É ou não é lipedema? 3 problemas comumente confundidos com a condição e saiba como diferenciar

Saúde
20 de Setembro, 2023
É ou não é lipedema? 3 problemas comumente confundidos com a condição e saiba como diferenciar

Apesar de ser um problema muito comum entre as mulheres de todo o mundo, o lipedema, que só foi padronizado como doença em 2022. Além disso, a condição apresenta sintomas semelhantes a outros problemas de saúde, o que dificulta ainda mais o seu diagnóstico. A seguir, saiba como diferenciar o lipedema.

Veja também: Dieta para lipedema: veja como a alimentação contribui com o tratamento

Afinal, o que é lipedema?

O lipedema é uma condição caracterizada pelo acúmulo de tecido gorduroso com aumento desproporcional no tamanho principalmente das pernas e quadris, apesar de também afetar os braços em um menor número de casos, como explica a cirurgiã vascular Dra. Aline Lamaita.

Como o quadro ainda não é muito conhecido, principalmente nos estágios iniciais, é comum que a condição seja confundida com outras doenças que demandam tratamentos específicos. A seguir, saiba como diferenciar o lipedema:

Problemas confundidos com lipedema

1 – Obesidade

A obesidade é um distúrbio metabólico caracterizado pelo acúmulo de gordura corporal. Nesse quadro, a gordura é distribuída de maneira mais uniforme no corpo todo, enquanto no lipedema essa gordura geralmente concentra-se nos quadris e pernas, é dolorida e pode levar ao aparecimento de pequenos nódulos. 

Além disso, como a médica explica, o tipo de gordura também é diferente. “Enquanto no lipedema trata-se apenas de gordura subcutânea, que está localizada abaixo da pele e é difícil de ser perdida apenas com hábitos saudáveis, em quadros de obesidade há, além da gordura subcutânea, gordura visceral, que é aquela que fica entre os órgãos e é a grande responsável por uma série de problemas de saúde, mas também é mais fácil de ser eliminada com mudanças no estilo de vida”, complementa. 

Portanto, pessoas com sobrepeso devem ficar especialmente atentas ao lipedema, visto que pode ser difícil notar o aumento do tamanho dos membros inferiores.

2 – Linfedema

Apesar do nome similar, o lipedema e o linfedema são doenças diferentes, com causas distintas. No linfedema, há um inchaço dos braços e pernas devido ao acúmulo de líquidos, e não de gordura, nos membros.

Assim, o linfedema ocorre devido a alguma obstrução no sistema linfático. E, ao contrário do lipedema, o linfedema não é simétrico, afetando somente uma perna ou braço, além de não causar sensação dolorosa ao toque, salvo em casos em que há alguma outra condição associada.

“É importante frisar ainda que o lipedema, em seus estágios mais avançados, pode levar ao surgimento de linfedema. Por isso, é fundamental controlá-lo para evitar esse quadro de doenças associadas, o que torna a reversão mais difícil”, aconselha Aline. 

3 – Celulite

Tanto a celulite quanto o lipedema estão relacionados a um acúmulo anormal de gordura. Portanto, as duas condições geram nódulos visíveis na pele, conferindo um aspecto semelhante à celulite.

“Novamente, para diferenciar o lipedema, é importante prestar atenção na dor. A celulite não causa dor ao toque como o lipedema. É uma condição puramente estética. Além disso, preste atenção à evolução: se os nódulos crescerem, o tamanho das pernas aumentar e a pele começar a dobrar, como se fosse flácida, provavelmente trata-se de lipedema”, detalha a especialista.

Como diferenciar o lipedema

Os sintomas do lipedema surgem a partir do aumento simétrico do tamanho dos membros, sensação dolorosa ao toque, aumento da frequência de hematomas espontâneos e maior tendência ao acúmulo de líquido.

Por fim, a médica também encoraja que as pacientes busquem uma segunda opinião médica caso suspeitem do problema. “O diagnóstico incorreto não só atrasa o tratamento, consequentemente agravando o quadro, mas também causa muito frustração à paciente, visto que, além de ser crônico, o lipedema tem como característica o acúmulo de uma gordura doente que, geralmente, não responda às mudanças de hábitos, como dietas e práticas de atividade física, comumente adotadas em casos de obesidade”, afirma a cirurgiã vascular. 

Tratamento para lipedema

Uma vez diagnosticado corretamente, o lipedema pode ser devidamente tratado, o que é geralmente feito por meio de uma abordagem multidisciplinar. Ou seja, mudanças no estilo de vida com adoção de uma alimentação anti-inflamatória e prática regular de atividade física são realmente estratégias importantes para controlar a evolução do lipedema, visto que é uma doença crônica, isto é, que não tem cura.

Além disso, outras medidas são valiosas dentro do tratamento. Como por exemplo, o uso de meias de compressão e medicamentos e até mesmo a realização de procedimentos cirúrgicos. Estes visam a retirada do tecido gorduroso doente, como a lipoaspiração.

Fonte: Dra. Aline Lamaita, médica cirurgiã vascular e membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV).

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

montagem com as fotos de Wagner
Saúde

Ele já fez mais de 100 doações de sangue e plaquetas: “dar um pouco da minha saúde para quem precisa”

Conheça a história de Wagner Hirata, que tem as doações de sangue e plaquetas como um de seus propósitos de vida

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte

Reynaldo Gianecchini
Saúde

Reynaldo Gianecchini revela diagnóstico de doença autoimune

A síndrome de Guillain Barré causa fraqueza e dificuldades para mover os braços e as pernas