Como afinar a cintura? Especialista aponta os maiores erros

1 de junho, 2022

Por diversas razões, algumas mulheres não se sentem satisfeitas com o próprio corpo. Em alguns casos, a vontade é de emagrecer, em outros, ganhar massa muscular. Há, ainda, aquelas que desejam deixar a cintura mais fina e, para isso, tentam diferentes métodos — desde uma série intensa de abdominais até a compra de cintas modeladoras. Victoria Cardoso, personal trainer e especialista em Low Pressure Fitness, aponta os maiores erros nesse processo e explica como afinar a cintura de maneira adequada e segura.

De acordo com a profissional, é possível afinar a cintura desde que sejam usadas as estratégias certas. “Com uma alimentação adequada e exercícios como o Low Pressure Fitness, que fazem a ativação do transverso abdominal, é possível reduzir medidas na região”, assegura.

Sem a orientação profissional, algumas pessoas acabam por adquirir hábitos que até parecem eficientes, mas não ajudam a alcançar os resultados desejados. Além disso, algumas práticas podem causar malefícios para o corpo.

Maiores erros

Dessa forma, Victoria aponta quais são os dois principais equívocos cometidos por quem deseja afinar a cintura:

  • Fazer abdominais oblíquos;
  • Usar cintas modeladoras.

A personal trainer explica que os abdominais oblíquos causam uma hipertrofia na região, gerando o resultado contrário. “Se você faz um exercício específico para a lateral do abdômen, você irá aumentar de tamanho os músculos dessa região, e isso faz com que as pessoas fiquem com o aspecto de cintura ‘quadrada’”, diz.

Além disso, a cinta pode piorar a flacidez abdominal. “Os músculos abdominais têm a função de sustentação, e para isso, eles precisam ser ativados da forma correta. A cinta faz o papel de sustentação para você, logo, os músculos não precisam trabalhar. Qualquer músculo que não trabalha, perde tônus, e aumenta a flacidez. E aí, vira um ciclo vicioso”, comenta. Assim, o ideal é que o uso das cintas seja feito somente com orientação médica, como em pós-cirúrgicos.

Além disso, outros pontos que são comumente negligenciados por quem deseja afinar a cintura, mas que possuem grande influência no processo, são a respiração e a postura. “A má postura estufa o abdômen. Isso faz com que a cintura seja afetada, e a respiração estufando o abdômen (principalmente durante os exercícios físicos) também piora a condição”, esclarece.

Como afinar a cintura?

Existem hábitos que, quando praticados com frequência e da maneira correta, trazem benefícios e acarretam mudanças visíveis na região da cintura. Victoria defende que os resultados dependem, sobretudo, de três fatores: alimentação, exercícios físicos e Low Pressure Fitness.

A profissional explica que o abdômen é a região na qual as mulheres tendem a acumular mais gordura. Por isso, para afinar a cintura é preciso dar atenção à alimentação como um todo. A prática de exercícios físicos, como cardiorrespiratórios e musculação, também é indicada pela personal. Além disso, ela aproveita para ressaltar a importância de treinar os membros superiores: “Membros superiores mais desenvolvidos trazem a impressão de cintura mais fina”. Com exceção dos oblíquos, os abdominais, em geral, não atrapalham a redução de medidas na região da cintura.

@victoriacardosop

O Low Pressure Fitness, por sua vez, é uma prática que, segundo a especialista, é capaz de reduzir até 12 centímetros de cintura e medida abdominal. Ele é um treinamento postural que envolve ativação abdominal e respirações rítmicas, ativando, assim, o transverso abdominal, o diafragma e a mobilização neuromiofascial.

Leia também: Exercícios para afinar a cintura: Conheça os melhores

Outros hábitos

Além da alimentação, treinos e prática de LPF, cuidar do sono e hidratar-se é essencial. “Esses hábitos precisam estar conectados. Não apenas para uma cintura mais fina, mas isso é o básico para uma vida mais saudável no geral”, pontua Victoria.

Por fim, a profissional ainda explica que as recém-mães costumam ter dificuldades para afinar a cintura, uma vez que a diástase, isto é, o afastamento dos músculos abdominais na gestação, torna o processo mais trabalhoso. “Muitas mamães não fazem exercícios específicos para essa condição no pós-parto e, com isso, o abdômen fica com o aspecto flácido, estufado e sem competência para segurar as pressões do dia a dia. Portanto, reabilitar esse abdômen no pós-parto com o LPF também é importante”, completa.

Fonte: Victoria Cardoso, personal trainer e especialista em Low Pressure Fitness (LPF)