Canal lacrimal entupido: conheça as causas, sintomas e tratamento

O canal lacrimal entupido, também conhecido como dacrioestenose, é uma condição na qual o sistema que drena as lágrimas está obstruído, fazendo com que os olhos fiquem irritados e lacrimejantes.

“Produzimos lágrimas o tempo todo e elas precisam ser escoadas por um canal que começa no olho e se abre dentro do nariz. Sendo assim, a obstrução pode ser em qualquer parte desse canal”, explica o oftalmologista Pedro Carricondo, especialista do Conselho Brasileiro de Oftalmologia.

Esse quadro pode acometer bebês desde o nascimento, devido à malformação do canal lacrimal, mas normalmente se resolve até um ano de idade, sem necessidade de intervenção cirúrgica. 

Além disso, a dacrioestenose também pode se desenvolver em qualquer idade, sendo mais comum em casos de infecção ou pancadas no nariz, pessoas em tratamento oncológico e idosos.

Leia mais: Como descobrir se o bebê tem problema de visão

Quais são as causas do canal lacrimal entupido?

As principais causas do entupimento do canal lacrimal são:

  • Pessoas em tratamento com quimioterapia e/ou radioterapia;
  • Envelhecimento;
  • Infecções ou inflamações crônicas nos olhos ou nas vias nasais;
  • Bloqueio congênito do canal lacrimal, devido à malformação do canal lacrimal ou desenvolvimento anormal da face;
  • Lesão ou trauma no rosto.

Sintomas

Os sintomas mais frequentes de canal lacrimal entupido são:

  • Lacrimejamento excessivo;
  • Irritação e vermelhidão no olho afetado;
  • Visão embaçada;
  • Inchaço no canto interno
  • Presença de secreção no olho;
  • Infecção ocular.

A condição requer avaliação de um oftalmologista para que o melhor tratamento seja indicado, uma vez que o canal lacrimal entupido pode causar complicações oculares como pré-disposição à infecções na região. Isso ocorre porque, segundo Carricondo, o líquido preso dentro do canal pode ocasionar o desenvolvimento de bactérias.

Canal lacrimal entupido x inflamado

Muitas pessoas confundem obstrução com inflamação deste canal. Segundo a médica, o principal sintoma do canal lacrimal entupido é o lacrimejamento. “Alguns pacientes podem sentir irritação nos olhos com secreção e até simular uma conjuntivite. Mas, em casos mais graves, é possível ter dor e inchaço no canto do olho”, completa.

Mas o canal lacrimal obstruído pode ou não estar inflamado. A inflamação apresenta sinais como dor e vermelhidão local. 

Como tratar?

O tratamento adequado para um canal lacrimal entupido pode variar dependendo da causa subjacente. Assim, nos bebês, o tratamento indicado inicialmente consiste em massagem do canal lacrimal. De acordo com o especialista Pedro Carricondo, se a massagem na região não for eficiente é recomendado um processo chamado de intubação, que consiste em passar um tubo fino pela via lacrimal para desobstruir a passagem das lágrimas e permitir que elas sejam drenadas para o nariz.

“Há também a possibilidade de cirurgia, chamada de dacriocistorrinostomia, de forma a ligar o canal lacrimal com a parte interna do nariz, ou seja, é feita uma nova rota para a lágrima ser escoada”, completa.

O que fazer quando o canal lacrimal está entupido?

Como a obstrução pode acontecer por diferentes motivos e apresentar sintomas diversos, é preciso procurar um oftalmologista para uma avaliação mais detalhada e, assim, saber o tratamento mais adequado.

Cristiane Okazaki, especialista em plástica ocular do H.Olhos, alerta que não há método caseiro para desentupir o canal lacrimal. No caso da obstrução congênita em bebês, a massagem pode ser um tratamento, mas deve ser feita  somente após avaliação e orientação médicas.

No caso de adultos, o tratamento pode envolver antibióticos e colírios ou até cirurgia, a depender da gravidade e causa do entupimento.

“Em bebês de até um ano, podemos tentar o tratamento clínico e em muitos casos há resolução. Assim, a partir dessa idade, o tratamento passa na maior parte dos casos a ser cirúrgico e deve ser individualizado”, completa a médica.

Fonte: Dr. Pedro Carricondo, oftalmologista e especialista do Conselho Brasileiro de Oftalmologia.

Dra. Cristiane Okazaki, especialista em plástica ocular do H.Olhos.

Sobre o autor

Fernanda Lima
Fernanda Lima
Jornalista e Subeditora da Vitat. Especialista em saúde