34 semanas de gestação: como está o bebê nessa fase

Gravidez e maternidade Saúde
18 de Outubro, 2023
34 semanas de gestação: como está o bebê nessa fase

Por si só, a gestação já é um momento de mudanças e transformações. Mas, especialmente na reta final, novos sintomas começam a surgir, marcando o final do desenvolvimento do bebê. Com aproximadamente 2,5kgs, agora ele tem o tamanho de um melão e já está quase pronto para vir ao mundo! A seguir, saiba como está o desenvolvimento do seu bebê nas 34 semanas de gestação. 

Veja também: Guia de boas-vindas ao recém-nascido: da maternidade até os 28 dias

34 semanas de gestação: Como está o crescimento do bebê 

32 semanas de gestação

Segundo o médico ginecologista e obstetra Dr. Leonardo Valladão, com 34 semanas o bebê já apresenta um marco de desenvolvimento importante. “Nesse estágio, o bebê já tem todas as funções fisiológicas desenvolvidas, incluindo o movimento respiratório espontâneo e reflexo de sucção”, explica.

Na prática, isso significa que a maturidade fetal permite que o bebê tenha uma chance maior de sobrevida extrauterina (vida fora do útero) de maneira autônoma, já que boa parte do seu desenvolvimento já está concluída.

Além disso, nesse momento o feto também começa a assumir a posição cefálica — com a cabeça em direção ao canal vaginal — , o que pode causar desconforto à mãe, como observa o médico: “A mulher pode experimentar mais dores pélvicas na região da virilha e dores no baixo ventre devido à mudança de posição do bebê.”

Possíveis riscos 

Ainda que o bebê tenha boas chances de vida se nascer antes do previsto, vale ressaltar que, com 34 semanas, ainda faltam alguns detalhes para completar o processo. 

“Faltam apenas o desenvolvimento final de alguns órgãos, entre eles o pulmão”, acrescenta o Dr. Valladão. Isso significa que o bebê pode ter alguma dificuldade na expansão pulmonar, pois a função do órgão ainda não está completamente desenvolvida e pode necessitar de apoio de oxigênio após o nascimento. Além disso, o bebê ainda não produz a substância pulmonar chamada surfactante, uma lipoproteína essencial para a expansão pulmonar adequada que pode ser recomendada por um pediatra nos primeiros dias de vida.

Mudanças no corpo da mãe 

Como o bebê já está às vésperas do nascimento, é comum que a mãe comece a se sentir mais agitada, ansiosa e preocupada, especialmente se o parto for normal. Esses fatores podem, consecutivamente, interferir na qualidade do sono e na saúde mental como um todo, mas os sintomas tendem a ser provisórios.

Assim, à medida que a gestação avança, o corpo da mãe passa por diversas mudanças notáveis. Com 34 semanas, a barriga está consideravelmente maior devido ao desenvolvimento do bebê e aumento do líquido amniótico. Além disso, como já mencionamos, a posição pélvica do bebê pode causar dores pélvicas, desconforto na virilha e sensação de ‘barriga baixa’.

Outras mudanças comuns incluem:

  • Inchaço das pernas e dos pés, principalmente no final do dia.
  • Aumento do umbigo, que pode ser notado mesmo através das roupas.
  • Falta de ar frequente devido à pressão do útero sobre os pulmões.
  • Surgimento da linha escura que vai do umbigo à região íntima, causada por alterações hormonais.
  • Cólicas frequentes, que são uma espécie de treino para o trabalho de parto.

Sinais de alerta

Nessa fase, é fundamental acompanhar as condições pré-existentes da mulher, como a diabetes gestacional e a pré-eclâmpsia. “Ambas as condições devem ser monitoradas durante o pré-natal para evitar complicações.”

Além disso, existem sinais que podem indicar problemas durante a gestação. Os principais sinais de alerta incluem sangramentos, dores frequentes que podem indicar o início do trabalho de parto ou a perda de líquido amniótico. Em qualquer uma dessas situações, é essencial buscar atendimento médico imediatamente para garantir a vitalidade do bebê e a saúde da mãe.

Veja também: Leite materno ou fórmula infantil: quais são as diferenças e como escolher?

Dicas de ouro para a reta final da gestação 

Com 34 semanas, a expectativa pelo nascimento do bebê cresce, e a mãe se prepara para os desafios da reta final da gravidez. Aqui estão algumas dicas valiosas para vivenciar essa fase com saúde:

  • Alimentação: o médico ressalta a importância da alimentação nessa fase. “As gestantes devem ter cuidado com o consumo excessivo de carboidratos, pois isso pode levar a um ganho de peso rápido e excessivo”, alerta o Dr. Valladão. “É recomendado um prato colorido com diversas leguminosas, como alface e espinafre, que são ricos em nutrientes essenciais.”
  • Atividade física: Mesmo com os incômodos físicos da reta final, ainda não é o momento de pausar os treinos. Para o Dr. Valladão, a mulher deve continuar a se exercitar 4 vezes por semana (se não houver contraindicação médica) com atividades como pilates, natação ou musculação para evitar ganhos de peso excessivos e proporcionar mais conforto durante essa fase da gestação.

Por fim, mantenha-se bem hidratada, ingerindo cerca de 2 litros de água por dia e evite roupas apertadas que causem desconforto devido ao inchaço.

Perguntas frequentes

34 semanas de gestação são quantos meses? 

Com 34 semanas, a gestante está no final do 8º mês de gestação. Uma gestação completa tem em média 280 dias ou 40 semanas, o que significa que restam aproximadamente 40 – 42 dias até o nascimento. Mas vale lembrar que cada bebê tem o seu tempo próprio que pode sinalizar o nascimento antes ou depois desse prazo com relação ao parto normal.

O bebê pode nascer com 34 semanas de gestação?

Sim, o bebê pode nascer com 34 semanas de gestação. Pela sua maturidade, o bebê tem mais chances de sobreviver fora do útero. No entanto, dependendo da condição clínica, os bebês podem precisar de cuidados médicos adicionais devido ao desenvolvimento ainda incompleto.

Como dormir com 34 semanas de gestação? 

Devido ao tamanho e peso da barriga, dormir pode ser desafiador nesta fase. A posição recomendada para dormir é de lado, seja do lado esquerdo ou direito, de acordo com a preferência da gestante. É importante manter uma boa higiene do sono e praticar atividades físicas durante o dia para promover noites mais confortáveis.

Fonte:

Sobre o autor

Tayna Farias
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em gravidez e maternidade

Leia também:

montagem com as fotos de Wagner
Saúde

Ele já fez mais de 100 doações de sangue e plaquetas: “dar um pouco da minha saúde para quem precisa”

Conheça a história de Wagner Hirata, que tem as doações de sangue e plaquetas como um de seus propósitos de vida

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte

Reynaldo Gianecchini
Saúde

Reynaldo Gianecchini revela diagnóstico de doença autoimune

A síndrome de Guillain Barré causa fraqueza e dificuldades para mover os braços e as pernas