Balanite e balanopostite: inflamações no pênis precisam de cuidados

Saúde
29 de Junho, 2022
Balanite e balanopostite: inflamações no pênis precisam de cuidados

Muitos homens sofrem com inflamações no pênis por diversos motivos. A balanite e balanopostite são duas condições que mais acometem o público masculino e “caminham” juntas. Para evitá-las, é importante prezar a higiene íntima e proteger a vida sexual. Veja que são essas inflamações, causas e por que pode ser perigoso negligenciá-las.

Veja também: Afinal, diabetes provoca disfunção sexual? Entenda

Diferenças entre balanite e balanopostite

De acordo com o médico urologista Adriano Cardoso Pinto, do Hospital São Camilo (SP), ambas as doenças afetam o pênis do homem. A balanite é a inflamação da glande, pele que recobre o prepúcio. Por sua vez, a balanopostite prejudica não apenas a glande, mas também o prepúcio. “Essas doenças são prevalentes no Brasil, principalmente nas regiões Norte e Nordeste. No entanto, quando não são devidamente tratadas, o quadro pode progredir para um câncer de pênis, cujo agravante é a infecção pelo HPV. Por isso, é importante se conscientizar sobre as formas de higiene, que podem evitar muitos casos”, afirma o especialista. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer de pênis é raro, e normalmente atinge 2% da população masculina no país, sobretudo homens com 50 anos ou mais. Mas a estatística não é regra e a população mais jovem pode ser vítima do problema.

Causas

Adriano explica que as principais responsáveis pela balanite e balanopostite são as infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) contraídas por meio do sexo sem proteção. “Todavia, a origem também pode ser alérgica, como sensibilidade ao látex da camisinha, doenças autoimunes e quadros reativos de outras doenças. Outra causas são a contaminação por fungos, como a candida albicans, que provoca a candidíase, fimose e diabetes”, explica o médico.

Sintomas da balanite e balanopostite

Tanto as inflamações da glande quanto do prepúcio são desconfortáveis. Ou seja, podem provocar:

  • Dor, ardência ao urinar, e irritação.
  • Lesões e descamação da pele irritada.
  • Coceira e inchaço da cabeça do pênis, que pode levar ao estreitamento do canal urinário.
  • Secreção de pus e mau cheiro.

Diagnóstico

A consulta com o urologista é útil para avaliar os sintomas, histórico de infecções (se houve algum episódio anterior, por exemplo) e o estilo de vida, que leva em conta as atividades sexuais, se faz sexo com preservativo e se há enfermidades como o diabetes. Em conjunto, o médico solicita exames laboratoriais para detectar ISTs, vírus, fungos, bactérias e alergias. Dessa forma, os resultados ajudam no fechamento do diagnóstico. Em casos de suspeita de câncer, a biópsia entra na lista de verificação do paciente.

Tratamento para balanite e balanopostite

Feito o diagnóstico, o tratamento será adequado para a causa das inflamações íntimas. A seguir, o urologista Adriano Cardoso enumera possíveis alternativas para alguns agentes da balanite e da balanopostite. Vale ressaltar que todas as situações exigem o uso de preservativo. “Dessa forma, evita-se a contaminação de outras pessoas e a possibilidade de contrair uma nova infecção”, complementa.

ISTs

Se o problema estiver relacionado a infecções sexualmente transmissíveis, o homem não deverá só tratá-las, mas avisar às companhias íntimas sobre a enfermidade para o tratamento conjunto. Doenças como gonorreia, sífilis e HIV possuem linhas de cuidado específicas. Portanto, consulte o médico para receber as orientações para seu caso.

Fungos e bactérias

Em geral, antifúngicos e antibióticos em forma de comprimido ou pomada são o tratamento mais comum para esses fatores.

Fimose

A fimose é o excesso de pele que deixa o prepúcio estreito. Em outras palavras, o homem não consegue expor toda a glande e realizar a higienização eficaz. Como resultado, o acúmulo de resíduos associado à umidade geram o ambiente favorável à proliferação de vírus, bactérias e fungos. “A princípio, a circuncisão é a melhor forma de corrigir a fimose e melhora a limpeza da área íntima”, esclarece Adriano.

Alergias e atrito

Se o homem tiver problemas com o látex, por exemplo, precisa recorrer a preservativos que não contenham o material. Atualmente, há muitas opções que substituem o látex e garantem o mesmo nível de proteção e conforto durante a relação sexual. Quando a condição está ligada ao atrito, utilizar lubrificantes durante o ato sexual pode reduzir a incidência de lesões.

Diabetes e outras doenças

Os portadores de diabetes são muito mais vulneráveis a novos episódios inflamatórios. Assim, controlar a glicemia, a alimentação e utilizar os medicamentos de forma contínua previnem a balanite e a balanopostite de repetição. A recomendação vale para as demais enfermidades, que necessitam de acompanhamento para o controle das inflamações.

Balanite e balanopostite: dá para prevenir?

Segundo Adriano, a boa higiene aliada à proteção sexual são práticas que lideram a prevenção das duas doenças. “Outro aviso é que o pênis precisa se manter seco. O gotejamento de urina depois de ir ao banheiro umedece a região e aumenta as chances de infecções. Então, antes de urinar, precisa puxar a glande, expor o prepúcio e urinar. Logo depois, finaliza o processo secando bem o prepúcio para recolher o pênis”, ensina o urologista. Por fim, faça visitas regulares ao urologista e clínico geral para monitoramento periódico da saúde, mesmo sem sintomas ou desconfortos.

Fonte: Adriano Cardoso Pinto, médico urologista do Hospital São Camilo, em São Paulo (SP).

Sobre o autor

Amanda Preto
Jornalista especializada em saúde, bem-estar, movimento e professora de yoga há 10 anos.

Leia também:

profissional de saúde segurando um DIU no pós-parto
Gravidez e maternidade Saúde

DIU no pós-parto: como funciona, quando colocar e cuidados

Com alta eficácia, o DIU no pós-parto oferece uma solução prática para o planejamento familiar após uma gestação.

Como manter a saúde digestiva no inverno?
Saúde

Como manter a saúde digestiva no inverno? 7 dicas para os meses mais frios

Confira sugestões compartilhadas por gastrocirurgião e nutricionista de como garantir o bom funcionamento do aparelho digestivo nos meses mais frios do ano

Silvio Santos e H1N1
Saúde

Silvio Santos é internado com H1N1. Como prevenir?

O apresentador de 93 anos, está internado com H1N1, uma mutação do vírus da gripe. Entenda mais sobre a doença.