Celulite no rosto? Entenda como uma infecção bacteriana traz riscos à saúde

Saúde
03 de Maio, 2024
Celulite no rosto? Entenda como uma infecção bacteriana traz riscos à saúde

Tudo começou com espirros e uma leve coriza, algo relativamente comum na rotina da servidora pública Marília Soares, 40 anos, que suspeitou se tratar de mais uma crise de sinusite. Mas não era. Poucos dias depois, os sintomas pioraram, com o surgimento de inchaço no nariz e no rosto, associado a vermelhidão, dor, coceira e ardência. Ela procurou duas vezes o atendimento no pronto-socorro até receber o diagnóstico de celulite no rosto, um quadro infeccioso da pele comum e fácil de tratar, mas que pode complicar caso não seja diagnosticada rapidamente. Saiba mais a seguir.

Celulite no rosto: condição é causada por bactérias

Diferente da celulite estética, que são aquelas pequenas ondulações que aparecem principalmente no bumbum e na coxa das mulheres, a celulite infecciosa – como o próprio nome diz – é uma infecção da pele que pode ser causada por diferentes tipos de bactéria.

As mais comuns são a Staphylococcus aureus e a Streptococcus. Esses tipos podem entrar na pele através de pequenos ferimentos, lesões, micoses e picadas de inseto, por exemplo.  

A pele tem mecanismos de defesa para evitar infecções, já que estamos em contato com bactérias o tempo todo, mas uma pequena queda da imunidade pode ser um facilitador para o avanço da infecção. Uma vez instaladas no corpo, as bactérias rapidamente começam a se reproduzir e daí surgem os primeiros sintomas. Não há dados oficiais no Brasil. Porém, estudos recentes mostram que a incidência de erisipela e celulite é cerca de dois casos para cada mil indivíduos por ano.  

De acordo com Andrey Malvestiti, dermatologista do Hospital Israelita Albert Einstein, a pele tem três camadas: epiderme (mais externa), derme (intermediária) e tecido gorduroso subcutâneo. E a classificação das infecções acontece de acordo com a camada acometida: erisipela (quando ocorre somente na parte mais superficial), celulite (acontece na parte mais profunda e atinge também a derme e o tecido subcutâneo) e abscessos (que são coleções de pus, normalmente abaixo da derme, como os furúnculos). 

O tratamento com antibióticos 

Tanto a erisipela quanto a celulite são mais comuns nos membros inferiores. Porém, também podem acometer outras áreas, entre elas, a face, a região perineal e a genital. A diferença básica entre a celulite e a erisipela, explica Malvestiti, é a extensão da infecção.

Por ser mais superficial, a erisipela costuma apresentar uma área com bordas mais nítidas, enquanto a celulite, por ser mais profunda, não apresenta limites tão precisos. As duas são tratadas com antibióticos – eles podem ser de via oral, intramuscular ou intravenoso. O tempo de uso da medicação vai depender da gravidade do problema.  

Veja também: Rotina de skincare: quando mudar os produtos? Dermatologista explica

Medicamento depende do tipo de bactéria

Segundo o dermatologista, o que vai definir qual o tipo de antibiótico e qual a forma de administração é a localização da celulite no rosto e a avaliação clínica do paciente, momento em que o médico vai tentar identificar a possível porta de entrada para a instalação da bactéria.  

“Existem antibióticos diferentes para bactérias diferentes. Precisamos saber se o paciente teve contato com água salgada, com água doce. Além disso, é necessário entender se foi picado por inseto, se recebeu uma mordida de outra pessoa, se foi mordido por um gato ou cachorro. São inúmeras as possibilidades, que exigem condutas medicamentosas variadas. No geral, direcionamos o tratamento para combater as bactérias mais comuns, que são os estreptococos e os estafilococos”, explica o médico.   

Malvestiti ressalta que, quando é identificada e tratada precocemente, dificilmente a celulite evolui para algo mais sério. Mas as complicações podem surgir, especialmente se a doença acontece no rosto. Como, por exemplo, perto dos olhos, e evolui para uma celulite periorbitária (que aumenta o risco de perda de visão), ou nos seios cavernosos da face, podendo causar uma trombose. “Na maioria das vezes, o tratamento com o uso de antibióticos é muito eficaz e o quadro tende a se resolver em até duas semanas”, completa o dermatologista. 

Fonte: Agência Einstein. 

Leia também:

foto do ator Tony Ramos
Saúde

Hematoma subdural: entenda quadro de Tony Ramos

Tony Ramos passou por duas cirurgias após apresentar um hematoma subdural. Segundo boletim médico, ator já tem "melhora na evolução do quadro clínico"

corrida
Bem-estar Movimento Saúde

Como proteger garganta e ouvidos na corrida durante o inverno

É necessário tomar os devidos cuidados para proteger garganta e ouvidos durante a corrida no inverno. Saiba mais!

5 hábitos saudáveis para enxaqueca
Saúde

5 hábitos saudáveis para enxaqueca

A enxaqueca é uma doença crônica que causa um tipo de dor de cabeça latejante