Técnica usa mesma molécula para diagnosticar e tratar câncer

Saúde
05 de Setembro, 2023
Técnica usa mesma molécula para diagnosticar e tratar câncer

Uma nova técnica que usa a mesma molécula para diagnosticar um tumor em exames como a cintilografia e o PET-CT também estão sendo empregadas no tratamento da doença. Batizado de ‘teranóstico’, esse conceito que combina as palavras terapia e diagnóstico é o tema central do Congresso Brasileiro de Medicina Nuclear, que ocorrerá no final de setembro, em Pernambuco.

Leia mais: CAR-T: entenda o tratamento contra o câncer que usa células de defesa do próprio paciente

Como funciona a técnica que usa mesma molécula?

Tradicionalmente, pessoas que fazem tratamento contra o câncer usam radiofármacos, isto é, moléculas combinadas com elementos radioativos. Elas são captadas por órgãos ou lesões, tanto para fins de diagnóstico quanto de tratamento de doenças.

Quando injetados no paciente, elas não apenas revelam a forma, mas também o funcionamento de órgãos como o coração, cérebro, tireoide, rins, fígado e pulmões. Assim, possibilitam a identificação de condições que variam desde embolia pulmonar até infartos, doenças renais, câncer e a doença de Alzheimer. Além disso, esses radiofármacos também são empregados no tratamento de condições como o hipertireoidismo e o câncer de tireoide, entre outros.

Teranóstico: o que é e como funciona?

No caso do “teranóstico”, a mesma molécula é ligada a dois tipos de elementos radioativos, com diferentes objetivos. Primeiramente, fazer o diagnóstico e, em seguida, tratar a doença. “A partir do exame de imagem podemos triar o paciente e saber se ele vai responder ao tratamento”, explica a médica nuclear Lilian Yamaga, do Departamento de Imagem do Hospital Israelita Albert Einstein.

Recentemente, a técnica demonstrou resultados promissores em pacientes com câncer de próstata que não responderam a outros tratamentos. Nestes casos, o processo começa com o diagnóstico, que utiliza uma molécula presente em maior quantidade na membrana das células desse tumor, conhecida como PSMA. Essa molécula liga-se a um material radioativo e então o tumor a captura, revelando suas características e localização. Em seguida, com base nessas informações, associa-se a mesma molécula a outro elemento radioativo que tem o poder de destruir as células cancerosas.

“A vantagem é poder levar a radiação ao local exato do tumor em qualquer lugar do corpo e na quantidade necessária, até nos casos em que o tumor está espalhado, buscando evitar ao máximo atingir células saudáveis”, explica Paulo Rosado, diretor científico da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear. “Ela pode causar menos efeitos colaterais do que outras terapias, aumenta a qualidade de vida e a sobrevida desses pacientes, se tornando mais uma arma no arsenal de tratamento.”

Segundo Yamaga, é um tratamento sistêmico, bem direcionado, capaz de levar o remédio certo ao local exato. “Conseguimos bons resultados em casos que não respondiam bem ao tratamento oncológico padrão.”

Próximos passos

Por fim, com a descoberta de novas moléculas, espera-se o desenvolvimento de terapias cada vez mais personalizadas para diferentes tipos de tumores. É importante ressaltar que a quantidade de radiação utilizada nos exames diagnósticos é muito pequena. Tanto os exames quanto os tratamentos com radiofármacos são procedimentos seguros, sendo raros os eventos adversos.

“Nosso desafio agora é ampliar o acesso a esses exames e tratamentos, pois nem todos constam nos procedimentos aprovados no SUS [Sistema Único de Saúde] e na saúde suplementar, bem como priorizar investimentos para garantir a produção dos insumos necessários”, diz Rosado.

Fonte: Agência Einstein.

Leia também:

montagem com as fotos de Wagner
Saúde

Ele já fez mais de 100 doações de sangue e plaquetas: “dar um pouco da minha saúde para quem precisa”

Conheça a história de Wagner Hirata, que tem as doações de sangue e plaquetas como um de seus propósitos de vida

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte

Reynaldo Gianecchini
Saúde

Reynaldo Gianecchini revela diagnóstico de doença autoimune

A síndrome de Guillain Barré causa fraqueza e dificuldades para mover os braços e as pernas