Alergia a gato e a cachorro: Principais sintomas e tratamentos

22 de dezembro, 2021

Os animais de estimação trazem muitos benefícios à nossa saúde. Além de animar a casa, eles são grandes companheiros e ajudam no combate à depressão. Mas pessoas que sofrem de rinite ou asma costumam ter alergia a gato e a cahorro, e é preciso fazer alguns ajustes na rotina para evitar crises mais graves.

Os sintomas surgem através da inalação de agentes alérgenos (pelos, pele descamada e até resíduos ou ácaros depositados na superfície do pet, por exemplo). Ou, então, por meio do contato direto com a saliva.

É só brincar, rolar no chão ou dormir na mesma cama que a reação aparece. A má notícia é que a reação alérgica não tem cura, contudo, a boa é que ninguém precisa se desfazer do melhor amigo. Basta, portanto, iniciar um tratamento com alergologista e ajustar a rotina de forma harmônica.

Leia também: Vidro fosco: entenda a condição que atingiu o cantor Zé Neto

Principais sintomas de alergia a gato ou a cachorro

  • Espirros constantes;
  • Coriza;
  • Dificuldade para respirar ou falta de ar;
  • Tosse seca;
  • Garganta seca;
  • Coceira no nariz e olhos;
  • Olhos vermelhos ou lacrimejando;
  • Coceira ou alterações na pele;
  • Espirros constantes;
  • Crise de asma.

Tratamento e melhora

O médico especialista costuma sugerir o uso de anti-histamínico, ou corticoides inalatórios, para amenizar o incômodo da coceira e a dificuldade em respirar. Assim, como a alergia não tem cura, também é importante fazer adaptações na convivência para evitar a inalação ou o contato direto com os agentes.

O teste para confirmar a reação alérgica deve ser feito no antebraço, por meio da aplicação de algumas substâncias, ou nas costas. Só assim, o médico consegue avaliar a intensidade ou a gravidade do problema. Confira hábitos que ajudam a aliviar os incômodos:

  • Não colocar o rosto próximo ao animal;
  • Evitar levar a mão à boca ou ao nariz depois de tocar o pet;
  • Além disso, lavar as mãos após contato direto com o bichano;
  • Dar banho e tosar o pet sempre que possível;
  • Criar regras em casa para que o cachorro/gato não suba na cama ou no sofá, e nem durma nas almofadas;
  • Por fim, manter a casa limpa e aspirada.

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.