Capsulite adesiva: O que é e quais são os tratamentos

18 de fevereiro, 2021

A capsulite adesiva – também conhecida como “ombro congelado” – é uma lesão provocada por uma inflamação da cápsula que reveste o ombro. Ela causa dor no ombro e limitação dos movimentos. 

Mas, você deve estar se perguntando onde fica essa cápsula, não é mesmo?

As articulações do nosso corpo não são formadas somente pelo osso e pelo músculo. Dessa maneira, elas também têm tecido e fibras, que formam uma cápsula. Em alguns momentos, essa cápsula pode inflamar e surgir a capsulite adesiva.

Além disso, a doença costuma atingir cerca de 3 a 5% da população geral e é mais frequente a partir dos 55 anos de idade.

Leia também: Fortalecer os ombros: Saiba quais são os melhores exercícios

Sintomas da capsulite adesiva

Os sintomas mais comuns da doença incluem:

  • Dor intensa em todo o ombro.
  • Limitação dos movimentos
  • Rigidez nos ombros
  • Dificuldade para levantar o braço, vestir roupas.

Além disso, esse tipo de problema pode causar dores e sobrecargas nas articulações e até na coluna. 

Causas

A causa pode estar relacionada a traumas na região do ombro e doenças como diabetes, hipotireoidismo ou problemas cardiovasculares.

Tratamentos para capsulite adesiva

Medicamentos

Os medicamentos são um dos tratamentos mais recomendados pelos médicos para aliviar a dor.

Leia também: Lesão por esforço repetitivo (LER): Como tratar e evitar

Fisioterapia

Por outro lado, a fisioterapia é um método muito recomendado para combater a dor e trazer os movimentos do ombro de volta. Dessa forma, durante as sessões, os equipamentos aliviam a dor e exercícios de fortalecimento e alongamento

Além disso, há outros benefícios por trás da prática:

  • Promove relaxamento;
  • Diminui o estresse ;
  • Melhora os movimentos;
  • Previne dores.

Cirurgia

Por fim, em casos mais graves, quando outros métodos de tratamento não fizerem efeito, a cirurgia é necessária. Mas, depende do estágio de dor e inflamação.

Portanto, a cirurgia é permite que a articulação possa voltar a se mover normalmente.

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Repórter