Mães em tratamento de câncer de mama podem amamentar? Especialista explica

Gravidez e maternidade Saúde
02 de Outubro, 2023
Mães em tratamento de câncer de mama podem amamentar? Especialista explica

Outubro é o mês de conscientização sobre o câncer de mama, tipo que mais acomete mulheres em todo o mundo. Embora não seja tão comum, a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama) afirma que 3% dos diagnósticos acontecem durante a gravidez. Com base nesse dado, a dúvida que surge é: como fica a amamentação durante o tratamento de câncer? Confira a seguir. 

Veja também: Alimentação saudável contribui com o tratamento contra o câncer

Amamentação durante o tratamento de câncer de mama é indicada?

De acordo com a Dra. Gabriella Maria Ramos Ávila, pediatra do Grupo Prontobaby, pacientes oncológicas que estejam realizando sessões de quimioterapia ou radioterapia não são aconselhadas a amamentar durante esse período, por conta do risco da medicação passar pelo leite e intoxicar o bebê.

Em tratamentos quimioterápicos e hormonioterápicos, a pediatra orienta que a medicação leva um tempo para ser metabolizada pelo organismo para que então, o aleitamento seja seguro para o bebê.

“Depois do término da quimioterapia, o ideal é esperar de 60 a 90 dias, dependendo da droga utilizada. Mas, em geral, após a quimioterapia, a maioria das pacientes precisa dar continuidade com a hormonioterapia, que também impede a amamentação”, explica a médica Gabriella Maria Ramos Ávila. 

Fase de segmento

Quanto aos riscos de conter algum resíduo de remédio no leite, é importante destacar que mulheres já tratadas e em em fase de acompanhamento e monitoramento podem fazer o aleitamento sem risco, pois não há mais substâncias prejudiciais ao bebê.

“Pacientes que retiraram uma das mamas e têm a outra sem alteração também podem amamentar. Já em mulheres que fizeram a retirada parcial do seio, pode depender do tipo de cirurgia realizada e como a doença se manifestou. Se os dutos que levam o leite até o mamilo não tiverem sofrido alteração, ela pode ocorrer naturalmente”, explica a pediatra.

Dessa forma, a amamentação aumenta a imunidade infantil por causa de anticorpos que evitam infecções virais e bacterianas, como diarreias e infecção de vias aéreas superiores. A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a OMS preconizam o aleitamento materno exclusivo até os seis meses de vida. Além disso, o leite materno deve continuar como uma opção mesmo após a introdução dos alimentos sólidos, até os dois anos.

Alimentação do bebê: fórmula entra como uma opção 

No caso de tratamento de câncer durante a amamentação, a médica indica: “Como opção, o lactente pode receber fórmulas infantis adequadas a menores de seis meses ou um ano, a depender da faixa etária. Portanto, a mulher pode ainda recorrer ao banco de leite na tentativa de alimentar o bebê com leite humano”, sugere Gabriella.

Essa forma de alimentar o bebê é muito comum em casos em que a mãe apresenta condições que impossibilitem o recebimento do leite materno. Algumas delas são: HIV+, baixa produção de leite e outras doenças graves, como galactosemia.

Por fim, quando o aleitamento materno é inviável, é importante diferenciar a fórmula infantil dos compostos lácteos:

“Crianças menores de 1 ano não devem consumir compostos lácteos. Já as fórmulas infantis, consideradas de partida, cadastradas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), se destinam à alimentação de lactentes sob prescrição do profissional de saúde. Classificadas por números, de acordo com a idade prescrita pelo médico que acompanha a criança”, explica a pediatra Marina Noia, do grupo Pronto Baby.

Afinal, como escolher a melhor fórmula infantil?

Existem inúmeras opções no mercado, o que pode dificultar a escolha assertiva para as necessidades dos pequenos. Mas, antes de se preocupar com a formulação ideal, você deve consultar o médico pediatra e/ou nutricionista para avaliar o cenário de cada criança.

Fonte:

  • Dra. Gabriella Maria Ramos Ávila, pediatra do Grupo Prontobaby.
  • Dra. Marina Noia, pediatra do Grupo Prontobaby.

Sobre o autor

Tayna Farias
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em gravidez e maternidade

Leia também:

Por quanto tempo devo tomar vitamina C
Alimentação Bem-estar Saúde

Por quanto tempo devo tomar vitamina C?

Aliada a imunidade e a beleza, a vitamina C está ligada a uma série de benefícios para a saúde. Veja recomendações sobre o consumo prolongado

montagem com as fotos de Wagner
Saúde

Ele já fez mais de 100 doações de sangue e plaquetas: “dar um pouco da minha saúde para quem precisa”

Conheça a história de Wagner Hirata, que tem as doações de sangue e plaquetas como um de seus propósitos de vida

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte