Trombectomia mecânica: o que é, para que serve e riscos

Saúde
18 de Novembro, 2022
Trombectomia mecânica: o que é, para que serve e riscos

Trombectomia mecânica é um procedimento endovascular (feito por dentro dos vasos sanguíneos) para desobstruir artérias. Trata-se de um método recente, realizado de maneira experimental até 2015. Desde então, seus benefícios foram cientificamente comprovados.

“O procedimento depende de equipe e equipamento especializados e, por enquanto, só está presente em grandes centros urbanos. Não é comum, porém é necessário”, diz Feres Chaddad, chefe da Neurocirurgia da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo. A seguir, saiba mais sobre a trombectomia mecânica.

Para que serve

O objetivo do procedimento é diminuir ou acabar com as sequelas causadas pelo dano cerebral do AVC isquêmico. Este tipo de acidente vascular cerebral ocorre por uma obstrução na artéria, de forma que o sangue deixa de chegar em parte do cérebro. Com isso, as células vão morrendo aos poucos, o cérebro vai perdendo suas funções e a pessoa perde as funções do corpo, como o movimento de um dos lados ou capacidade de falar, por exemplo. 

A trombectomia mecânica desentope o vaso e faz com que o sangue chegue ao cérebro novamente, cessando esse processo de lesão cerebral e perda de função. Dependendo da demora para realizar o procedimento, o paciente pode ter mais ou menos sequelas causadas pelo AVC.  

Há riscos na trombectomia mecânica?

Em pequena parte dos casos, a trombectomia mecânica pode, sim, causar alguma lesão adicional. Porém, isso seria uma exceção. Em geral, o procedimento traz mais benefícios do que riscos.

Mas, há contraindicações. Por exemplo, a trombectomia não pode ser usada em casos de AVC que não são causados por uma obstrução de artéria (como o AVC hemorrágico, por exemplo), ou quando a obstrução estiver em vasos muito finos.

Mas, mesmo em casos de AVCs isquêmicos, a possibilidade do procedimento deve ser muito bem avaliada. “A ideia é restabelecer o fluxo sanguíneo em tempo hábil para que o cérebro sofra o mínimo possível. Se o cérebro já está lesado porque a obstrução já está presente há algum tempo, o procedimento não terá mais benefícios”, pondera o médico.

Como é feito?

Primeiramente, introduz-se um catéter na artéria femoral, que está na virilha. Em seguida, ele vai até as artérias cerebrais, onde “pega” o coágulo que está obstruindo o vaso e o puxa de volta, liberando novamente o fluxo sanguíneo. O procedimento pode ser feito com anestesia local ou geral. A recuperação depende da gravidade do AVC. Se o cérebro estiver com pouca ou nenhuma lesão, o paciente pode voltar a andar no dia seguinte.

Para a realização da trombectomia, além do exame clínico, é preciso um estudo de vasos, geralmente uma angiotomografia que mostre uma obstrução na parte mais proximal de algum grande vaso arterial do cérebro.

Fonte: Dr. Feres Chaddad, professor e chefe da disciplina de Neurocirurgia da Unifesp e Chefe da Neurocirurgia da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

foto de uma caderneta de vacinação com uma seringa
Saúde

Caderneta de vacinação em dia ajuda a evitar surtos de doenças

Especialistas alertam que a vacinação é um pacto de saúde coletivo

Chá de folha de mamão e dengue
Saúde

Chá de folha de mamão e dengue: é falso que bebida combate a doença

Não existem evidências científicas de que a bebida possui propriedades medicinais no tratamento da doença

vitamina B e dengue
Saúde

Vitamina B previne a picada do mosquito da dengue?

Sem comprovação científica, a técnica popular pode levar a população a uma falsa sensação de segurança