Vacinação em queda amplia risco da volta de doenças erradicadas

Saúde
05 de Julho, 2022
Vacinação em queda amplia risco da volta de doenças erradicadas

O esforço de quase 50 anos para ampliar a cobertura vacinal no Brasil e erradicar doenças vem enfrentando grande resistência. Depois de décadas atingindo coberturas de quase 100% de vacinação, nos últimos dez anos essa taxa vem caindo de forma preocupante. A vacinação em queda reacende o risco de surtos de doenças que não eram registradas há anos, como ocorreu com o sarampo, e de outras mais comuns mas que não precisariam ameaçar a vida de crianças, como meningite.

Não à toa, a Organização Panamericana da Saúde/ Organização Mundial da Saúde (Opas/OMS) lançaram no último dia 29 a campanha “Vacina Mais”. Em parceria com conselhos estaduais e municipais de saúde, é uma forma de incentivar a vacinação e tentar reverter essa queda. O objetivo é combater as notícias falsas e reforçar, assim, a segurança e eficácia das vacinas.

Vacinação em queda: Consequências

Isso porque para permanecer com as doenças sob controle é preciso manter uma taxa de vacinação muito alta, às vezes de mais de 95% da população, para que haja pouquíssimos indivíduos suscetíveis. Para se ter uma ideia da queda, a cobertura do sarampo caiu de 100% em 2014 para 79% em 2020. Isso é considerado muito baixo pelos especialistas. Tanto que logo após conseguirmos o certificado de erradicação da doença, em 2016, registramos mais de dez mil casos em 2018. Tal quadro levou à perda do certificado no ano seguinte. Em 2021, foram mais de dois mil doentes e duas mortes.

O sarampo é, sobretudo, uma infecção viral extremamente contagiosa – estima-se que uma pessoa contaminada espalhe a doença para pelo menos 18 a 20 pessoas. Além disso, entre elas pode haver gente com mais risco de complicações e mortes que nem sequer podem receber a vacina, como os bebês pequenos.

A situação da cobertura da pólio é ainda pior: no ano passado não chegou a 70%. Como esse vírus circula em outros países, pode ser questão de tempo para um novo caso aparecer por aqui. Depois do último registro da doença em 1989, por exemplo, ninguém imaginaria voltar a ver uma criança em cadeira de rodas ou num “pulmão de aço” por conta desse vírus.

Leia também: Vacinação para pessoas com diabetes: entenda a importância

Vítimas do sucesso

De certa forma, as vacinas estão sendo vítimas do próprio sucesso. “Desde que implementou-se , em 1973, o programa nacional de imunização é um dos melhores do mundo, é uma das ilhas de excelência do SUS”, enfatiza o infectologista Alfredo Elias Gilio, coordenador da Clínica de Imunizações do Hospital Israelita Albert Einstein. Por ano, disponibiliza mais de 300 milhões de vacinas contra mais de 30 doenças.

Em quase cinco décadas, o programa foi atualizado e ampliado, além de contar com várias campanhas, o que nos deixou em situação confortável em relação a várias moléstias infecciosas. Tão confortável que as pessoas passaram a negligenciar doenças que não chegaram a conhecer. “A principal razão da queda da vacinação é a não percepção da gravidade da doença”, diz Gilio. “Os adultos de hoje não conviveram com essas doenças, não viram mortes por sarampo, por exemplo. Subestimam esse risco.”

E isso leva a outro problema: muitos acabam superestimando a chance de efeitos adversos das vacinas que, vale lembrar, são raríssimos e muito mais fáceis de controlar do que as consequências de uma doença potencialmente grave e fatal. “Recentemente também vemos o crescimento dos movimentos antivacinas, que foram tomados pela politização”, observa o especialista.

Além disso, em determinados locais, há problemas de logística e de acesso a postos de saúde, seja por distância, horários, entre outros, e falta de capacitação de alguns profissionais que, às vezes, não dão a orientação mais correta.

Por fim, o resultado é que, com essa soma de fatores, a dose não chega ao braço de quem precisa – normalmente crianças que nem imaginam poder enfrentar doenças que eram uma triste realidade no tempo dos avós, meio século atrás.

Fonte: Agência Einstein

Leia também:

montagem com as fotos de Wagner
Saúde

Ele já fez mais de 100 doações de sangue e plaquetas: “dar um pouco da minha saúde para quem precisa”

Conheça a história de Wagner Hirata, que tem as doações de sangue e plaquetas como um de seus propósitos de vida

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte

Reynaldo Gianecchini
Saúde

Reynaldo Gianecchini revela diagnóstico de doença autoimune

A síndrome de Guillain Barré causa fraqueza e dificuldades para mover os braços e as pernas