Transtornos alimentares na pandemia aumentam 40%

Alimentação Bem-estar Saúde
16 de Agosto, 2021
Transtornos alimentares na pandemia aumentam 40%

De modo geral, a Covid-19 criou situações que fragilizaram a saúde mental de toda a população. Como isolamento social, mortes, preocupações em excesso, medo, falta de emprego, dinheiro, entre outros. Assim, todos esses fatores facilitaram o surgimento de problemas, como transtornos alimentares na pandemia.  

O aumento dos transtornos alimentares — principalmente entre adolescentes e jovens — tem sido um problema recorrente há mais de duas décadas. É o que dizem diversos estudos feitos em todo o mundo desde os anos 2000. 

Mas um levantamento feito pela National Eating Disorders Association, ONG que ajuda indivíduos e famílias afetadas por transtornos alimentares, mostrou um aumento de 40% nas ligações em sua linha de suporte desde março de 2020, mostrando que a pandemia contribuiu para o aumento do problema.

Leia também: Transtorno Alimentar Restritivo Evitativo: Sintomas e tratamento

O que diz a pesquisa sobre os transtornos alimentares na pandemia

Outro estudo, realizado em 2020, contou com a participação de mil voluntários diagnosticados com transtornos alimentares nos EUA e na Holanda.

Assim, os resultados mostraram que as pessoas com anorexia ficaram mais propensas a comer ainda menos refeições diárias, jejuar e ingerir alimentos de baixa caloria desde o surgimento da pandemia. Já as pessoas com bulimia e transtorno de compulsão alimentar tiverem episódios mais frequentes e mais desejo de comer de maneira compulsiva.

A psicóloga e coordenadora do grupo Comer Compulsivo do AMBULIM (IPQ- USP), Valeska Bassan, diz que escolher quando, como e quanto comer oferece uma sensação de poder e controle diante de circunstâncias incontroláveis. “Em momentos de estresse, é bastante comum o ‘comer emocional ́, que não é um estímulo de fome, e sim um gatilho emocional como resposta a uma situação adversa. Por isso, muita gente ganhou ou perdeu peso de forma significativa durante a pandemia”, aponta.

Outro ponto destacado pela especialista é que com o distanciamento social, grande parte das pessoas tiveram suas atividades físicas limitadas ou paralisadas. Além disso, o uso das redes sociais substituiu os encontros presenciais, o que é positivo do ponto de vista de conexão. No entanto, é prejudicial no quesito percepção da autoimagem, gerando comportamentos mais negligentes em relação à alimentação.

Leia também: Diabulimia: Entenda o transtorno alimentar e saiba identificá-lo

“Por isso, ficar atento aos sinais do corpo e da mente é fundamental, e o mais importante é perceber a si mesmo. Perguntar ‘como estou hoje?’, ‘Isso que estou sentindo é normal?’ Enfim, se ouvir e tentar perceber o que se passa com a gente. Isso já é o primeiro passo para a cura ou para a busca de um tratamento adequado”, explica Valeska.

Fonte: Valeska Bassan, Psicóloga e coordenadora do grupo de comer compulsivo do AMBULIM (IPQ- USP).

Sobre o autor

Julia Moraes
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em fitness, saúde mental e emocional.

Leia também:

imunidade feminina
Saúde

Imunidade feminina: quais são as vitaminas essenciais?

Vitamina C, D e do complexo B são algumas das opções

mulher madura comendo uma maçã ao ar livre. Ela está de óculos de sol e tem uma toalha apoiada nos ombros
Alimentação Bem-estar

Dieta ideal para menopausa: o que (e quanto) consumir?

Artigo publicado na revista Nature mostra quais itens consumir (e quais evitar) em uma dieta para aliviar os incômodos da menopausa

Em quanto tempo o ômega-3 faz efeito?
Alimentação Bem-estar Saúde

Em quanto tempo o ômega-3 faz efeito?

O ômega 3 é considerado um nutriente essencial para uma dieta saudável e balanceada