Bomba de insulina: como funciona e quando é indicada

Saúde
28 de Março, 2022
Bomba de insulina: como funciona e quando é indicada

A bomba de insulina é um aparelho bastante utilizado por algumas pessoas portadoras de diabetes. De aplicação subcutânea, o dispositivo libera a insulina de ação rápida de forma contínua, em doses que podem ser variadas durante o dia, dependendo da necessidade de cada indivíduo.

Além disso, pode ser acoplada a sensores de glicemia intersticial (CGM) e certos modelos possuem recursos adicionais mais sofisticados. Por exemplo, suspensão automática da infusão de insulina quando o paciente tiver tendência ou apresentar hipoglicemia e até funcionar como um pâncreas artificial híbrido.  

Priscilla Cukier, médica endocrinologista assistente do Hospital Santa Catarina, explica a seguir quando a bomba de insulina é indicada, suas funções e outras informações essenciais sobre o equipamento.

Veja também: Diabetes: O que é, tipos, sintomas, tratamento e mais

Em quais casos a bomba de insulina é indicada?

A bomba de insulina pode ser utilizada por pessoas portadoras de diabetes que fazem insulinoterapia basal-bolus. Por outro lado, o equipamento é mais indicado quando as terapias com insulina em seringas e canetas não estão proporcionado o controle de forma confiável. De acordo com Cukier, Cukier o bom aproveitamento da bomba de insulina depende da boa adesão ao tratamento da diabetes, como monitoramento adequado da glicemia e contagem precisa de carboidratos. Veja outros casos em que a bomba é recomendada.

  • Pacientes que usam doses muito baixas de insulina diariamente.
  • Pessoas que precisam de quantidades muito variadas de insulina basal ao longo do dia.
  • Episódios frequentes de hipoglicemia, mesmo com ajuste na dose de insulina.
  • Rotina atribulada e indefinida que atrapalha a aplicação de múltiplas doses de insulina.

Como funciona 

A bomba é conectada ao indivíduo por meio de cateter, peça que faz a passagem da insulina para o sangue. A princípio, a bomba funciona com doses de programação personalizadas. Por exemplo, quando o indivíduo está fazendo uma refeição, é feita a infusão de bolus. Ou seja, são liberadas quantidades maiores de insulina na circulação sanguínea em momentos de maior necessidade.

Quais são os riscos para a saúde? 

Se estiver funcionando perfeitamente, não há riscos para a saúde — mas como todo aparelho eletrônico, é possível que a bomba quebre ou acabe a bateria. Também pode ocorrer alguma disfunção na infusão, como bolhas de ar, desconexão da cânula ou cânula dobrada. Tais defeitos podem causar a descompensação da glicemia se não forem percebidos rapidamente.

Onde comprar a bomba de insulina? 

No Brasil, apenas as empresas Medtronic e Roche comercializam o aparelho, cuja recomendação é feita pelo médico de acordo com cada pessoa. O aparelho da Medtronic, por exemplo, consegue monitorar e calcular as necessidades de insulina de acordo com a base de dados de glicose do sensor. A tecnologia também faz modificações precisas de insulina de ação rápida para impedir altos e baixos na rotina do paciente. Outro ponto positivo é que ela corrige automaticamente as hiperglicemias a cada cinco minutos. 

Para quem tem dúvidas sobre o funcionamento da bomba de insulina, a Roche oferece um curso gratuito para os pacientes. O material ensina quais são as principais funções da ferramenta, como fazer a programação e os tipos de doses, além de outras informações relevantes. Todo o conteúdo está disponível no youtube

O SUS oferece o equipamento?

Apesar de ser um equipamento facilitador, o SUS ainda não oferece o recurso. Mas um projeto em andamento no Senado pode mudar isso. O PL 12/2022 tem como autora a senadora Rose de Freitas (MDB-ES), que acredita que a tecnologia ajuda a controlar a glicemia, trazendo mais conforto para pessoas portadoras de diabetes.

Fonte: Priscilla Cukier, médica endocrinologista assistente do Hospital Santa Catarina, em São Paulo (SP).

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

profissional de saúde segurando um DIU no pós-parto
Gravidez e maternidade Saúde

DIU no pós-parto: como funciona, quando colocar e cuidados

Com alta eficácia, o DIU no pós-parto oferece uma solução prática para o planejamento familiar após uma gestação.

Como manter a saúde digestiva no inverno?
Saúde

Como manter a saúde digestiva no inverno? 7 dicas para os meses mais frios

Confira sugestões compartilhadas por gastrocirurgião e nutricionista de como garantir o bom funcionamento do aparelho digestivo nos meses mais frios do ano

Silvio Santos e H1N1
Saúde

Silvio Santos é internado com H1N1. Como prevenir?

O apresentador de 93 anos, está internado com H1N1, uma mutação do vírus da gripe. Entenda mais sobre a doença.