Cesárea em que a própria mãe retira o bebê da barriga traz riscos

Gravidez e maternidade Saúde
25 de Agosto, 2023
Cesárea em que a própria mãe retira o bebê da barriga traz riscos

Recentemente, a cena de uma mãe retirando o próprio bebê da barriga em uma cesárea viralizou nas redes sociais e lançou luz sobre uma nova prática controversa no meio médico. A cesariana assistida pela mãe, ou Maternal Assisted Cesarean (MAC), tem sido alardeada como uma tentativa de aumentar o protagonismo da mulher nessa via de nascimento. Nesse procedimento, o médico retira apenas a cabeça e parte do tórax da criança. Então, a parturiente, vestida com avental cirúrgico e luvas estéreis, completa o trabalho.

Leia mais: Partos normal e natural beneficiam a amamentação

Febrasgo não recomenda cesárea assistida

Especialistas alertam, no entanto, que não existem evidências de segurança nem de benefícios desse procedimento. Embora ainda seja relativamente desconhecido no Brasil, a Federação das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) divulgou uma nota sobre o assunto. Nela, destaca os riscos potenciais e não recomenda a prática enquanto não há estudos clínicos aprovados.

“A prática não encontra amparo em protocolos, recomendações ou estudos bem desenhados”, afirma o obstetra e ginecologista Alberto Trapani, presidente da Comissão Nacional Especializada em Assistência ao Abortamento, Parto e Puerpério da Febrasgo. O médico explica que a MAC pode aumentar as complicações em número e gravidade. Por exemplo, infecções, aumento do tempo cirúrgico, incisões, sangramentos e lesões em outros órgãos. Pode, ainda, causar atrasos na assistência e avaliação do recém-nascido.

“Além disso, tenta simplificar e relativizar a complexidade e o risco de um procedimento cirúrgico que deveria ser restrito a situações de urgência ou condições específicas”, completa o especialista.

Riscos para a gestante e o bebê

“Embora a princípio pareça uma prática humanizada, ela traz vários riscos. Principalmente o de infecção, que já é maior nesse tipo de parto”, destaca Romulo Negrini, coordenador médico de Obstetrícia e Medicina Fetal do Hospital Israelita Albert Einstein.

Negrini explica que a incisão na barriga deixa o abdômen mais exposto às bactérias. Por isso, toda a equipe deve se paramentar com material estéril e a gestante deve estar coberta por campos estéreis. Quanto mais rápida for a cirurgia, menor será o tempo de exposição e, consequentemente, menor será o risco de contaminação. “Se a mãe aproxima as mãos da incisão, aumenta o potencial de contaminação e prolonga o tempo de cirurgia. Assim, eleva o risco de infecção”, explica.

De acordo com o código de ética médica brasileiro, é proibido deixar de informar os riscos de um tratamento e divulgar fora do meio científico terapias cujo valor não esteja expressamente reconhecido cientificamente por um órgão competente, como lembra Trapani, da Febrasgo.

No entanto, isso não implica que não seja possível humanizar a cesárea. Existem práticas comprovadamente benéficas ou não prejudiciais que tornam o parto mais respeitoso e facilitam o vínculo com o recém-nascido. Exemplos incluem abaixar o campo cirúrgico para que a mãe possa assistir ao nascimento, permitir a presença de um acompanhante, promover o contato pele a pele ao entregar o bebê para a mãe imediatamente após o parto, incentivar a amamentação na primeira hora de vida, reduzir a luz ambiente e minimizar ruídos, além de incorporar música na sala de parto.

“Todas essas medidas garantem um nascimento não apenas humanizado, mas também seguro”, afirma Negrini. 

Fonte: Agência Einstein

Leia também:

profissional de saúde segurando um DIU no pós-parto
Gravidez e maternidade Saúde

DIU no pós-parto: como funciona, quando colocar e cuidados

Com alta eficácia, o DIU no pós-parto oferece uma solução prática para o planejamento familiar após uma gestação.

menina com ritmo circadiano saudável dormindo na cama durante as férias
Bem-estar Gravidez e maternidade

Férias escolares: como manter um ritmo circadiano saudável?

Manter um ritmo circadiano saudável por meio de uma rotina consistente é fundamental para o bem-estar físico e mental.

Como manter a saúde digestiva no inverno?
Saúde

Como manter a saúde digestiva no inverno? 7 dicas para os meses mais frios

Confira sugestões compartilhadas por gastrocirurgião e nutricionista de como garantir o bom funcionamento do aparelho digestivo nos meses mais frios do ano