Adenomiose uterina: O que é, sintomas e tratamento

Saúde
05 de Abril, 2022
Adenomiose uterina: O que é, sintomas e tratamento

A adenomiose uterina é uma alteração que ocorre dentro da cavidade do útero, na transição do endométrio para o miométrio. A doença atinge cerca de 150 mil mulheres por ano e pode ser caracterizada como o crescimento da camada do endométrio (tecido que reveste o útero), de forma anormal na musculatura uterina. Apesar de não tão frequente, a adenomiose atrapalha a qualidade de vida da mulher, podendo até impactar na fertilidade. Por isso, saiba mais:

O que causa a adenomiose uterina?

“A verdade é que ainda pouco se sabe sobre por que a adenomiose acontece. O que sabemos, contudo, é que a doença está relacionada a algumas alterações enzimáticas e também a cirurgias no útero, como as intrauterinas e as cesáreas”, explica o ginecologista e obstetra Rodrigo Ferrarese.

De acordo com o Dr. Thiers Soares, especialista em endometriose, adenomiose e miomas, a causa da adenomiose pode ser caracterizada por diversos fatores, como traumas uterinos – causados por cesáreas e/ou curetagens em casos de aborto espontâneo, por exemplo. Ainda, outra possibilidade é em mulheres que menstruaram antes dos 10 anos, ou seja, muito jovens. A multiparidade, ou seja, ter mais de duas gestações, também pode ser um fator de risco para o desenvolvimento da doença.

É sabido que a condição tende a acometer pacientes entre 40 e 50 anos de idade. Mas também pode atingir mulheres mais novas (e, nesses casos, costuma ser mais forte).

Leia também: Endometriose: Como a alimentação pode aliviar os sintomas

O que é a adenomiose uterina?

A adenomiose é uma alteração que ocorre dentro da cavidade do útero. Desse modo, há uma quebra entre o endométrio (camada interna do útero) e o miométrio (camada externa do útero). Ou seja, as células endometriais infiltram o miométrio. Isso pode acontecer em um só local – adenomiose focal – ou, então, em toda a camada externa, causando uma lesão mais extensa – chamada adenomiose difusa.

Toda vez que uma mulher menstrua, essa região (o miométrio) sangra também, o que leva a uma inflamação no útero, resultando em dor e aumento de sangramento.

Quais os principais sintomas?

Os sintomas comuns variam de mulher para mulher. Quando a doença está mais avançada, ela trará mais sintomas. Por outro lado, quando é mais restrita, os sintomas são mais leves. No geral, há:

  • Cólicas intensas no período da menstruação;
  • Menstruação aumentada, inclusive com coágulos;
  • Dor na relação (em algumas pacientes).
  • Dificuldade para engravidar e/ou manter a gravidez

É importante ressaltar, no entanto, que algumas mulheres podem não apresentar qualquer sintoma.

Leia também: Dieta para candidíase: Alimentos que combatem a infecção

Qual é o exame que detecta a adenomiose?

O principal deles é o ultrassom transvaginal. “Com ele, avaliamos a cavidade endometrial e a transição do endométrio para o miométrio. Depois, temos a histerossonografia, que aumenta a especificidade do ultrassom, e a ressonância magnética. E, claro, um exame clínico é fundamental”, explica o especialista.

Para fechar um diagnóstico, é preciso sempre a biópsia confirmando que de fato existe a adenomiose.

Qual o tratamento?

O tratamento é um pouco complexo e pode ser demorado. Podem ser utilizados alguns medicamentos, como tratamentos hormonais ou bloqueios hormonais.  “Logo após o diagnóstico, os remédios tratam os sintomas mais comuns da mulher, como dor e sangramento. Vale ressaltar que a pausa da menstruação com hormônios também pode ajudar na qualidade de vida e estabilizar a evolução do quadro”, aponta Dr. Thiers Soares.

Para o Dr. Rodrigo, o tratamento mais eficaz é a histerectomia, que é a retirada do útero. “Mas, claro, não se trata de uma possibilidade para mulheres que estão pensando em engravidar ou pretendem ser mães. Nesses casos, recomendamos outros tipos de cirurgia, como a videolaparoscopia”, explica.

Quando há o desejo de ser mãe, o Dr. Thiers ressalta que o tratamento cirúrgico deve ser colocado em pauta o mais rápido possível. Claro, que é possível engravidar de forma natural após o procedimento, porém, como afirma o médico, “a cirurgia robótica é a via mais indicada para a ressecção da adenomiose, já que a técnica é muito mais precisa, e tem como finalidade dar mais qualidade de vida à mulher – além de garantir a fertilidade”, finaliza.

Fonte: Rodrigo Ferrarese, ginecologista e obstetra formado pela Universidade São Francisco, em Bragança Paulista; Dr. Thiers Soares, médico do setor de endoscopia ginecológica (Laparoscopia, Robótica e Histeroscopia) do Hospital Universitário Pedro Ernesto (Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ).

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

Ozempic e anticoncepcional
Saúde

Ozempic pode cortar o efeito do anticoncepcional? Médica explica

Nas redes sociais, não faltam relatos sobre o efeito do Ozempic no aumento da fertilidade

Chá de erva baleeira
Alimentação Bem-estar Saúde

Chá de erva baleeira emagrece? Veja benefícios e como fazer

A erva é eficaz em tratamentos de reumatismo, gota, dores musculares e até úlceras; saiba mais

mulher sentada na mesa da cozinha com remédios para gripe na sua frente
Saúde

Queda na temperatura exige cuidados com a saúde. Confira

Neste fim de semana, o frio vai estar presente em diversas capitais. Queda na temperatura pede alguns cuidados com a saúde respiratória