ACTH: o que é, quando fazer o exame e o que significa baixo e alto

21 de junho, 2022

Você já ouviu falar em ACTH? Trata-se da sigla para hormônio adrenocorticotrófico, substância produzida na glândula hipófise, localizada no cérebro. Assim, sua função é estimular a produção de outros hormônios, especialmente o cortisol, associado ao estresse

Acompanhar os níveis de ACTH no organismo é importante em casos de sintomas relacionados ao desequilíbrio na produção de cortisol, seja ele baixo ou alto. A seguir, saiba mais sobre o exame que mede o índice desse hormônio e quais os possíveis impactos dos resultados na saúde.

Exame de ACTH: quando fazer

O médico vai pedir ao paciente o exame de ACTH se notar possíveis indícios de desequilíbrio hormonal, especialmente referente ao cortisol. “O ACTH, em conjunto com o cortisol, é útil na avaliação dos problemas da glândula adrenal e da hipófise. Ou seja, pode esclarecer as causas das alterações na produção de cortisol”, aponta o endocrinologista Odilon Denardin, consultor médico do Labi Exames.

Assim, para verificar o nível de ACTH, será necessária uma amostra de sangue, colhida de uma veia no braço, como em um hemograma tradicional. “Mas, o sangue deve ser colhido preferencialmente de manhã”, lembra Thais Mussi, endocrinologista e metabologista. E no momento da coleta, também é importante citar caso use algum medicamento, pois certos tipos podem interferir no resultado.

Resultados

“A dosagem de ACTH, em conjunto com o cortisol, consegue esclarecer se o problema é na glândula adrenal [que produz o cortisol] ou na hipófise. Desse modo, ACTH alto com cortisol baixo e ACTH baixo com cortisol alto indicam problemas primários na adrenal. ACTH baixo com cortisol baixo e ACTH alto com cortisol alto indicam que as alterações são na hipófise”, explica Odilon.

Além disso, o médico coloca que se houver produção exagerada de cortisol e bloqueio no ACTH, o paciente pode sofrer com sintomas como obesidade no tronco, pele mais fina, estrias, intolerância à glicose, predisposição a infecções e hipertensão. Já na situação contrária, os sintomas vão de perda de peso e apetite, fraqueza, náuseas e vômitos e hipotensão.

Leia também: O que não fazer antes e depois do exame de sangue

Por que fazer?

“Esse exame é importantíssimo para conseguirmos o diagnóstico de doenças das glândulas suprarrenais e hipófise, como é o caso da doença de de Cushing, por exemplo”, aponta Thais.

Odilon completa que uma vez que o ACTH é determinante na produção de cortisol, a sua dosagem auxilia no esclarecimento dos problemas da glândula adrenal e da hipófise. “Na doença de Cushing existe uma produção excessiva de cortisol causada por um tumor benigno (adenoma) produtor do hormônio. Assim, a produção hormonal autônoma da adrenal é uma das principais causas da síndrome de Cushing – conjunto de sinais e sintomas devido ao excesso de cortisol”, coloca. “As doenças com baixa produção de cortisol (doença de Addison e hipopituitarismo) também necessitam da dosagem para o seu esclarecimento.”

Fontes: Dr. Odilon Denardin, endocrinologista e consultor médico do Labi Exames

Dra. Thais Mussi, endocrinologista e metabologista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM)

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.