Calcificação das mamas: o que é? Há motivos para se preocupar?

Saúde
14 de Outubro, 2022
Calcificação das mamas: o que é? Há motivos para se preocupar?

Ao receber o resultado de uma mamografia de rotina, é normal ficar assustada se você observar no laudo o termo “calcificação das mamas”, ou algo similar. Mas saiba que é importante não se preocupar antes da hora, pois a condição é benigna na maioria dos casos. “O tecido das mamas está em constante transformação. Com o envelhecimento, a consistência e a textura das mamas se modificam, e nesse processo podem surgir as calcificações”, explica Fernando Pontes, mastologista da clínica Mantelli.

Por mais que boa parte dos cálculos mamários sejam inofensivos à saúde, vale prestar atenção em algumas alterações na mamografia. Saiba mais a seguir!

Veja também: Emagrecer depois dos 50 anos pode diminuir risco de câncer de mama

O que é a calcificação das mamas?

Os cálculos que se desenvolvem no tecido das mamas são nada mais do que pequenos aglomerados de cálcio. Eles possuem tamanhos variados, de microgrânulos a pedrinhas que chegam a medir 2 cm de diâmetro. A princípio, as calcificações podem ser múltiplas e dispersas ao longo do interior das mamas.

Quais os sintomas?

A calcificação tipicamente benigna não desencadeia nenhum desconforto. Além disso, são imperceptíveis ao toque e detectadas somente em um exame de mamografia. Entretanto, se surgirem sintomas como coceira nos seios, alterações na pele das mamas e mamilos, dor ao toque e indisposição, fale com seu médico para investigar o quadro. Afinal, todos são sinais de um possível câncer de mama.

Causas da calcificação de mama

De acordo com Peres, a situação é natural do envelhecimento. Conforme dito pelo especialista, as mamas se alteram com o passar dos anos, e a calcificação pode ser um efeito disso.

Diagnóstico

“A forma mais eficaz de identificar os cálculos nas mamas é por meio da mamografia. Dificilmente o ultrassom ou ressonância magnética conseguem mapear a calcificação. Por isso, é essencial que a mulher faça exames de rotina segundo a recomendação médica”, afirma Peres. “Existem três tipos de diagnóstico: as calcificações tipicamente benignas, que não são nocivas; as suspeitas, que exigem biópsia; e as altamente suspeitas de malignidade, que indicam um câncer de mama”, continua o mastologista.

Tratamento da calcificação das mamas

Irá depender do tipo de cálculo. No caso do tipicamente benigno, não há necessidade de nenhum tratamento. Apenas o acompanhamento periódico, conforme a indicação médica. Mas os quadros suspeitos precisam de mamotomia para confirmar ou descartar um câncer de mama. “Guiada pela mamografia, a mamotomia é um exame laboratorial em que colhemos uma amostra do tecido lesionado ou cálculo para analisar se há células malignas”, ensina Peres.

Se o resultado constar positivo para o câncer de mama, o tratamento inclui a retirada do quadrante mamário afetado ou de toda a mama. Tal decisão está relacionada à gravidade, a fim de evitar a recidiva da doença. Portanto, fale com seu médico sobre a situação e esclareça todas as dúvidas. Além da cirurgia, a quimioterapia e a radioterapia podem integrar os cuidados contra a enfermidade.

Perguntas frequentes

Dá para prevenir a calcificação das mamas?

Por estar ligada ao envelhecimento, não é possível realizar tratamentos ou prever se você irá desenvolver os cálculos. Todavia, é desejável repetir exames de rotina das mamas a cada seis meses — sobretudo a partir dos 50 anos ou até antes, se o médico julgar válido.

Toda calcificação pode ser um risco ou o próprio câncer?

Esta é uma dúvida muito frequente. Mas Peres alega que nem toda calcificação irá se tornar um câncer, embora a maioria dos cânceres de mama comecem com calcificações. “De qualquer forma, reforço que os exames das mamas e o acompanhamento com o mastologista devem fazer parte da rotina da mulher. Assim, frente a um diagnóstico maligno, conseguimos tratar de forma precoce e com recursos menos invasivos”, finaliza.

O autoexame pode detectar a calcificação?

Apesar de ser extremamente útil para notar nódulos anormais nas mamas, apalpá-las não é o suficiente. Afinal, boa parte dos cálculos são pequeninos demais e imperceptíveis ao toque. São poucas mulheres que conseguem notar o corpo estranho de forma “manual”.

Fonte: Fernando Pontes, mastologista e cirurgião oncoplástico de mamas da clínica Mantelli – CRM 134871.


Sobre o autor

Amanda Preto
Jornalista especializada em saúde, bem-estar, movimento e professora de yoga há 10 anos.

Leia também:

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas

corredor abaixado segurando a perna aparentemente com dor
Bem-estar Movimento Saúde

Será que eu estou com canelite? Médico destaca principais sinais

A condição é uma das principais preocupações entre os corredores. Ortopedista explica como identificar os sintomas característicos da canelite