Disartria: Entenda o que é, tipos e tratamento

Saúde
29 de Dezembro, 2021
Disartria: Entenda o que é, tipos e tratamento

A disartria pertence ao grupo de transtornos neurológicos e motores da fala. Assim, a condição é caracterizada por déficits neuromusculares que incluem fraqueza muscular, paralisia, incoordenação, movimentos involuntários ou alterações de tônus muscular.

De acordo com a fonoaudióloga Elisabete Giusti, a adequada produção da fala depende de uma série de fatores. Dentre eles, o controle motor dos movimentos é essencial. Dessa maneira, os movimentos necessários à fala são classificados como os mais refinados e complexos do corpo humano. 

“Usamos muitos músculos para a movimentação dos articuladores. Isso inclui os músculos da face, dos lábios, língua, laringe e também músculos que coordenam todo o sistema respiratório. Na disartria, o adequado funcionamento desses músculos está alterado e isso impacta diretamente na clareza e inteligibilidade de fala”, explica.

Leia também: Misofonia: O que é e quais as causas

Desse modo, a disartria tem níveis de gravidade, podendo ser leve a grave, o que pode impossibilitar a produção da fala. 

Sintomas da disartria

Os sintomas do transtorno podem variar. Mas os mais comuns incluem:

  • Ter uma fala “arrastada”, lenta, imprecisa e que afeta a inteligibilidade;
  • Falar muito devagar ou muito rápido;
  • Intensidade vocal reduzida, isto é, fala fraca ou voz baixa);
  • Movimentos imprecisos da mandíbula, lábios e língua;
  • Fala com uma ressonância diferente;
  • Respiração curta e ofegante;
  • Presença de distorções dos sons da fala, com limitada movimentação dos articuladores;
  • Voz monótona;
  • Dificuldade na obtenção do volume vocal e com qualidade comprometida. 

Quais as causas? 

As causas da disartria estão relacionadas a danos cerebrais, que podem acontecer no nascimento ou após uma doença ou lesão. Como por exemplo:

  1. Condições congênitas, que acometem as crianças: paralisia cerebral, malformação de Chiari, síndromes genéticas. 
  2. Doenças degenerativas: esclerose lateral amiotrófica, doença de Parkinson, degeneração cerebelar, doença de Huntington, ataxias, atrofia de múltiplos sistemas. 
  3. Doenças desmielinizantes e inflamatórias: esclerose múltipla, encefalite, Guillain-Barré, meningite. 
  4. Problemas infecciosos: síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS), herpes zoster, encefalopatia infecciosa, poliomielite. 
  5. Doenças neoplásicas: tumores do sistema nervoso central, tumores cerebelares ou do tronco cerebral, degeneração cerebelar etc. 
  6. Outras condições neurológicas: hidrocefalia, epilepsia, síndrome de Tourette, coréia. 
  7. Trauma: lesão cerebral traumática, trauma neurocirúrgico/pós-operatório, fratura de crânio.
  8. Doenças tóxicas e metabólicas: botulismo, envenenamento, hipotireoidismo, toxidade de lítio etc. 
  9. Doenças vasculares: acidente vascular cerebral, doença de Moyamoya, encefalopatia anóxica ou hipóxica, malformações arterionenosas. 

Diagnóstico e tratamento 

O diagnóstico da disartria deve ser feito por um fonoaudiólogo e é baseado em um método perceptivo de classificação (Darley, Aronson e Brown, 1969). Esse método se baseia nos caraterísticas de perpepção auditiva da fala que indicam a fisiopatalogia subjacente. Sendo assim, os principais tipos de disartria identificados por atributos perceptivos e fisiopatologia são os seguintes: Disartria flácida, espástica, Atáxica, hipocinética, hipercinético, do neurônio motor superior unilateral e misto. Portanto, cada tipo de disartria afeta de forma diferente os diferentes subsistemas da fala.  

Após o diagnóstico, o tratamento deve ser individualizado e conduzido por um fonoaudiólogo. Assim, a intervenção deve ser baseada nos princípios de aprendizagem motora, com uso de técnicas direcionadas ao comprometimento dos diferentes subsistemas de fala. Isso porque a doença trata-se de um transtorno motor. Além disso, a importância de classificar o tipo de disartria ajuda a especificar as metas de intervenção para cada tipo. 

Dependendo da gravidade do quadro, também é importante considerar o uso da comunicação alternativa para oferecer aos pacientes o adequado suporte para que possam se comunicar. 

Fonte: Elisabete Giusti, graduada em Fonoaudiologia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) e especializada em Desenvolvimento da Linguagem e suas Alterações pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). 

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

corrida
Bem-estar Movimento Saúde

Como proteger garganta e ouvidos na corrida durante o inverno

É necessário tomar os devidos cuidados para proteger garganta e ouvidos durante a corrida no inverno. Saiba mais!

5 hábitos saudáveis para enxaqueca
Saúde

5 hábitos saudáveis para enxaqueca

A enxaqueca é uma doença crônica que causa um tipo de dor de cabeça latejante

Mortes por AVC
Saúde

Mortes por AVC podem ser associadas às temperaturas extremas

Mais de meio milhão de pessoas tiveram AVC relacionados às temperaturas extremas – muito calor ou muito frio