Diabetes aumenta risco de transtorno alimentar, alerta SBD

Saúde
02 de Junho, 2023
Diabetes aumenta risco de transtorno alimentar, alerta SBD

O diabetes, sobretudo o do tipo 1, aumenta 2,5 a 3 vezes o risco de transtorno alimentar. Nesse recorte, as mais vulneráveis são pacientes mulheres e jovens na fase da adolescência. O alerta para a situação é da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), que afirma que o quadro é pouco conhecido por familiares e até médicos.

Veja também: Falta de tratamento do diabetes pode levar à morte

Como o diabetes aumenta o risco de transtorno alimentar?

Essa relação entre diabetes e distúrbio alimentar tem nome: diabulimia. A condição geralmente se manifesta na pré-adolescência e adolescência, afetando meninas com diabetes de 16 a 22 anos, em média. Isso acontece por alguns motivos: em primeiro lugar, essa fase da vida traz mais inseguranças com o corpo, o que pode aumentar o rigor com a alimentação.

Dessa forma, a restrição do consumo de alimentos, preocupação excessiva com calorias, nutrientes e dieta, podem desencadear o descontrole do diabetes. Afinal, além disso tudo, as jovens podem descuidar das aplicações de insulina e aderir a hábitos que atrapalham o trabalho da substância. Por exemplo, indução de vômitos, uso de medicamentos laxantes, diuréticos ou emagrecedores, entre outros.

Esse conjunto de comportamentos impacta negativamente na saúde física e mental de quem o pratica, facilitando o progresso de transtornos alimentares.

Como resultado, o paciente fica mais exposto a riscos de saúde, tanto do descontrole do diabetes como do próprio distúrbio. Desnutrição, alterações hormonais, crescimento prejudicado e maior risco de retinopatias e danos aos rins são consequências da diabulimia.

É possível evitar a diabulimia?

A principal forma de prevenir que o diabetes influencie um transtorno alimentar é a conscientização sobre o problema. Portanto, ficar de olho no comportamento dos adolescentes é fundamental. Observe se há dificuldades em comer ou seletividade alimentar, autoexigência com a aparência ou peso e o interesse repentino em se exercitar.

Outro sinal é a falta de cuidado com o controle da doença. Se a pessoa se esquecer de medir a glicemia, não tomar a insulina corretamente ou pular as aplicações, precisa ser alertada sobre os efeitos dessa negligência.

Porém, muitos pais e responsáveis não sabem exatamente como agir nessa situação, sendo essencial o auxílio médico para reforçar a possível gravidade do quadro. Afinal, a curto prazo, a jovem pode sofrer alterações nos exames de glicemia, além do risco de internação por esse motivo. Psicólogos, psiquiatras, endocrinologistas e o apoio familiar são vitais para frear o diabulimia e suas consequências.

 

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

Ozempic e anticoncepcional
Saúde

Ozempic pode cortar o efeito do anticoncepcional? Médica explica

Nas redes sociais, não faltam relatos sobre o efeito do Ozempic no aumento da fertilidade

Chá de erva baleeira
Alimentação Bem-estar Saúde

Chá de erva baleeira emagrece? Veja benefícios e como fazer

A erva é eficaz em tratamentos de reumatismo, gota, dores musculares e até úlceras; saiba mais

mulher sentada na mesa da cozinha com remédios para gripe na sua frente
Saúde

Queda na temperatura exige cuidados com a saúde. Confira

Neste fim de semana, o frio vai estar presente em diversas capitais. Queda na temperatura pede alguns cuidados com a saúde respiratória