Dermaplaning: entenda os riscos para a pele

Saúde
11 de Janeiro, 2022
Dermaplaning: entenda os riscos para a pele

Assim como outras trends da internet, o dermaplaning surgiu como uma técnica inofensiva de “raspar a pele”. Apesar de o procedimento ser feito em clínicas com bisturi, é possível encontrar versões de lâminas menos afiadas para que o processo seja feito em casa de maneira amadora. Porém, o procedimento não é assim tão simples quanto parece. 

“A pele é nossa primeira camada de proteção. Portanto, ao ser descamada de maneira íntegra, aumentamos as chances de lesões, manchas e de contaminações”, explica a biomédica pós-graduada em Saúde Estética, Ana Clara Brathwaite.

A especialista esclarece que o procedimento que ganhou a internet pelas imagens de “antes e depois”, retira o estrato córneo da pele. Isto é, a primeira camada que é composta por células que já estão para morrer e vão se desprender naturalmente da pele. Dessa maneira, alguns tratamentos aceleram esse desprendimento e essas células são removidas de maneira abrupta.

Perigo do dermaplaning

Se o profissional não tiver um bom domínio da técnica e controle da mão, pode aprofundar a lâmina e transformar o peeling superficial em um peeling profundo, causando uma lesão muito maior. Segundo Ana Clara, mesmo em procedimentos ablativos (como laser CO2 fracionado ou o microagulhamento) não é indicado retirar todo o estrato córneo de uma vez. Pois isso aumenta as chances de contaminação e podem gerar uma cicatrização ruim. Como cicatrizes hipertróficas ou até com queloide, dependendo do histórico do paciente.

“Mesmo nos peelings químicos, por exemplo, a descamação da pele é controlada e não é feita por inteiro de uma vez. Assim, mantemos regiões íntegras da pele junto com regiões lesionadas, o que confere maior proteção ao organismo. O grande problema é que a técnica está sendo amplamente utilizada, inclusive em casa, sem nenhum treinamento, o que agrava muito os riscos de lesões”, explica a biomédica.

Outro fator que a especialista considera crítico, é que o dermaplaning não tem embasamento científico suficiente. “Quando buscamos esse nome em base de dados científicos, aparecem sete artigos científicos apenas. Isso é muito pouco e alguns deles nem falam diretamente do procedimento. Por isso, considero uma técnica precária de embasamento científico, arriscada e perigosa. É óbvio que tem o resultado clínico, mas se não tivermos estudos na área não temos como dizer que aquela técnica é segura ou eficaz”, alerta Ana Clara.

Cuidados com o sol

Além de todos os riscos já mencionados, a chegada do verão exige cuidado redobrado para quem passou por qualquer procedimento estético que lesiona a pele.

“Ao retirar o estrato córneo da pele, retiramos o queratinócito, a primeira célula de proteção. Por meio de mediação química, ele manda uma mensagem avisando que a pele está desprotegida e quem responde como célula de defesa é o melanócito, que produz melanina. Como proteção contra a radiação ultravioleta, nossa pele pigmenta mais e mancha mais porque ela reage de maneira mais agressiva para nos proteger. Isso causa o melasma, aquelas manchas marrons que não têm cura”, finaliza.

Leia mais em: Protetor solar: qual é a quantidade certa para aplicar na pele?

Fonte: Ana Clara Brathwaite, biomédica pós-graduada em Saúde Estética..

Sobre o autor

Julia Moraes
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em fitness, saúde mental e emocional.

Leia também:

corrida
Bem-estar Movimento Saúde

Como proteger garganta e ouvidos na corrida durante o inverno

É necessário tomar os devidos cuidados para proteger garganta e ouvidos durante a corrida no inverno. Saiba mais!

5 hábitos saudáveis para enxaqueca
Saúde

5 hábitos saudáveis para enxaqueca

A enxaqueca é uma doença crônica que causa um tipo de dor de cabeça latejante

Mortes por AVC
Saúde

Mortes por AVC podem ser associadas às temperaturas extremas

Mais de meio milhão de pessoas tiveram AVC relacionados às temperaturas extremas – muito calor ou muito frio