixar o vício. Outra forma de prevenção é fazer check-ups de rotina para avaliar a capacidade pulmonar e estabelecer o diagnóstico mais cedo.

Por fim, em casos mais graves e quando já há limitações, há a indicação do uso de medicamentos broncodilatadores inalatórios que são usados para reduzir a inflamação e a dilatação da parede dos brônquios, facilitando a passagem do ar. É importante a realização do tratamento continuamente, mesmo em dias que o paciente tem poucos sintomas. Quando a concentração de oxigênio no sangue está muito baixa, a pessoa pode fazer terapia para suplementar. Outras formas importantes de prevenção são a prática de exercícios físicos e tomar a vacina contra gripe,  pneumonia e COVID, já que as infecções respiratórias disparam as crises e podem agravar o quadro.

Fonte: Agência Einstein

Leia também:

Transplante de rim
Saúde

Transplante de rim: órgão doado faz falta? Quem pode doar? Entenda

Indicado para pessoas com doença renal crônica, transplante do novo órgão permite que o corpo volte a filtrar e eliminar líquidos e toxinas

Endometriose e saúde mental
Bem-estar Equilíbrio Saúde

Endometriose e saúde mental: como cuidar de si mesma?

Desconfortos podem causar uma série de desafios emocionais, por isso é importante cuidar da saúde mental

Que horas o mosquito da dengue mais pica
Saúde

Que horas o mosquito da dengue mais pica?

Veja quais são os principais horários e como se prevenir da doença