Bronquite asmática (asma): conheça as causas, sintomas e tratamentos

14 de julho, 2022

A bronquite asmática, também chamada de asma brônquica ou apenas asma, é uma doença caracterizada por inflamação crônica e persistente das vias aéreas ou brônquios, que são os canais que levam o ar para dentro dos pulmões.

A Organização Mundial de Saúde avalia que entre 100 a 150 milhões de pessoas no mundo têm asma e este número está aumentando. A doença crônica ocorre em todas as idades e raças, entretanto é mais comum na infância. Por essa razão, é uma das principais causas de ausência na escola.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, felizmente, com a melhor compreensão da doença por parte dos pacientes e a distribuição de medicamentos para quem tem asma grave, vem-se observando uma queda no número de internações e mortes por asma no Brasil. Em uma década, o número de internações caiu 49%. Apesar disso, a disponibilização de tratamento adequado aos asmáticos ainda é restrita em muitos estados do país, sendo que um percentual muito grande da nossa população encontra-se não tratada por completo.

Leia mais: Asma grave: uma doença sem cura que pede cuidados contínuos

Quais são as causas?

De acordo com a Dra. Denise Eri Onodera Vieira, pneumologista, a causa exata da asma ainda não é conhecida, mas acredita-se que sejam fatores genéticos, isto é, história familiar de alergia respiratória, além de fatores ambientais (contato com alérgenos).

Fatores de risco

  Os fatores de risco para as crises de asma são: 

  • Contato/exposição a alérgenos inalatórios: ácaros, fungos, pólens (presentes nas flores, gramas, árvores), pêlos de animais e fumaça do cigarro, por exemplo;
  • Infecções virais;
  • Poluição ambiental;
  • Exposição ao frio.

Os fatores de risco para desenvolvimento da asma são o genético e ambiental, conforme mencionados.

Sintomas da bronquite asmática

  Os sintomas são: 

  • Falta de ar ou dificuldade para respirar
  • Sensação de opressão, aperto no peito
  • Chiado no peito
  • Tosse (com ou sem secreção)

Os sintomas variam durante o dia e também ao longo do tempo, podem piorar à noite ou de madrugada e durante a atividade física e podem melhorar sozinhos ou com uso de medicações.

Diagnóstico 

O diagnóstico da bronquite asmática é feito baseado nos sintomas, histórico familiar, exame físico e exames complementares, sendo a espirometria (ou prova de função pulmonar) o exame mais importante para o diagnóstico.

Tratamento da bronquite asmática

Embora não tenha cura, existem tratamentos que melhoram muito os sintomas da asma e proporcionam o controle e boa qualidade de vida. Dessa forma, o tratamento deve ser individualizado e, geralmente, é baseado em dois tipos de medicações: 

  • Medicação de manutenção: usada com o objetivo de prevenir os sintomas, evitar as crises de asma e, assim, reduzir a inflamação dos brônquios e manter o controle da doença.
  • Medicação de alívio: usada para aliviar os sintomas da asma durante a crise, como é o caso da bombinha.

Por fim, embora não seja possível prevenir a asma, é possível evitar o contato com alérgenos ambientais, reduzindo a probabilidade de ter asma no futuro.

Fonte: Dra. Denise Eri Onodera Vieira, pneumologista do Hospital Dia Campo Limpo e AMA Especialidades Capão Redondo, gerenciados pelo CEJAM – Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim”.

Referências: Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia e Associação Brasileira de Asmáticos

Sobre o autor

Fernanda Lima
Jornalista e Subeditora da Vitat. Especialista em saúde